Jornal da Praia

PUB

GREVE DE FOME POR REFEIÇÕES

Quarta, 28 de Fevereiro de 2018 em Atualidade 192 visualizações Partilhar

GREVE DE FOME POR REFEIÇÕES

Paulo Estevão, deputado da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA), eleito pela ilha do Corvo nas listas do Partido Popular Monárquico (PPM), encontra-se desde 19 de fevereiro em greve de fome. A luta iniciou-se na Horta, durante o período legislativo de fevereiro da ALRAA e prosseguiu em Ponta Delgada onde o deputado encontra-se atualmente.

Ontem, em conferência de imprensa, Paulo Estevão, afirmou aos jornalistas que optou por esta via depois de "esgotados todos os recursos legislativos e de discussão parlamentar" sobre o fornecimento de refeições escolares aos alunos e pessoal docente e não docente da Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira daquela ilha.

O Governo Regional dos Açores passou a contemplar, nos últimos meses, um pagamento às famílias afetadas pela ausência de cozinha e refeitório escolar na ilha, mas para o parlamentar do PPM, tal não mais é que uma "desresponsabilização".

Paulo Estevão recordou que os alunos do Corvo “são poucos – apenas 41 crianças e jovens – e vivem no lugar mais isolado do país”, mas “isso em nenhuma circunstância lhes pode retirar direitos”.

“Entre eles estão alguns – não são todos, nem sequer a maior parte – que beneficiarão muito do facto de ter uma refeição quente assegurada por dia em vez de um simples papo-seco ocasional. Tenha-se em conta que 25 alunos dos 41 alunos são beneficiários da ação social escolar. Isto significa que cerca de 61% dos alunos do Corvo são beneficiários da ação social escolar”, sustentou.

O parlamentar referiu que o executivo açoriano, através do secretário regional da Educação e Cultura, tem vindo a defender “que se tem de tratar de forma diferente o que é diferente”, não vendo “em que é que os alunos do Corvo são diferentes dos do resto do país”, uma vez que ”têm iguais necessidades e iguais direitos”.

“Qual é a justificação de uma medida deste género? O que motivou o Governo Regional a construir refeitórios e cozinhas escolares em todas as ilhas? Que razões explicam a discriminação da escola do Corvo neste âmbito. É por ser uma ilha pequena e com as habitações perto da escola? Então por que razão fornece refeições escolares em freguesias mais pequenas que o Corvo, com a mesma proximidade das habitações?”, Interroga o deputado.

PS/CORVO ACUSA DEPUTADO DE INSTRUMENTALIZAR COMUNIDADE ESCOLAR

Em comunicado ontem enviado às redações, o secretariado do Partido Socialista da ilha do Corvo, diz lamentar aquilo que considera ser “um comportamento político desadequado e desproporcionado do deputado Paulo Estêvão e da Presidente do Conselho Executivo da Escola Mouzinho da Silveira, Deolinda Estêvão”

Afirmam os socialistas corvinos, que “os encarregados de educação e alguns alunos desta escola foram chamados ao seu conselho executivo, tendo sido persuadidos a manifestar-se e apoiar o deputado Paulo Estêvão na greve de fome que o mesmo tem feito”.

“Parte dos pais assinaram um documento, produzido na escola, a recusar a compensação monetária aos encarregados de educação, para que confecionem em casa as refeições dos seus educandos, visto não existir cantina escolar. O documento em causa, elaborado pela Senhora Presidente do Conselho Executivo, avança argumentos que não correspondem à verdade”, lê-se no comunicado.

“O PS/Corvo repudia que os membros do PPM estejam sistematicamente a instrumentalizar alunos e encarregados de educação, procurando gerar uma crise artificial, onde ela não existe, chegando ao ponto de abordar a Escola para que esta fechasse portas, em solidariedade com o deputado Paulo Estêvão” acusa o comunicado, acrescentando, “toda esta situação não passa de uma teimosia política, de um capricho do deputado Paulo Estêvão, que procura instrumentalizar toda a comunidade escolar, em seu benefício político”.

Por sua vez, Vasco cordeiro, presidente do executivo açoriano, ontem questionado pelos jornalistas à margem da inauguração de obras na Unidade de Saúde de Rabo de Peixe, na Ribeira Grande, afirmou: “vivemos numa região livre em que cada um escolhe a maneira em que entende se manifestar".

Lusa/GI-PS/JP