Jornal da Praia

PUB

AUTARQUIAS TERCEIRENSES UNIDAS SOBRE LOCALIZAÇÃO DE CAIS DE CRUZEIROS NA PRAIA DA VITÓRIA

Sexta, 26 de Janeiro de 2018 em Atualidade 77 visualizações Partilhar

AUTARQUIAS TERCEIRENSES UNIDAS SOBRE LOCALIZAÇÃO DE CAIS DE CRUZEIROS NA PRAIA DA VITÓRIA

O presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória considera que a “Ilha Terceira precisa urgentemente de uma solução para o turismo de cruzeiros e que essa solução reside na Praia da Vitória, sendo mais viável e rápida de implementar,” e saúda a posição do Município da Angra do Heroísmo, que anunciou o apoio a esta posição.

Intervindo na Conferência do Mar, organizada pela Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo, que decorreu esta sexta-feira, 26, na Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira, na Praia da Vitória, Tibério Dinis justifica a sua solução com as condições de operacionalidade, segurança e capacidade infraestrutural instalada existentes na baía da cidade. E adianta que existem condições para uma solução que agregue o tráfego de mercadorias e o tráfego marítimo de passageiros.

“A Praia da Vitória é a porta de entrada, por natureza, para o turismo de cruzeiros na Ilha Terceira. [Atualmente] as infraestruturas portuárias na baía encerram um potencial de crescimento que urge aproveitar. Já defendemos essa posição há algum tempo e é com agrado que vemos a Terceira unir-se em torno desse objetivo”, argumenta o autarca praiense, saudando a posição do Município de Angra do Heroísmo, assumida na abertura do fórum, onde foi manifestada a concordância com a localização do cais de cruzeiros da ilha Terceira na baía da Praia da Vitória.

“É em busca de uma solução que o Município da Praia da Vitória está convicto de que é possível agregar a visão do cais de cruzeiros à salvaguarda ambiental que nos é exigida quer pelo presente quer pelo futuro. Sabemos que – para lá dos pormenores de localização, tecnicidades e modelos – o aproveitamento integral da baía e das infraestruturas portuárias da Praia da Vitória é condição indispensável para que vençamos os desafios económicos e sociais que persistem”, sublinhou.

Na sua intervenção, Tibério Dinis apresentou alguns dados estatísticos para sustentar a sua visão.

“Em 2016, segundo os dados oficiais, o Porto da Praia da Vitória recebeu 19 por cento da carga carregada na Região e 21 por cento da carga descarregada na Região. Falamos, obviamente, de exportações e importações regionais. Face a estes números e perante a capacidade instalada – mesmo sem investimentos adicionais – é de todo imperativo que se busquem alternativas; as quais, em nosso entender, serão geradoras de emprego e de economia. No caso do Turismo de Cruzeiros, os números conhecidos também sustentam a nossa visão de que devem ser concretizadas condições para potenciar ainda mais este setor. Comparando o número de escalas de navios de cruzeiro no Porto da Praia em 2015 e as escalas previstas para este ano, estima-se um incremento de 37 por cento. Entre 2015 e 2016, os cruzeiros que atracaram na Praia da Vitória trouxeram mais de 50 mil turistas à ilha. Para este ano, dada a previsão de escalas, estaremos a falar de outros tantos a chegarem a este porto, visitando a Terceira e, por essa via, contribuindo para a economia local”, argumentou o presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória.

“Ou seja, mesmo com as limitações conhecidas, o porto da Praia é atrativo para os cruzeiros. Daí que defendamos a importância de investir neste setor, particularmente pelo impacto humano que gera, nomeadamente para o pequeno comércio. A concretização de um Cais de Cruzeiros é o Sonho deste mandato do atual Executivo Municipal. Lutaremos por esse sonho, sendo certo que estamos totalmente disponíveis para debater e discutir esta e outras soluções. Fazemo-lo, ouvindo quem aqui vive; discutindo com todos os impactos possíveis de cada solução. Fá-lo-emos em consonância com os anseios e vontades dos Praienses; numa atitude pró-ativa, na defesa das melhores soluções. Porque acreditamos que a potenciação desta baía só faz sentido quando toda a sociedade se sentir a ela ligada”, explicou.

Contudo, para o autarca praiense, o aproveitamento económico e social do potencial que o mar encerra para o Concelho e para a Ilha não se esgota na discussão das melhores soluções para o porto comercial e para o turismo de cruzeiros e o tráfego marítimo de passageiros.

“É nesse âmbito que o Município da Praia da Vitória tem vindo a defender diversas ações. O reordenamento e valorização de toda a zona marítima da cidade continua a ser prioridade para o Município da Praia. Este iniciou-se com a Marginal, a qual pretendemos expandir com um troço pedonal e ciclovia até à zona industrial. A disponibilização das melhores condições para os operadores marítimo-turísticos nas imediações da marina da Praia é outro dos projetos em curso”, anunciou.

“Continuamos empenhados no reordenamento e revitalização da área exterior ao molhe norte da baía. Uma área inativa, que encerra um enorme potencial, particularmente na ligação com a baía que a alberga. Ao nível do ordenamento do território, a revisão do Plano Diretor Municipal entrou na fase final, abrindo novos rumos para a concretização de projetos privados, nomeadamente de índole turística, associados à zona costeira. A estratégia municipal de manutenção e potenciação das zonas balneares ganha novo fôlego este ano. Tendo o maior número de zonas balneares com Bandeira Azul, é um ativo que não queremos descurar, quer para a qualidade de vida dos residentes quer como produto turístico para quem nos visita. A utilização da baía da Praia como palco de competições náuticas ou como centro nevrálgico da náutica de recreio do Concelho é outra das nossas apostas. Como o é o compromisso ativo com a qualidade e preservação ambiental da nossa orla costeira, atrativo turístico que não queremos descurar”, enumerou o autarca.

“A dinamização do porto comercial e a criação de condições para o reforço da nossa atratividade para o turismo de cruzeiros são os projetos que ganham maior expressão. Mas muitas outras medidas concorrem para que, a médio prazo, consigamos usufruir dos resultados de uma verdadeira economia do mar neste Concelho e nesta Ilha. Uma Economia adequada à nossa realidade, sustentável e geradora de riqueza interna, contributiva de bem-estar e riqueza locais e, em paralelo, motivadora de atratividade para a Região. Neste âmbito, a nossa Missão é usufruirmos desta Baía e deste Mar que nos banham, mas contribuindo para a sua salvaguarda. A nossa Visão é a Praia da Vitória ser um Concelho onde o Mar é também força motriz de desenvolvimento económico, social e cultural”, concluiu Tibério Dinis.

GP-MPV/JP