Jornal da Praia

PUB

36 ANOS DEPOIS, O JORNAL DA PRAIA AQUI CONTINUA

Sábado, 28 de Abril de 2018 em Atualidade 804 visualizações Partilhar

36 ANOS DEPOIS, O JORNAL DA PRAIA AQUI CONTINUA

Parafraseando o historiador e cronista deste quinzenário, Francisco Miguel Nogueira, “há exatos” 36 anos, a 29 de abril de 1982, uma quinta-feira, nasceu na então jovem cidade da Praia da Vitória o “Jornal da Praia”. Depois de vários projetos anteriores, perdidos nas amarguras do tempo, o “Jornal da Praia”, fazia renascer a imprensa escrita na Praia da Vitória, pelas mãos da associação cultural “Grupo de Amigos da Praia”, estatutariamente constituída 1 mês antes.

E não só porque “recordar é viver”, mas também e sobretudo, porque os propósitos de ontem perduram na modernidade do nosso tempo, transcrevemos abaixo, o artigo que preenchendo toda a primeira página desse número fundador, fundamentava e elencava os objetivos que levaram ao renascimento da imprensa escrita na Praia da Vitória.

Nesta longa caminhada de 36 anos, muitas foram as dificuldades encontradas, sempre ultrapassadas, graças à abnegação de homens e mulheres que ao longo deste percurso este projeto abraçaram. Hoje, num tempo de reconhecida dificuldade para a imprensa escrita em geral, e para a local em particular, o Jornal da Praia aqui continua, numa magnífica prova de resistência ao tempo, constituindo caso único de longevidade da imprensa escrita na nossa cidade.

PRIMEIRA EDIÇÃO

É nesta Praia de Jácome de Bruges, Francisco Ornelas da Câmara, Silvestre Ribeiro, João António das Neves, Alexandre Ramos, Sousa Júnior, Gervásio Lima e tantos e tantos outros até e depois de Nemésio, que a memória se perfilha; é nesta Praia do Padre Rocha de Sousa – retrato semeador –, do Santo Cristo dado Oceano à Costa, do Menino Jesus (Louvado Seja!) de bênçãos e perpetuações reais; é nesta Vitória de Agosto e outros Celeiros de libertação nacional; é nesta baía de fortins e milícias gloriosas – do Espírito Santo a Santa Catarina –, que à Lei da Morte desobedeceram; é nesta Praia de mármores e douradas talhas da Matriz, cantarias da Câmara, lenitivos da Misericórdia e de S. Lázaro, até à Alfândega dos desembargos; é nesta Praia conventual da Graça, S. Francisco, Luz e Jesus (com Remédios de tenência...), das ruas de Baixo e de Cima, Figueiras do Paim, Saúde, Largo da Luz, Poço da Areia e Praça; é nesta Praia de rede puxada e pescadores, de lavradores, facheiros, corporações e artesãos, de mangas-de-alpaca e comerciantes, de donas-de-casa e senhoras-dona, de criadinhos-de-volta e senhores-bem-postos, e também muitos poetas; é nesta Praia do Rasga e do Santa Cruz, dos Encarnados, dos Brancos, da Filarmónica, dos Escuteiros, do Clube dos Velhos, do Asilo, dos Impérios do Bodo e do Café Terezinha; é nesta Praia de Lojas, Tertúlias, Alambiques e Grafonolas; é nesta Praia das danças dos Quilhabras, das sardinhas saborosas, do peixe apregoado e das touradas na areia; é nesta Praia dos artistas do Salão, dos organistas da igreja, das zeladoras dos altares e andores de procissão, dos sinos fortes das torres; é nesta Praia do tempo no relógio da Câmara – é nesta Praia que foi, que é (ainda?) e que (o quê?) – será!

Mas agora, que Praia é a nossa? Que gente, que memória e que destino?

No céu cruzado pelos tecnológicos pássaros-de-aço, que rumo o nosso?

E no mar – onde o jacto para o vigia é periscópio de lente nuclear – em que Porto fundear?

E na terra – ilha de vulcânico berço – que sementes lançar?

«JORNAL A PRAIA» – para reviver, recuperar, dinamizar e projectar – aqui está: mais para unir do que para dividir. Mais para pensar do que alienar. Mais para construir do que destruir: – Para libertar e não deixar oprimir!

«JORNAL DA PRAIA» aqui estará com o nosso Povo, com a nossa Cidade, com o nosso Concelho, com a nossa Ilha, com os nossos Açores e com a nossa Pátria, no Mundo.

A todos – e muitos são – que, em solidariedade, deram ou vão dar testemunho de sonhos e esperanças dignas, aqui se deixa o sinal da gratidão e a promessa da vontade de servir a comunidade que somos e perpetuamos.

Pelas nossas palavras e actos seremos julgados e pela justa medida dos homens e das coisas – irmanados na dialogante multiplicidade do ser e do estar em sociedade – procuraremos com imparcialidade e sem temor, a Verdade, no realismo humanistas de uma História aberta e vocacionada para a afirmação de todos os valores que reflictam a Transcendência de que o Homem é imagem.

E tudo isto em cumprimento adequado daquilo que o «Grupo de Amigos da Praia» a si próprio se impôs:

«Em toda a sua actuação procurar-se-á preservar os valores insulares que integram a Açorianidade como forma de ser no Mundo, mormente as autênticas manifestações culturais, religiosas ou profanas das Gentes das Ilhas, como componente inovadora na Comunidade Lusíada, raiz de referência das gerações e parâmetro na evolução do fenómeno cultural».

GRUPO DE AMIGOS DA PRAIA

Em 1982 a ilha Terceira e o concelho da Praia da Vitória recuperavam social e economicamente do abalo sísmico do primeiro dia do ano de 1980. Apesar de cidade há cerca de um ano, a Praia da Vitória continuava a desempenhar um papel de “menor” dimensão no contexto de ilha e região.

No sentido de promover a dinamização e progresso do concelho, integrando-o de direito e merecimento próprio na ilha e arquipélago, um punhado de praienses unem-se e fundam a 26 de março de 1982, o “Grupo de Amigos da Praia” com vista ao lançamento de um jornal que levasse a Praia da Vitória a toda a ilha, aos Açores e até aos muitos praienses a trabalhar no continente, na América, no Canadá, na Europa e por esse mundo fora.

Acreditavam estes praienses de coração que a parte oriental da ilha Terceira, constituída pelo majestoso Ramo Grande, com um aeroporto, porto oceânico, agropecuária de referência, arquitetura singular e zonas de viticultura de destaque era não só indispensável ao desenvolvimento da ilha como fundamental para o desenvolvimento sustentado e harmónico de todo o arquipélago.

36 anos depois, os tempos são outros e muitas coisas mudaram, mas continua atual o desígnio fundador – afirmar a Praia da Vitória – no contexto de ilha, região, país… no mundo! Assim o entendam todos os praienses.

Na foto acima, de pé da esquerda para a direita: Francisco Mendes; Eduardo Rosa; António Barroso; Francisco Ferreira; Luis Pinheiro; e Dulberto Silva. Sentados da esquerda para a direita: Cota Moniz; Thiers Cunha; Jorge Ázera; Alvarino Pinheiro; José Ávila; e João Ornelas do Rêgo.

GALA JORNAL DA PRAIA

Em 2014, o Jornal da Praia organizou pela primeira vez uma Gala. Pretendeu-se com este evento de periodicidade bianual, comemorar a longevidade de um projeto que apesar de todas as vicissitudes perdura no tempo mantendo-se vivo, e também, distinguir entidades e individualidades que com a sua prestimosa ação contribuem ativamente para o desenvolvimento e afirmação da Praia da Vitória além-fronteiras.

Em 2016, por ocasião do 34.º aniversário, realizou-se aquela que foi a 2.ª Gala, onde foram homenageados:

Prémio Personalidade: João Ornelas do Rêgo; Paulina Oliveira; e Luís Filipe Cota Moniz (antigos diretores do jornal);
Prémio Trabalho e Empenho: Filarmónica União Praiense;
Prémio Revelação: Myrica Faya;
Prémio Tradição: Lar D. Pedro V;
Prémio Carreira: Sebastião Lima;
Prémio Empresa: Susiarte;
Prémio Desporto: Sport Club Praiense;
Prémio Jornal da Praia: Clínica Médica da Praia da Vitória

Apresentamos no “foto-vídeo” abaixo alguns desses momentos, elaborado a partir de fotografias de João Costa da Foto-Íris, a quem agradecemos o registo fotográfico.

Este ano realizar-se-ia a III Gala, mas os infortúnios que ao longo desta caminhada sempre nos bateram à porta impediram de todo a sua realização. José Miguel Silva, administrador, peça angular na sobrevivência deste quinzenário nos últimos anos, encontra-se gravemente doente, lutando a cada instante pela vida. A equipa do JP deseja que o Miguel rapidamente possa juntar-se a nós e manifesta profunda solidariedade com a dor que sentem familiares e amigos.

JP – Online