Jornal da Praia

PUB

A FESTA DO POVO

Quarta, 07 de Fevereiro de 2018 em Opinião 303 visualizações Partilhar

A FESTA DO POVO

A ilha festiva e asseada, prepara-se para abrir o palco a mais um Carnaval. Esta é a manifestação cultural que deslumbra pequenos e graúdos, funcionando como argamassa de um espírito intergeracional, que perdura na comunidade. É bom sinal ver um espetáculo que reúne todos, sem exceção, à beira do palco. Fixam as atenções em versos de saudação e despedida, nos passos de dança, nas vestes do puxador ou do dançarino, no assunto engraçado e na melodia dos instrumentos. Ficam todos embevecidos face à tradição que não morre, mas que tende a evoluir, porque todos são chamados a se responsabilizarem pela festa. Os que vão no bailinho ou na dança, as costureiras, os criadores de assuntos e versos, os que vão ver e apreciar. Do bailinho tradicional ao mais moderno, há bailinhos para todos os gostos. A inovação, a criatividade e originalidade são características de alguns grupos, que decidiram dar ao Carnaval uma nova face. Mesmo perante a rejeição de algum senhor ou senhora que se habituaram às vestes tradicionais do Carnaval, a festa cria novas formas de manifestação e interpretação, porque as novas gerações também quiserem e querem dar o seu contributo.

João Ilhéu no seu livro, “Notas Etnográficas”, refere que "a linguagem (no Carnaval) é filha do ambiente geográfico, histórico e social em que se vive, e a música o seu complemento lógico (…)". A linguagem das danças de Carnaval revela entusiasticamente a pertença ilhéu e a música com a coreografia mostra a alegria do terceirense. O Carnaval é a oportunidade que o povo terceirense tem para colocar a sua ilha no topo do mundo, porque esta é idolatrada, amada e cantada ininterruptamente.

O Carnaval é um verdadeiro fenómeno de massas, cujo significado já começa a extravasar a ilha. O Carnaval chega aos emigrantes, aos estudantes e já era tempo de chegar ao resto do mundo. O Carnaval da Terceira merece ser património da humanidade.

Para além de fenómeno de massas, o Carnaval é popular. É a festa que o povo faz para o povo.

Durante os 4 dias de festa pode-se esperar a próxima dança, sentado na cadeira da sociedade, ou então correr salões, atrás da dança que se quer ver. A liberdade de participação na festa é total. No Carnaval não há tempo perdido porque se na sociedade não houver dança, há uma conversa para se ter com o amigo que não se via há algum tempo ou um petisco para se provar no bar do salão.

É a festa que junto tudo num curto espaço de tempo: alegria, felicidade, reflexão, partilha, moral, solidariedade, diálogo, união, aconchego da alma e riso infindo. Permite que sejamos menos individuais no comportamento e mais unidos na vivência. É a festa da comunidade unida em pleno.

A ilha prepara-se para viver mais uma manifestação de força de um povo festivo por natureza. Está no sangue da nossa gente - viver feliz e em festa.

Emanuel Areias