Jornal da Praia

PUB

CARNAVAL DA TERCEIRA É A HERANÇA VIVA DE UM POVO

Segunda, 05 de Fevereiro de 2018 em Opinião 330 visualizações Partilhar

CARNAVAL DA TERCEIRA É A HERANÇA VIVA DE UM POVO

Haja saúde!

Estamos a poucos dias do maior espetáculo de teatro popular do mundo. E recordado a marcha da praia do ano passado quase me apetece abrir este texto, como quem abre um bailinho, cantado: “O cenário está montado; tudo preparado (…)” para que se realize mais um tão tradicional e famoso Carnaval da Terceira.

O Carnaval da Terceira é um espetáculo único no mundo, e isso ninguém o pode negar. Deixando de parte a sua história, podemos afirmar que esta manifestação cultural é a herança viva de um povo, a última cena do que resta do teatro de Gil Vicente, o pai do teatro português. O teatro Vicentino é a base do “nosso” carnaval e caracteriza-se por retratar a sociedade portuguesa, os seus costumes, pela crítica social, pela presença de temas de cultura popular, por personagens caricaturadas e alegóricas, pela presença de humor e comicidade, por elementos alegóricos e místicos, pelo caráter moralizante e satírico e por temas pastoris, quotidianos, profanos e religiosos.

A questão que hoje aqui vos trago para reflexão é a seguinte: “Será que o Carnaval da Terceira está a respeitar as suas raízes e a exercer os seus princípios e funções iniciais?”. Pois bem, temo que a resposta a esta questão daria um assunto e enredo para o próximo carnaval. No entanto é importante realçar que nos últimos anos temos assistido de plateia a um aperfeiçoamento dos nossos bailinhos, comédias, danças de pandeiro e de espada em vários níveis e dimensões. Aperfeiçoamento esse que é de tirar o chapéu, pois tem-se notado que ao longo dos últimos ano as suas músicas estão mais originais, as suas roupas mais brilhantes e de acordo com os últimos gritos da moda. Como também se tem notado no ar um cheiro não a filhós mas sim a competição saudável. É bom realçar que não estou a criticar isso, mas sim a aplaudir de pé. Porque afinal estagnar é morrer em cena neste teatro que é a vida. Porém temo que estejamos a substituir Gil Vicente por Felipe La Féria, que é o mesmo que dizer que estamos a substituir o que resta do teatro Vicentino pela Revista Portuguesa. No entanto o mais importante do que os gostos e opiniões é salientar que o “nosso” carnaval é tão digno de cartaz turístico como outros carnavais do país e mesmo do mundo. Sendo também essencial realçar a sua importância na economia local. Pois com mais ao menos gastos em cada ano, a verdade é que nesta época quase toda a ilha ganha com o carnaval.

Por fim e em jeito de cantiga de despedida, quero agradecer a todos os Terceirenses pela preservação, cuidado e respeito pelo “nosso” carnaval. Pois mesmo em tempos de crise não se acanharam e de formas bem originais deram continuidade a esta tradição. Como também se tem preocupado em tornar o carnaval intergeracional, garantindo assim a sua continuidade em gerações futuras.

Em suma resta-me realçar que dentro de dias vamos de novo reviver mais quatro dias de Carnaval à moda da Terceira. E no meio de sorrisos, gargalhadas e algumas lágrimas espero pelo reconhecimento do nosso carnaval, que é tão importante e mais do que justo.

Feliz Carnaval!

João Pedro Andrade