Jornal da Praia

PUB

O MEDO DO DESCONHECIMENTO

Segunda, 26 de Fevereiro de 2018 em Opinião 262 visualizações Partilhar

O MEDO DO DESCONHECIMENTO

O João da Paz era um miúdo com uma rotina definida, que seguia à risca, entre a escola, casa e as explicações de Geografia. Não tinha grande inteligência, mas não lhe faltava perspicácia, e uma capacidade de questionar temível para qualquer professor ou adulto. Estava no quinto ano e não gostava de fazer nada o que os jovens da sua idade faziam. Todas as noites, antes de dormir, denotava uma ansiedade tremenda, que lhe fazia adormecer apenas nas longas horas da madrugada.

Ele e a família moravam na ilha mais pequena do arquipélago, mas não era por isso que deixava de ansiar conhecer o mundo que ouvia na televisão. Todos dias, depois da escola, via o telejornal na RTP e reparava que não fazia parte do país que a televisão mostrava. Nunca era mencionado o arquipélago dos Açores, muito menos a pequena ilha que lhe dava a terra nos quais os seus pés assentavam. À primeira notícia, fechava os olhos e só ouvia o que o pivot dizia. Para ele o desconhecimento era o seu nome do meio e sempre pensara que o Corvo era a sua pátria, embora quase nada conhecesse sobre o lugar que o vira nascer. O João da Paz tinha idade para ser um jovem despreocupado, sem que a vida lhe desse ânsias a mais do que apenas o medo de partir o cão de louça que a avó tinha na entrada da sala de estar. Porém, a ansiedade das noites começava a preocupar os pais. Não descansavam e viam o filho numa aflição tremenda, sempre que escutava o telejornal das sete da tarde na RTP. A ansiedade atingiu um nível maior quando o João teve que fazer uma ficha de trabalho de Geografia sobre bacias hidrográficas, rios e afluentes e as serras de Portugal.

A mãe não lhe entendia, tamanho era o desespero que o rapaz brotava pelos poros, quando olhava para o mapa de Portugal. A progenitora acompanhou-a no trabalho de casa e puseram-se a estudar as definições que a professora Zulmira tinha pedido que pesquisassem.

O Corvo apesar de ser uma ilha ridiculamente pequena tinha acesso ao mundo, quer fosse pelo aeródromo que recebia forasteiros, quer fosse pela internet ou televisão. Todos os anos a ilha recebia alguns professores continentais que durante aquele ano letivo lecionavam na Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira. Digo continentais porque os professores ilhéus que lá chegavam, quase que sofriam da mesma ansiedade que o pequeno João sentia durante a noite, depois de assistir ao telejornal, embora não soubessem o motivo.

No dicionário que tinham recuperado do sótão sujo e cheio de pó, que o avô tinha deixado como herança, analisavam atentamente o alfabeto de modo a alcançar a letra A, depois a B e por fim a R. A criança e a mãe procuravam as palavras que a professora tinha pedido, de modo a puderem concluir a ficha que agoniava João da Paz.

Bacia Hidrográfica – (geologia) depressão de um terreno ocupado por um rio e pelos seus afluentes.

No mesmo instante que leu a definição de bacia hidrográfica, o rapaz soltou um gemido. A mãe calou-o com um abanão e exigiu que não parecesse tolo.

Depois de passar para a folha do caderno diário a definição de bacia hidrográfica, foram em busca do que seria um rio.

Rio – grande curso de água natural, quase sempre oriunda das montanhas, que recebe no trajeto águas de regatos e ribeiros, e desagua em outro curso de água, num lago ou mar.

João da Paz voltou a gemer, mas desta vez longamente, como se se tratasse de alguma reprimenda do pai num dia em que se tivesse portado mal ou então de um puxão de orelhas da avó, por ter quase partido o cão de louça. A mãe não entendia os gemidos e já associava aquela atitude à ansiedade das noites. Pensava para si que o problema era a professora de Geografia. Logo de seguida, questionava-se: o que tem o telejornal a ver com a professora de Geografia? Se o João parecia estar num labirinto de dúvidas e de medos próprios da idade, a mãe não estava menos nervosa pela situação esquisita do filho. Continuaram, no entanto, em busca da última definição que a professora Zulmira exigira. Agora era a vez de definir afluente.

Afluente – rio ou riacho que desagua em outro maior; rios e cursos de água menores que desaguam em rios principais.

O jovem lançou um choro exageradamente estranho aos olhos da mãe, que sem saber o que fazer ou o que dizer, fechou o dicionário com estrondo e virou a ficha de trabalho ao contrário. João da Paz calou-se imediatamente, fazendo justiça àquilo que a mãe acabara de fazer. A mãe desnorteada aconselhou o filho a descansar e que no dia seguinte terminariam a ficha de Geografia.

Entretanto, João foi para a cama na tentativa de adormecer ao som do silêncio da noite, depois de um dia cansativo e de atração pelo medo do desconhecimento. Ele nunca soubera o que era uma bacia hidrográfica, um rio ou um afluente. Quando andava na rua principal do Corvo nunca vira aquilo que o dicionário apontara como um “grande curso de água natural” e que o noticiário às vezes falava. Ele nunca vira porque os olhos fechavam-se com medo. O rapaz tinha mais medo ainda porque não sabia nada da sua própria terra, que ele considerava uma pátria. Ele não conhecia o seu mundo exterior e o seu próprio mundo era desconhecido. Como iria ter uma mente capaz de interiorizar tudo aquilo que era para ser sabido sobre o seu país, se nunca tinha sabido o que era a sua ilha?

No dia seguinte, a mãe colocou-se na frente de João e fizeram a ficha. Em vários momentos, a mãe começava a ficar ansiosa como o filho por ouvir falar em coisas que nunca tivera oportunidade de ver ou sequer saber que existiam. O Continente era uma ilusão para os corvinos, tal como o Corvo era uma ilusão para os continentais. Por acréscimo, os rios e as serras de Portugal Continental eram ofensivos ao parco conhecimento que aqueles ilhéus tinham da sua própria terra, porque eram obrigados a saber mais do mundo que nunca conheceram, do que do mundo onde sempre tinham vivido.

Como açorianos de peito aberto que eram, sorriram os dois quando leram na folha, Serra da Estrela, porque sabiam que em comparação com o Pico, os Açores tinham algo mais grandioso e maior. Viam escrito no papel – Rio Zêzere, Rio Vouga, Rio Tejo, Rio Douro, Rio Sado, Rio Tua, Rio Lima e Rio Lis – e ficaram pasmados, a olhar um para o outro, se bem que o filho já bem menos ansioso porque já tinha sido compreendido, sem nada ter dito, pela mãe. Ambos, num sinal de pura incompreensão, franziram os olhos e questionaram-se ao mesmo tempo – porquê?

Depois de acabarem a ficha de trabalho de Geografia, a disciplina a que João da Paz tinha 2 na pauta final, puseram-se a escutar o telejornal, de olhos fechados. Mais um dia, sem informações sobre o Corvo ou sequer os Açores como um todo. A mãe de João deitou-se na cama do filho e conversou com a criança, vislumbrando agora, todos os seus receios. Ela não compreendia o porquê do filho ser obrigado a saber tudo sobre o Continente distante e entendia que o filho tivesse medo de saber mais do que era longínquo, do que aquilo que lhe era próximo.

Tanto João da Paz como a mãe, como todos os corvinos, precisavam fazer jus à pequena pátria que era o berço de todos eles. Primeiro precisavam saber cada pormenor que aquela pequena terra tinha, cada mito por descobrir e cada história por contar. Precisavam de não ter medo de conhecer para além daquilo que já conheciam, mas tinham de priorizar aquilo que era sua identidade mais próxima. Tinham de erguer o Corvo ao topo das suas prioridades e serem autênticos sábios sobre a história, a cultura e a sociedade do sítio que os tinha visto nascer. Depois tinham de conhecer aquilo que era conhecido por Açores. Em conjunto com todos os outros ilhéus deviam ter a missão de pôr de lado a ideia de pequenas pátrias, que cada ilha significava, e criar a unidade e a identidade açoriana, como meio de serem mais fortes no mundo. Só assim, depois desse esforço aguerrido, podiam enfrentar esse mundo desconhecido e feroz que era o Continente distante, que se impunha diariamente e fazia o jovem João da Paz ter medo do desconhecimento. Só assim João podia ver o telejornal sem os olhos estarem tapados e com a certeza de que o espaço onde vivia era por ele conhecido e entendido.

Compreendia-se o comportamento da criança. A culpa era das televisões imponentes, que ignoravam a noção de país e deixavam os ilhéus esquecidos por convicção. A culpa era dos pais do João que nunca tinham sentido a necessidade de compreenderem que viviam numa ilha, que estava dentro de um conjunto de ilhas, que estavam dentro de um “país”, e que deviam explicar essa hierarquia ao filho. A culpa era dos políticos nacionais que ignoravam o espaço insular, que parecia ser apenas o lugar onde se vão buscar os votos durante as eleições. A culpa era dos corvinos e dos açorianos que ainda não tinha cumprido a sua ilha e o seu arquipélago. Ainda não tinha cumprido a missão de se autoconhecerem. A culpa era dos professores nas escolas que conviviam bem com o conhecimento parcial e com o não ensinamento do que realmente é importante para a comunidade local.

Bastou a ansiedade de uma criança por temer conhecer um mundo paralelo a mais do que o seu próprio mundo, para se entender tudo isto. Bastou que uma criança fechasse os olhos e só escutasse o telejornal nacional, para se verificar que somos reduzidos ao esquecimento diariamente.

O rapaz não sabia porque aprendia tudo sobre o Continente e nada sobre a sua terra. A partir da ficha de Geografia e do entendimento da mãe, começou a ler as cartas que o avô deixara para a posterioridade sobre o Corvo e os Açores. Começou a ler todos os livros sobre História dos Açores e a criar diferenças entre o mundo insular e o mundo continental. A partir do momento em que tirou tempo para se autodescobrir e autoconhecer, abriu os olhos e os ouvidos ao telejornal da noite e à disciplina de Geografia. João da Paz sabia que nada podia fazer para mudar a cobardia e a prepotência dos jornalistas do seu “país” nem o currículo escolar da disciplina, mas que agora podia olhar para esse amontoar de estupidez e de ignorância com olhos de quem era culto, atento e perspicaz, e conhecedor dos dois mundos. Porque ele conhecia a sua terra e o Continente distante. Os de lá só conheciam o seu mundo.

NE: Texto publicado na edição n.º 514 de 02 de fevereiro de 2018