Jornal da Praia

PUB

AUTO-CONTROLO

Quarta, 07 de Fevereiro de 2018 em Opinião 138 visualizações Partilhar

AUTO-CONTROLO

Nunca é demais sublinhar que o stress se relaciona com uma reacção defensiva do organismo, face a perigos reais ou a situações em que se pressinta que isso pode vir a ocorrer. Acrescente-se que  a situação será prejucial quando resulta da impossibilidade de dominar uma condição palpável, e se traduz em dano, fracasso ou perigo para a pessoa. No entanto e de acordo com Rojo & Fernandez (1997), se a tensão resultante da condição for vencida ou canalizada, a sua ocorrência pode ser algo de construtivo e criativo. O dano surgirá em casos de stress insuportável, com  alterações psíquicas e orgânicas, de que são exemplos as sensações de ansiedade, o medo excessivo, os sentimentos de culpa. Estes e outros sintomas configuram pois sinais de alerta a considerar, visto corresponderem a indicações  de que algo está a funcionar mal na nossa capacidade de adaptação.

Nascendo em parte a auto-eficácia daquilo que se faz dia a dia, não admira que esta oriente e regule habitualmente as acções futuras, em diversos campos. Por exemplo no campo da saúde a auto-eficácia tem-se mostrado como componente significativo de programas de auto-manejo da cessassão tabágica, do manejo da dor crónica, da domínio da asma e de outras problemáticas. Ou seja, os indivíduos com elevada auto-eficácia adquirem ou mantém com maior probabilidade comportamentos protectores da saúde (p. ex., o exercício), comportamentos de controlo (p. ex., manter o peso apropriado), ou parar um comportamento (como p. ex., de fumar).

Embora haja muito que o indivíduo pode fazer para sair das situações de stress, nomeadamente recorrendo a apoio psicológico ou social, ou aos  medicamentos, os autores referidos atrás defendem que «nenhum fármaco é eficaz se a pessoa em stress não modificar o ritmo de vida gerador da situação». Daqui a importãncia do que se tem dito e do muito que há a esclarecer. Por exemplo, embora o “rapaz” da fotografia tenha auto-eficácia, dado que consegue saltar bem dum sítio relativamente elevado, falta-lhe auto-controlo, na medida em que gosta de dar um certo espectáculo em situações que nem sempre são as mais adequadas, e com isso até se pode vir a magoar, exactamente por falta de controlo.

Por tudo isto, e porque existe sempre uma certa relação entre algumas variáveis interessa consciencializarmo-nos de que, possuir auto-controlo, ou seja, enfrentar os problemas de forma disciplinada e organizada, esforçando-se por fazer bem as coisas que não estão feitas, ou que não estão bem feitas, corresponde à sétima medida que devemos tomar para dominar o stress. A este respeito refira-se já que existem dois tipos de controlo: (1) o auto-controlo instantâneo, de que é exemplo aquele que recusa ir a um bar; e (2) o auto-controlo dicisional ou a longo prazo, característico daquele que continuamente recusa a oferta de bebidas, ou que até não olha para as garrafas, embora as tenha expostas à sua frente durante muito tempo. Naturalmene que o auto-controlo decisional é claramente o melhor que se pode procurar conseguir.

Sobre estes pontos, um autor, Persaud (2005) afirma e esclarece, respectivamente, o seguinte: (1) a falta de auto-controlo está no centro de um grupo de doenças conhecidas por perturbações do controle de impulsos; (2) isto vai desde as pessoas incapazes de controlar o seu temperamento, até aquelas que não controlam o que bebem, comem, fumam, as drogas que ingerem e até o dinheiro que gastam. E esclarece que controlar não significa só aprender a deixar de fazer alguma coisa. Significa ser capaz de começar a fazer algo que se suspendeu, como trabalho, um projecto novo, a revisão para bom exame, ou a retoma de exercício regular.

Comum a estes dois cenários, do parar ou começar algo, diga-se que um comportamento corrente necessita de ser suspenso, diminuído, ou substituído por outro quando causa sofrimento. E quando mudamos o comportamento de uma forma que gostamos estamos a exercer auto-controlo. Assim, ao suspender o gasto exagerado, abandonar a alimentação não saudável, e ao reiniciar a prática do exercício simplesmente porque gostamos, demonstramos auto-controlo. No entanto antes de iniciar o ganho de auto-controlo covém estarmos convencidos das nossas capacidades para fazer isso.

Referências
Persaud, R. (2005). The Motivated Mind. London: Bantam Press.
Rojo, E. V. & Fernandez, R. P. (1997). Os 100 mitos da Saúde. Lisboa: Dinalivro.

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 513 de 19 de janeiro de 2018.