Jornal da Praia

PUB

INTERESSES MILITARES IMPEDEM DESCONTAMINAÇÃO DAS LAJES, CONSIDERA BLOCO DE ESQUERDA

Quinta, 22 de Fevereiro de 2018 em Atualidade 108 visualizações Partilhar

INTERESSES MILITARES IMPEDEM DESCONTAMINAÇÃO DAS LAJES, CONSIDERA BLOCO DE ESQUERDA

A descontaminação dos solos da ilha Terceira não foi ainda encarada com “assertividade, exigência e urgência” porque o Governo Regional e o Governo da República põem em primeiro lugar os “interesses do ponto de vista militar, político, estratégico” para a utilização da Base das Lajes no âmbito da NATO e da aposta militar da União Europeia, diz Zuraida Soares, deputada bloquista no parlamento açoriano.

Zuraida Soares considera que o facto de esta matéria estar entregue ao ministro dos Negócios Estrangeiros e ao ministro da Defesa, em vez de estar entregue ao ministro do Ambiente e ao ministro da Saúde, demonstra esta estratégia do Governo da República.

“Se o Governo da República quisesse tomar em mãos esta situação de forma séria e exigente entregaria este dossier ao ministro do Ambiente e ao ministro da Saúde”, disse a deputada do BE, que considera que se trata de uma “tentativa de desvalorização do crime ambiental e do problema de saúde pública”.

Referindo-se à recente visita do embaixador dos EUA em Portugal aos Açores, Zuraida Soares disse que diplomata “está a brincar com os terceirenses, com os Açores, com os órgãos de governo próprio desta região quando diz que está tudo a correr bem porque os contactos foram reforçados”.

O Bloco insiste que é urgente iniciar os trabalhos de descontaminação imediatamente, e refere que não há dúvidas sobre quem deve pagar: os EUA.

“Estamos fartos de saber de quem é a responsabilidade de pagar a descontaminação. Portugal não tem é coragem para cobrar”, lamenta Zuraida Soares.

“Temos que estar agradecidos pelo facto de os EUA terem assumido a responsabilidade pela porcaria que fizeram? Limparam um buraquinho? E depois? E o resto daquela ilha que está contaminada? E as pessoas que lá vivem? Acho muito poucochinho”, concluiu a deputada do BE.

GI-BE/JP