Jornal da Praia

PUB

OS “ROCHAS” DA RUA DE JESUS

Domingo, 11 de Fevereiro de 2018 em Opinião 277 visualizações Partilhar

OS “ROCHAS” DA RUA DE JESUS

Para se falar da nossa Praia é preciso referir a base das Lajes e agricultura, mas não podemos esquecer o seu centro e o comércio que cá está e faz também parte da sua identidade. Ninguém pode dizer que é verdadeiramente praiense se, por exemplo, nunca entrou na “Loja do Coração de Jesus”, logo no início da Rua de Jesus, cortou o cabelo ou aparou a barba nos “Rochas”, tomou café no “Terezinha” ou comprou uma camisa da “Victor Emanuel” – que já não existe – no “Lopes”. Não pode de forma alguma.

Talvez por agora passar mais tempo fora, quando cá venho tenho optado por ir aos locais da minha infância e dado uns passeios a pé à noitinha pelo centro, onde me cruzo por vezes com o senhor Olivério que faz o mesmo, mas todos os dias. No outro dia, antes de voltar a Lisboa senti saudades do ambiente dos “Rochas”, ou dito corretamente “Barbearia Rocha”, e de ir lá em pequeno com o meu avô cortar o cabelo – pente dois, na altura. Lembro-me que costumávamos ir de manhã e nos, mais ou menos, vinte minutos que esperávamos pela vez ouvia a clientela e os barbeiros falarem das notícias da terra que estavam na ordem do dia ou pura e simplesmente de fulano que tinha morrido ou beltrano que tinha falido – é sabido que nos lugares pequenos é assim.

Há uns bons anos que não ia lá. O espaço está exatamente igual e o ambiente também, mas talvez por ter ido da parte da tarde havia menos gente. Ainda assim, fiz por não fugir à tradição e puxei logo o derby Benfica/Sporting à baila, apostei num empate, os senhores Hernâni e José também – felizes, porque são portistas. Depois falamos da barbearia, pedi informações para escrever este artigo, porque não tinha paciência para abrir o ano com política e porque o espaço merece. “É a loja com a porta aberta há mais tempo na Rua de Jesus”, garantiu-me o senhor Hernâni enquanto me passava a máquina em pente quatro. Foi inaugurada a 2 de janeiro de 1966 – 52 anos, portanto – por José e Manuel Rocha, da Fonte do Bastardo – o primeiro ainda se mantém lá com o sobrinho. Também o Duarte, há já alguns anos sozinho na Rua da Graça começou ali.

Na barbearia já muito americano já rapou a “gadelha” e português também, muito já viram aqueles barbeiros na rua principal, já muito debate sobre a cidade foi feito entre clientes, a Praia já ganhou muito com os “Rochas”. Agora está tudo, certamente, mais calmo, tal como em todo o comércio, mas melhores dias virão, porque se bem conheço os praienses não há tempestade que depois de passar não os faça tornar a Praia ainda melhor.

Rodrigo Pereira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 513 de 19 de janeiro de 2018