Jornal da Praia

PUB

OS ENSINAMENTO DA CATALUNHA (II)

Sexta, 09 de Fevereiro de 2018 em Opinião 291 visualizações Partilhar

OS ENSINAMENTO DA CATALUNHA (II)

Posto durante algum tempo em banho-maria, esse particularismo renasce a favor da crise do século XIX com os atentados em Barcelona, a partir de 1830, prolongando-se por dez anos, e com o desenvolvimento literário da língua catalã, cujas obras enchem os salões ou cenáculos e atingem o povo.

Toda esta acção deve-se a uma burguesia totalmente diferente, na sua mentalidade e nas suas actividades, ao invés das do camponês e do fidalgo das províncias centrais. A fraqueza do Estado espanhol encoraja esse movimento particularista. Daí se justifica o papel desempenhado pela Catalunha na guerra civil: primeiro o levantamento de 1934, depois a resistência ao pronunciamento de 1936.

Nas lutas que ensanguentaram a Espanha, a Catalunha é o último bastião dos combativos republicanos. No dia 26 de Janeiro de 1938, Barcelona cai e o ditador, o general Francisco Franco, considera-se o vencedor.

Será que uma vez mais o particularismo catalão foi vencido? Em 1956 e seis anos mais tarde, rebentam greves que surpreendem pela sua enorme coragem e durabilidade. Os incidentes multiplicam-se na Universidade de Barcelona e, na senda da fidelidade à sua tradição histórica, a Catalunha continua a inquietar o governo de Madrid. O que está, agora,mais uma vez, bem patente na atitude despótica de Mariano Rajoy, cujo comportamento foi já  denunciado na primeira parte desta crónica.

Com tal postura, indignou largamente a opinião pública democrática, apesar da indiferença, abulia ou cobardia da União Europeia, a qual desta vez meteu o fervor humanista na gaveta, por interesses ou receios de que movimentos separatistas viessem contagiar outras plagas, a norte e a sul, do Velho Continente.

Os políticos europeus, principescamente pagos pelos impostos dos contribuintes para a defesa e consulta frequente dosproblemas dos seus representados, preferiram assistir, de varanda, ao desenrolar dos acontecimentos, alguns servindo-se mesmo de argumentos estafados e com loas à Constituição do Estado Espanhol, como se este tivesse o direito absoluto de não ouvir a opinião dos cidadãos que os elegeram.

Estes últimos, hoje em dia, já não aceitam ser piões, fantoches ou súbditos como outrora. Exigem, sim mais respeito e diálogo e não sobranceria e dogmatismo, nos domínios não apenas político, económico e social, mas sobretudo naquilo que constitui a  arquitectura ou essência dos povos—a sua língua, a sua cultura, as suas tradições e a sua história. A Espanha, neste capítulo, não é um Estado paradigmático, não podendo, pois, servir de modelo. Primeiro, nela residem várias nações/ povos e não apenas uma, como fica provado pela existência de outras línguas para além do Castelhano, actualmente a língua oficial. Basta atravessar o território peninsular para sentir essas diferenças. Eu próprio pude constatar isso nas minhas idas e vindas de carro ou de comboio. Muitas vezes, eu falava em Castelhano  com Galegos, Catalães e Bascos, mas  era logo corrigido na sua língua, ou esclarecido dos motivos por que o faziam.

Os mais velhos ainda se lembram dos conflitos, bombas e da luta armada mantida, durante décadas, pela ETA , o braço armado do País Basco e de dissensões na Galiza, bem como dos gritos estridentes, em triplicado quase sempre,« Buenos dios! Aqui Espanha, vuestros passaportes!», para  que passageiros ensonados que seguiam para França no Sud-Express, rumo a Paris, não se esquecessem do país por onde estavam a passar.

Também nós Portugueses e os Terceirenses, em especial, não esquecemos o que os castelhanos fizeram contra a independência de Portugal e também o que aconteceu na Terceira durante todo o domínio filipino de 1580 a 1640, nem das batalhas e escaramuças, travadas na Baía da Salga e na Baía das Mós, ambas no, então, concelho da Vila de S. Sebastião, entre 1581-1583. A resistência terceirense e   o patriotismo a favor de D. António Prior do Crato, manifestado pelos dos três concelhos da ilha, incomodaram muito o monarca Filipe II, como se sabe.

Ora a atitude despótica do Sr. Mariano Rajoy e seus apaniguados mais radicais (muito populares) não podia passar despercebida como dizíamos no começo, daí a incursão histórica que, por culpa dele, tive de fazer e chegar a esta conclusão:

Raramente, «nuestros hermanos» souberam lidar, no passado, com os povos da antiga Hispânia, pela ausência de diálogo e pouca diplomacia, preferindo o uso da força bruta à justeza da razão. Felizmente, Portugal, graças ao empenho de um conde borgonhês, D. Henrique, teve melhor sorte na sua caminhada emancipadora.

E se isto nos vem, agora, à mente, devemo-lo à conduta inquisitorial do presidente de um governo que espezinhou, sem pudor, o direito fundamental do povo catalão ( ou qualquer outro) de poder exprimir-se livremente, por referendo, sendo esta a forma mais democrática e antiga que se conhece de auscultar o sentir e a vontade de um povo. Não foi isso que, envergonhadamente, vimos acontecer em pleno século XXI, na Região Autónoma da Catalunha.

Oxalá os recentes acontecimentos tenham servido de lição aos ditadores de todos os quadrantes, quando eles defendem, obstinadamente, que a Constituição espanhola, ou outra qualquer, deve estar acima da vontade dos povos, justificando-se assim o que é injustificável.

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 513 de 19 de janeiro de 2018.