Jornal da Praia

PUB

UMA ESTÓRIA DE NATAL! OU SOLIDARIEDADE…

Quinta, 08 de Fevereiro de 2018 em Opinião 103 visualizações Partilhar

UMA ESTÓRIA DE NATAL! OU SOLIDARIEDADE…

José cedo começou a sua vida profissional, mais propriamente no dia em que completou os seus 15 anos de idade e, depois de entrevista com uma entidade empregadora, às 10 horas da manhã, começou a trabalhar às 14 horas ou melhor, como por hábito dizer, duas horas da tarde.

A meio do período entre a adolescência e a juventude, José já se via um homem de trabalho, sonhando poder dar à sua mãe e família em comum, uma melhor qualidade de vida económico e financeira. Do pai só tinha o nome.

Não foi fácil a adaptação, assente no esforço da mãe, José frequentava o curso geral do comércio da então saudosa Escola Industrial e Comercial de Ponta Delgada. Essa sim, uma verdadeira incubadora de técnicos que muito deram a esta nossa terra.

Mas não divaguemos e vamos à nossa estória de Natal ou Solidariedade conforme cada um dos leitores preferir.

Referia no inicio do anterior parágrafo que a adaptação de José à nova vida não foi fácil, encontrava-se o mesmo, numa fase da sua existência que o fazia recordar quando, pela mão de sua mãe foi levado aos bancos da escola primária e à catequese. Agora, caminhava sozinho apenas acompanhado pela sua determinação em ser alguém útil à sociedade de que fazia parte.

No seu tracto com os outros, fazia jus de por em prática os ensinamentos de boa educação que a sua progenitora lhe transmitira, bem assim, a ousadia de fazer frente a quem o tentava destratar.

Episódios vários poderiam ser apresentados, mas, vamos em frente…

José de mandarete em 1958 fez uma longa ascensão na empresa que se orgulhava de servir sendo que na altura de partir para o cumprimento do serviço militar, (1965) já tinha a confiança e a amizade dos seus patrões e colegas.

Terminada que foi, a sua obrigatoriedade cívica/militar e porque já casado, procurou melhorar quer a sua vida profissional e sócio - económica. Entre os anos de 1970 a 1992, faz uma caminhada profissional em experiências enriquecedoras. Mas é precisamente nesse último ano, que se dá a estória que vos quero contar.

José, é abordado pela entidade patronal para proceder a um pacto onde teria óptimos benefícios, desde a gestão de uma outra empresa, bem assim algumas benesses extras que não seriam de desperdiçar. José por diversas razões e pelos princípios de justiça e idoneidade que sempre defendia, não aceita a proposta. Conclusão: “se não és por mim, és contra mim”. Desfecho “está despedido”. Notificação: “a duas semanas do Natal”

Dada a Quadra Festiva, José nada diz à família e, põe pés ao caminho na procura não de um emprego, mas como sempre de seu timbre, de “trabalho”. As portas até eram muitas, mas, nem sempre se abriram e se, se entreabriam era para num esgar hipócrita, o contactado lamentar a impossibilidade de ajuda. Quis o destino que um amigo próximo sabendo a situação encaminhou José para um empresário que precisava de um figurante que fizesse de Pai Natal para distribuição de publicidade em alguns estabelecimentos comerciais. De “mal a pior” Zé, aceitou a incumbência do OH! OH! OH!

Casaca vermelha ornada de branco algodão, barreta de igual cor e de borla ao lado, botas de cano, e sino na mão, e não esquecendo a farfalhuda barba banca, lá vai o José divertir miúdos e graúdos.

Divertido, o Zé Pai Natal ao ver a cara de espanto de alguns dos passantes na azáfama das compras ao olhá-lo e reconhecer o José dirigindo-lhe num sussurro um bom dia ou uma boa noite. Até houve um que, lamentando a situação, ofereceu ao Zé como o costumava tratar uma garrafa de espumante para celebrar o seu Natal.

Ao segundo ou terceiro dia da animação festiva, José é abordado pelo dono do estabelecimento, palco do show natalício, que o reconhecendo o chama de parte, depois de uma breve conversa, diz-lhe para ir despir o traje natalício e apresentar-se no outro dia no seu escritório para começar a trabalhar com ele.

José nunca mais o esquecerá, o seu nome é Luís Costa, um empresário dinâmico da nossa praça, um Homem com H maiúsculo, um homem solidário que o José, bem sabe não ter sido o único a receber do Luís tal gesto pedindo-me que lhe transmitisse em seu nome e da família aquele Natal de 1992 já tão distante, mas tão perto. Porque, todos os dias são Natal e em todos os dias podemos ser solidários.

A todos os nossos leitores, amigos e menos amigos, faço votos para que, nunca tenham uma estória igual ou parecida para contar.

José Ventura.(*)

(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Texto publicado na edição n.º 513 de 19 de janeiro de 2018