Jornal da Praia

PUB

PSD ACUSA CÂMARA DA PRAIA DE QUERER MANDAR NO CARNAVAL

Sexta, 23 de Fevereiro de 2018 em No Concelho 238 visualizações Partilhar

PSD ACUSA CÂMARA DA PRAIA DE QUERER MANDAR NO CARNAVAL

O grupo municipal do PSD da Praia da Vitória lamentou na manhã desta sexta-feira, 23 de fevereiro, na Assembleia Municipal, que a autarquia praiense não tenha acatado a proposta social democrata para alteração do regulamento de apoio às Danças e Bailinhos de Carnaval, que consideraram ser “uma imposição condicionante”, expressando que “a Câmara quer mandar, até no Carnaval”.

Segundo Clélio Meneses, responsável pela bancada municipal do PSD, “o que foi feito este ano obrigou os vários grupos a dançar em nove salões do concelho, mais o Auditório do Ramo Grande, e nós apresentamos uma proposta para que fosse eliminada essa imposição”, explicou.

“Infelizmente, a maioria do PS votou contra. Na Praia da Vitória, o PS quer mandar em tudo, até no Carnaval”, criticou.

“O PSD entende que o Carnaval é uma festa de liberdade, e um exercício de cidadania que sempre assim funcionou ao longo da História, e nunca pode ser subjugado a qualquer tipo de imposição. Este ano, criou-se um constrangimento grande às atuações dos grupos, que devem ser feitas de acordo com a sua vontade, porque é essa a essência do Carnaval”, adiantou.

Outro assunto versado na Assembleia Municipal da Praia da Vitória desta sexta-feira teve a ver com a responsabilidade pela manutenção das linhas de água em aglomerados urbanos, e também dos caminhos agrícolas, “que é uma obrigação legal da câmara municipal”, disse Clélio Meneses. “Mas quem exerce, na prática, essas competências, são as juntas de freguesia, com os seus parcos recursos financeiros e humanos, e muitas vezes à custa da força, da disponibilidade, e até dos meios dos próprios presidentes de junta e membros das mesmas”, denunciou.

O social democrata propôs “uma transferência de competências e de verba para que, de facto, aquelas tarefas fossem assumidas pelo município, que é o responsável pelas mesmas, de acordo com a lei”. Mas, “mais uma vez, o PS esteve contra, porque não respeita os presidentes de junta e as juntas de freguesia, e votou contra a nossa proposta. De uma forma que não respeita a lei nem a legitimidade democrática dos eleitos de freguesia”, concluiu.

GI-PSD/JP