Jornal da Praia

PUB

PESCADORES AÇORIANOS COM RENDIMENTO SUPLEMENTAR

Sábado, 27 de Janeiro de 2018 em Atualidade 145 visualizações Partilhar

PESCADORES AÇORIANOS COM RENDIMENTO SUPLEMENTAR

Uma portaria que entrou em vigor na passada terça-feira, 23 de janeiro, estabelece um novo regime regulamentar para a pesca apeada comercial, na modalidade de pesca à linha. Ao abrigo desta nova regulamentação, que se aplica aos titulares de licença de pesca que utilizem embarcações com comprimento inferior a nove metros, e respetivos róis de tripulação, e que estejam devidamente licenciados para o exercício da pesca apeada comercial, é permitido capturar 11 espécies, nomeadamente, sargo, tainha, veja, bicuda, encharéu, anchova, patruça, lírio ou írio, prombeta, peixe-porco e moreia.

A portaria estabelece que o período para desenvolvimento da atividade decorre de outubro a março, e determina ainda, que a primeira venda das espécies capturadas através de pesca apeada comercial seja, obrigatoriamente, feita em lota.

Gui Meneses, secretário regional do Mar, classificou a medida com um “contributo para o rendimento dos pescadores açorianos em alturas do ano em que é mais difícil ir para o mar”, referindo-se aos meses de outono e inverno onde as condições meteorológicas apresentam-se adversas à pesca em alto mar. As declarações foram prestadas à margem de uma reunião com elementos da Associação de Armadores de Pesca Artesanal do Pico, na Madalena, na passada semana, tendo acrescentado que esta nova possibilidade vem ao encontro de “uma reivindicação antiga dos pescadores”.

PESCADORES SATISFEITOS

Em comunicado de imprensa, enviado a 24 de janeiro, a Federação de Pescas dos Açores (FPA) manifesta-se satisfeita com a regulamentação agora em vigor, sublinhando que “a prática da pesca apeada comercial, é uma reivindicação antiga de todas associações de pescadores dos Açores, como forma de rendimento suplementar aos pescadores açorianos, quando as condições atmosféricas adversas e estado do mar não permitem a saída das embarcações, nomeadamente entre outubro e março”.

O comunicado acrescenta, tratar-se de uma proposta apresentada pela FPA “por solicitação de todas as associações de ilha”, sustentando que a mesma “pode permitir o incremento dos rendimentos dos pescadores açorianos”.

“Esta é uma das medidas previstas para garantir a responsabilidade e sustentabilidade no sector da pesca através da promoção da reorientação dos ativos da pesca, a diversificação da atividade e criação de novas formas de rendimento", conclui o comunicado.

JP – Online