Jornal da Praia

PUB

PEDRO DE MERELIM: VIDA E OBRA

Domingo, 28 de Janeiro de 2018 em Atualidade 59 visualizações Partilhar

PEDRO DE MERELIM: VIDA E OBRA

Joaquim Gomes da Cunha, nasceu a 11 do mês de julho do ano de mil novecentos e treze, no lugar de São Brás, freguesia de São Pedro de Merelim, Braga. Aliás o pseudónimo principal que escolheu para assinar os seus escritos advém da freguesia que o viu nascer. Era filho de António Correia da Cunha, professor primário, falecido quando ele contava três anos e pouco, e de Maria Gomes da Cunha, tendo também, sua mãe, deixado este mundo, não tinha o filho ainda nove anos. Era neto paterno de Bento José da Cunha e Joaquina Correia da Cunha, e materno de Manuel José da Cunha e Teresa Gomes. Uma infância infeliz, que o próprio referirá sobre a questão: “comi o pão que o Diabo amassou”.

Fez os seus estudos secundários na Escola Comercial e Industrial Carlos Amarante em Braga, concluindo o respetivo curso que o ajudaria a abrir-lhe, mais tarde, as portas à classe de sargentos, primeiro como miliciano, seguindo, no quadro permanente, a carreira de sargento do exército. Assentou praça no R.I.1. (Lisboa), concluídos os 18 anos, a seu pedido, em 5 de março de 1931, ficando alguns anos em soldado e 1º cabo. Passou pela Escola de Tancos, frequentando o curso de gases, fumos e chamas. Tirou o 3º curso das Escolas Regimentais, em Lanceiros 2, como habilitação para 1º sargento, seguindo depois, em diligência para o Depósito Militar Colonial, aquartelado em Lisboa, na Junqueira.

Quando, como furriel miliciano, servia em Infantaria 1, na Ajuda, é mandado para a ilha Terceira, em 23 de maio de 1941, integrado no Corpo Expedicionário Português, durante a Segunda Guerra Mundial, onde chega a 28 de maio seguinte, desembarcado do N/M “Carvalho Araújo” da Empresa Insulana de Navegação. As duas pessoas à chegada a Angra do Heroísmo, com quem contatou, o primeiro na rua da Sé, foi o senhor Amadeu Monjardino que lhe deu informações de como chegaria ao Castelo e já neste, o senhor coronel João Alpoim Borges do Canto, pessoas a quem sempre dedicou especial carinho e estima.

Ingressou no Batalhão Independente de Infantaria nº17, aquartelado no Castelo de São João Batista, como amanuense da secretaria. Aliás foi nesta unidade militar que serviu mais anos, bem assim no Distrito de Recrutamento e Mobilização nº17, fazendo a carreira normal de sargento, acrescida de três comissões no ultramar: Guiné, Moçambique e Angola (esta, simultaneamente com o seu genro), sem esquecer a mobilização na antiga Vila de São Sebastião, durante a Segunda Guerra Mundial. Na vida militar teve ainda uma passagem pelo Regimento de Infantaria nº7, Leiria, Depósito de Pólvoras, Sacavém, e Base Aérea nº4, nas Lajes, Terceira, para depois regressar ao BII nº17.

A 5 de junho de 1943, casou-o o Padre Máximo, na Capela do Recolhimento das Mónicas, mesmo defronte da casa onde habitava a família da noiva, ou seja, na rua da Miragaia nº 31, freguesia de Santa Luzia, com Albertina de Almeida Sousa, natural da Sé, conhecida modista, da popular família dos “Beirinha”. Era filha de José Joaquim de Sousa e de Angelina de Lurdes Almeida.

A filha, seu enlevo, Maria de Fátima Almeida da Cunha, nasceu em Santa Luzia, na mencionada casa dos avós, a 29 de abril de 1944. Ficaria viúvo em 30 de março de 1981, em Angra, em consequência de uma trombose, ocorrida durante uma viagem aérea a caminho de Lisboa.

Porém, Pedro de Merelim, não deixa de frisar que apesar de enveredar, penso que por segurança, pela senda das armas, a sua maior vocação era bem outra: o jornalismo para o que tinha especial “faro” e sabia escolher títulos.

Efetivamente, torna-se conhecido, ainda na década de 40, pela permanente colaboração em jornais, sobretudo em “A União”, órgão da diocese, ao longo de cerca de quarenta anos, mas que se estende paralelamente, por meia centena de outros órgãos de comunicação social. Laborou mais de dois mil textos assinados, fora os anónimos, reportagens, locais, etc.. O pseudónimo Pedro de Merelim ganha assim notável crédito entre os leitores.

Em “A União” deixa um rol de assuntos diversos, crónicas de viagens que realizou, quer nos Açores, na Madeira, em Lisboa, no Minho e em muitos outros lugares do continente, Espanha: Galiza, Burgos, Salamanca, Valladolid, Saragoça, Madrid, Vale-dos-Caídos, Escorial e Toledo; Andorra; França: Lurdes e Paris; E.U.A.; Canada; Israel; Roma e Vaticano; Cabo Verde; Guiné; São Tomé e Príncipe; Angola; Moçambique e África do Sul.

Relativamente aos mais de cinquenta periódicos em que colaborou, não foram só açorianos, continentais, americanos da diáspora, como da Guiné, conforme esta lista que segue, penso que ainda incompleta: Jornal do Exército (estreia), Voz de Belém, O Século, Portugal Madeira e Açores, Correio das Ilhas, Pátria Portuguesa, Mais Alto, O Primeiro de Janeiro (quase duas décadas), A Voz da Nazaré, Jornal do Comércio, Diário de Notícias, O Cávado, do Continente; Notícias da Guiné, de Bissau; Jornal de Fall River, dos E.U.A.; Madeira-Açores, do Funchal; Correio dos Açores, Diário dos Açores, de Ponta Delgada; O Dever, do Pico; O Telégrafo, Correio da Horta, do Faial; A Pátria, Diário Insular, Sport Clube Angrense, Jornal da Praia, Directo (número inaugural), Boletim Municipal “Angra do Heroísmo”. Teve responsabilidades redatoriais, em O Distrito, em o Sapador dirigido pelo sargento José Augusto Coutinho Jr. de que saíram pelo menos 7 ou 8 números entre 1942 e 43, Sentinelas do Atlântico, O Castelo (jornal mensal do BII nº17, cuja publicação teve inicio em 1 de outubro de 1965, mas que teve periodicidade irregular. Incluiu artigos de João Ilhéu, Rei Bori e Pedro de Merelim. Aqui publicou impressões de viagens que fez, incluindo uma a Torremolinos), revista Ilha Terceira, Ecos do Atlântico (Base Aérea nº4), Tradição Popular, Recreio dos Artistas (os dois últimos foram números únicos), e a já referida A União, praticamente ao longo dos 40 anos, já aludidos.

É de mencionar, com destaque aqui, que Pedro de Merelim foi autor da frase “E Portugal já foi só aqui” publicada com impacto no número especial de A União em 1958, quando da visita do então Presidente da República, General Francisco Higino Craveiro Lopes.

Destacamos a sua revista mensal ilustrada “Ilha Terceira” de que foi chefe de redação durante a sua existência, bem assim, o semanário “O Distrito”, publicações impressas em Angra, na tipografia Moderna, de José Cruz, depois do filho Jaime Cruz.

Foi colaborador semanal de “O Primeiro de Janeiro” (de 1953 a 1972) do Porto, como correspondente, que o comtemplou com significativa lembrança. Igualmente de “O Século” e “Jornal do Comércio”, ambos de Lisboa.

Chefiou o gabinete de notícias do Rádio Clube de Angra, e enquanto isso, diariamente da sua responsabilidade e autoria, apresentava uma nota de abertura, sobre aspetos da região. Foi responsável pelo gabinete de imprensa do Governo Regional dos Açores, bem assim, do Ministro da República para a Região Autónoma dos Açores.

Serviu como correspondente local, as Agências noticiosas Associated Press e Lusitânia, até à extinção desta.

Na revista Atlântida, do Instituto Açoriano da Cultura, de que foi sócio, em vários números, constam trabalhos seus, de que evidenciamos: Os Vátuas na ilha Terceira; À Memória de Ferreira Drummond; Figuras e Raças da Guiné; Emigração Açoriana para o Brasil e Nampula, a bela do norte.

Em ata da reunião da mesa do Instituto Histórico da Ilha Terceira, de 28 de novembro de 1961, consta a sua eleição como sócio correspondente, assim como, do Dr. Feliciano Ramos.

Foi Sócio Honorário das Sociedades Recreio dos Artistas e Fanfarra Operária Gago Coutinho e Sacadura Cabral.

Em reunião da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, de 2 de julho de 1981, foi deliberado conceder-lhe a Cidadania Honorária. Ainda, por proposta da Comissão Municipal de Toponímia, em reuniões de 26 de abril e de 12 de novembro de 2010, é atribuído o nome Joaquim Gomes da Cunha “Pedro de Merelim”, a um arruamento na freguesia de Santa Luzia, deste concelho, em loteamento existente a poente da Ladeira Branca, conforme deliberação camarária do dia 8 e Edital nº33/2010 de 18 de novembro de 2010, assinado pela presidente da Câmara, Andreia Martins Cardoso da Costa.

Em agosto de 1986, foi viver para Braga com a filha, professora do ensino primário, formada pela Escola do Magistério Primário de Angra do Heroísmo, o genro, Jorge Alfredo Contente Ferreira, funcionário dos serviços municipalizados de Angra (casados civilmente na C.R.C.A.H. a 6 de março de 1965 e canonicamente a 12 de dezembro de 1965 na igreja de São Mateus da Calheta. O noivo, nascido em São José de Ponta Delgada, a 14 de maio de 1944, era filho de Mateus Cardoso Ferreira, guarda-fiscal e de Angelina Lurdes Cardoso Contente) e os dois netos, Rui Manuel (nascido na freguesia da Sé, em 2 de novembro de 1966, casado na ermida de São João Batista, da Quinta do Terreiro ou dos Contentes em São Mateus da Calheta, a 3 de dezembro de 1995, com Carla Patrícia Borges Azevedo Contente Ferreira, que tiveram Diana Patrícia Azevedo Contente Ferreira, nascida em 1996, que o bisavô ainda conheceu) e Marco Paulo da Cunha Contente (nascido na freguesia N. S. da Conceição, a 26 de outubro de 1976, funcionário dos serviços municipalizados, casado a 9 de outubro de 1999, em São Mateus da Calheta, com Paula Alexandra Martins Silveira Contente). No entanto, Maria de Fátima morre a 22 de julho de 1992, na freguesia de Ferreiros, Braga, onde residiam. Assim, “o anjo das minhas alegrias, cuja morte, me envolveu em tristeza perpétua”, faz a família regressar à ilha Terceira. Vai viver com o neto mais velho, já casado, e residente na Casa da Quinta Contente, da freguesia de São Mateus da Calheta, velha propriedade que havia pertencido desde os primórdios de 1500, aos Rodovalho e depois aos Bettencourt (dos Viscondes de Bettencourt), adquirida há cinco gerações pela família Contente, à qual, a mãe do genro pertenceu e foi herdeira da casa e ermida de São João Batista.

Porém, longe do centro da cidade, da Biblioteca Pública e Arquivo, bem assim dos amigos mais próximos, para maior comodidade, resolve instalar-se num quarto particular do Lar Residencial da Misericórdia de Angra, sito na rua da Carreira dos Cavalos, freguesia da Sé, onde vive até à sua morte, aos 88 anos, no dia 27 de novembro de 2001, sendo enterrado na Sepultura Nº116, da Primeira Secção, Parte Baixa, do Cemitério do Livramento, desta cidade.

Não nos pudemos esquecer de que muitos dos militares que serviram no Castelo, estudaram e fixaram a sua história. Para além de Pedro Merelim (1913-2001), recordo, o sargento-ajudante José Rodrigues Ribeiro (Rei Bori) (1918-2001), o capitão Guilherme Spínola de Melo (1876-1947), o major Miguel Cristóvão de Araújo (1895-1962) e o tenente-coronel Frederico Lopes (João Ilhéu) (1896-1979), que deram importantes contributos, e na atualidade, o tenente-coronel Manuel Augusto Faria, com monumental obra, uma parte, como o Livro do Castelo, de parceria com Reis Leite.

José Guilherme Reis Leite, autor da entrada sobre este autor, na Enciclopédia Açoriana, refere o fato de ter-se tornado conhecido não só pela colaboração em jornais, como pela investigação da história local, tendo publicado 28 títulos.

Relativamente às obras que o autor deixou, reproduzimos uma relação feita pelo próprio:

• A Terceira ajoelhada aos pés da Virgem de Fátima, opúsculo. Crónica impressionista dedicada aos Terceirenses residentes na América do Norte. Publicada no “Diário de Notícias”, de New-Bedford, 31 páginas. Editada em Angra, pela Tipografia Moderna, com cinco mil exemplares, esgotada em escassos dias.
• Subsídios para a História do Futebol da Ilha Terceira, opúsculo, 64 páginas, 1956, publicados na “União Desportiva”, em folhetim.
• Asilo de Mendicidade, sumário histórico, no 1º Centenário da sua fundação, opúsculo, 17 páginas. Editado por aquele Estabelecimento, 1960.
• Nota sobre os Conventos da Ilha Terceira, 3 volumes, de 259, 256 e 333 páginas. Publicado em folhetim em “A União”, em 1960, 1963, 1964.
• Memória Histórica da Edificação dos Paços do Concelho, 1966, 2ª Edição, de 1972, 113 páginas; 3ª ed., 1984, 280 páginas, 38 fotos a preto e branco e 7 a cores. Expensas da Câmara. Ed. Comemorativa dos 150 anos, 2016, 565 páginas, imagens a cores. Pedro de Merelim Assunção Melo e João Dias Afonso. Prefácio João Maria Mendes e Posfácio Jácome de Bruges Bettencourt.
• Os Hebraicos na Ilha Terceira, Ed. da Revista Atlântida, 1968, 170 páginas; 2ª edição, expensas próprias, 1995, 300 páginas e 24 ilustrações a preto e branco, além de 3 a cores.
• Filarmónica Recreio dos Artistas, 1967, 103 páginas, ed. da Colectividade.
• Memória sobre o Serviço de Incêndios, Ed. Associação de Bombeiros Voluntários, 1969, 78 páginas.
• Caixa da Santa Casa da Misericórdia de Angra, 84 páginas, 1971, Ed. da própria Caixa da Santa Casa da Misericórdia.
• Toiros e Toiradas na Ilha Terceira, 371 páginas, 1970, publicado em folhetim em “A União”, Ed. União Gráfica Angrense.
• Rádio Clube de Angra, 192 páginas, 1972, Ed. do mesmo Emissor.
• As 18 Paróquias de Angra, 1974, 874 páginas, Ed. da Câmara, 2ª Ed., 2017, em impressão, numa parceria do Município e o I.H.I.T.
• Fernando Pessoa e a Ilha Terceira, pré-publicação na Atlântida, nº8, 123 páginas, Ed. Ínsula.
• A Laranja na Ilha Terceira, Ed. do autor, 1976, página 91, publicado em folhetim em “A União”.
• Serviços Municipalizados de Angra, 1979, 201 páginas, Ed. dos próprios Serviços.
• Freguesias da Praia, 2 volumes, 1883, 797 páginas, Ed. Direcção Regional de Orientação Pedagógica.
• Tauromaquia Terceirense, 1986, 797 páginas, 91 fotos a preto e branco, além de 7 a cores, Ed. Delegação do Turismo de Angra.
• Merelim (S. Pedro), 1989, 545 páginas, Ed. Junta de Freguesia.
• Adenda à Monografia de Merelim (S. Pedro), 1995, 374 páginas, Ed. Junta de Freguesia respetiva.
• AÇORIANOS/ Ministros de Estado, 1996, 88 páginas, Ed. do autor.
• JUSTIÇA DA NOITE, MEMÓRIAS PERDIDAS, edição 1997, esgotado em menos de uma semana.
• As Sanjoaninas na Ilha de Jesus, 2000, 144 páginas, ed. da C.M.A.H.
• Três Varões (figuras nacionais) que Angra Esqueceu, A.H. 2001, 122 páginas, Ed. do autor.

EXTRAS:

• Guia Turístico, 1948, Expensas da Agência Teles.
• Memória Histórica do Salão Municipal, 1970, Expensas da Câmara.
• Cooperativas que houve na Ilha Terceira.
• Monografia da Agência Teles.
• Regimento de Infantaria 8 – Monografia, 1990.

Escreveram sobre Pedro de Merelim várias pessoas ligadas à cultura, quer para prefácios dos seus livros, quer sobre a sua produção autoral, como Artur da Cunha Oliveira, que foi diretor de “A União”, Prof. Doutor Moisés Amzalak, Presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Ricardo Jorge Machado Mendes da Rosa, crítico tauromáquico do “Diário Insular”, Gervásio Luso de Sousa Martins, que foi diretor de “O Distrito”, advogado e conservador do Registo Civil, Alberto Borges dos Santos (Júlio d’Angra), professor do ensino secundário e colaborador, anos a fio, em “A União”, Dr. Francisco Carreiro da Costa, antigo diretor do “Diário dos Açores” e etnólogo, Luís Rafael Martins do Carmo, colaborador do Rádio Clube de Angra e professor de Latim e Grego, na Escola Secundária de Angra e Seminário Diocesano, António Neves Leal, que foi diretor de “Directo” e professor do ensino secundário, Valdemar Mota, empresário e colaborador de “A União”, cónego João Maria Mendes, autor do prefácio da última edição (2016) da “Memória Histórica da Edificação dos Paços do Concelho de Angra”, entre outros.

Curiosamente, o In Memoriam, saído em “A União”, logo após a morte, foi redigido por ele próprio e enviado em carta fechada, ficando incumbido de a abrir, após o falecimento, o seu amigo Valdemar Mota, quando ainda estava em Braga, isto é, um mês depois do falecimento da Maria de Fátima.

Foi daí que tirei parte do que fica aqui registado. À sua vida militar é parco em referências, tanto que, daqui a um mês penso ir ao Arquivo Histórico Militar em Santa Apolónia e a Chelas, para recolher mais alguma coisa. Ele merece ser recordado pelas suas importantes recolhas e consequente obra, numa altura de dificuldades, que só quem viveu à época, poderá dar valor.

Privei com ele e conhecia-o desde sempre, como referi no posfácio da edição especial comemorativa dos 150 anos dos Paços do Concelho e dele tenho gratas recordações.

Jácome de Bruges Bettencourt

NE: Teto publicado na edição impressa n.º 504 de 15 de setembro de 2017.