Jornal da Praia

PUB

PROMOTORA NO COMBATE ÀS TÉRMITAS

Domingo, 21 de Janeiro de 2018 em Entrevista 724 visualizações Partilhar

PROMOTORA NO COMBATE ÀS TÉRMITAS

A ameaça de desabamento de vários prédios, sobretudo nas cidades de Angra do Heroísmo e Ponta Delgada, devido a infestação por térmitas de madeira seca é desde há muito conhecida e remonta ao ano de 2008. Para este conhecimento muito contribuiu o trabalho desenvolvido pela Universidade dos Açores, que para além da monitorização e mapeamento das zonas infestadas, alertou a comunidade em geral para esta problemática, cujos impactos económicos, são como sabemos, avultados.

No concelho da Praia da Vitória, a praga de térmitas está muito longe das dimensões catastróficas de Angra do Heroísmo ou Ponta Delgada, no entanto, já se registaram casos de infestações no Porto Martins e nos Biscoitos. Apesar do problema não ser preocupante, é curiosamente na Praia da Vitória, mais precisamente pelas mãos da empresa Promotora que em associação com uma multinacional francesa se desenvolve um novo e inovador método de desinfestação, que segundo afirmam os próprios, apresenta-se totalmente eficaz.

Jornal da Praia quis aprofundar o tema e neste sentido entrevistou, Adalberto Borges Couto, perito certificado de desinfestação, que nos fala não só do método utilizado, como de todo o processo que levou a Promotora a esta área de atividade, como ainda nos esclarece sobre a problemática associada à infestação por térmitas.

Jornal da Praia (JP) – Em 2008, estimativas da Universidade dos Açores realizadas por amostragem identificavam um grave problema de infestação de térmitas, nas cidades de Angra do Heroísmo e Ponta Delgada. Segundo estas mesmas estimativas, metade do parque habitacional destas cidades estavam infetado e em 20% das casas, a infestação era tal que qualquer tratamento se apresentava inviável, devendo-se proceder à substituição total das madeiras. De lá até hoje, e com toda a atenção que o problema tem recebido da comunidade científica e dos responsáveis políticos, qual é a verdadeira dimensão da infestação, nestas cidades, nos Açores e no concelho da Praia da Vitória?

Adalberto Borges Couto (ABC) – A Universidade dos Açores fez um trabalho magnífico no levantamento da infestação existente fornecendo dados que não existem no Continente ou Arquipélago da Madeira. Efetivamente existe uma infestação massiva por térmitas da madeira seca em Angra e Ponta Delgada, sendo a sua distribuição muito bem identificada e mapeada pela Universidade. No concelho da Praia da Vitória a situação é bem diferente, sendo a infestação existente muito menor e constituída essencialmente por térmitas subterrâneas da espécie Reticulitermes flavipes. No entanto a infestação por térmitas da madeira seca está a alastrar, sendo que já procedemos a trabalhos de desinfestação nos Biscoitos e Porto Martins.

Relativamente à evolução, a nossa experiência mostra que só se passou verdadeiramente dos estudos à acção em massa para resolver o problema após o início do nosso projecto. Ainda falta muito caminho a percorrer para reverter o processo.

JP – Como surge a Promotora na área da desinfestação de Térmitas?

ABC – A Promotora é uma empresa que atualmente vende uma vasta gama de produtos no mercado tentando sempre inovar e resolver os problemas das pessoas, desde a construção com os revestimentos contra a salitre, até ao simples eletrodoméstico, no entanto, certificou-se na aplicação do Xilix Gel através do SCIT, (Sistema de Certificação de Infestação por Térmitas) como empresa de desinfestação, devido a duas necessidades. A primeira de tentar mudar o paradigma do uso da madeira, que cada vez mais tem vindo a ser substituída por ferro ou betão. A segunda prendia-se com o facto do trabalho de preparação das madeiras assim como a aplicação do gel, ter de ser feita com o máximo profissionalismo, exigindo formação específica e muito rigor nos trabalhos, correndo o risco de se cair em descrédito como todas as outras soluções ate então apresentadas.

JP – Em que consiste o projeto e quantos tratamentos já foram realizados?

ABC – Trata-se um projeto tripartido entre a Multinacional Francesa Sarpap & Cecil, o distribuidor local Pluggo – Wood for Life® e parceiros locais como a Promotora. Em conjunto desenvolvemos um projecto de raiz em que inicialmente um Perito Qualificado com formação Técnica nos produtos e métodos fará uma vistoria à habitação por forma a confirmar a Patologia existente e a estimar o nível de infestação. Com base nessa vistoria são identificados os níveis de infestação de cada zona e os pontos críticos de cada habitação. É também tido em conta o plano de investimento do proprietário na habitação, bem como a sua disponibilidade financeira. Com base em toda essa informação é elaborado um Plano Plurianual de Desinfestação. Passamos então à preparação das Madeiras. Note-se que temos efectuado um trabalho muito intenso na limpeza dos locais e das madeiras antes de as tratar, recuperando zona inabitadas que posteriormente ganham novas valências e novas funcionalidades. Por último aplicamos os produtos de tratamentos com uma capacidade auto-penetrante que tratam todas as madeiras em profundidade e garantem a irradicação da totalidade da infestação com mínimos inconvenientes para os proprietários.

O processo até à credibilização deste método foi moroso. Demorou cerca de 3 anos a desenvolver o método, registar os produtos, preparar a comunicação às pessoas e realizar várias acções de esclarecimento. Foi realizada uma distribuição de 40.000 Flyers em São Miguel e na Terceira.

Finalmente entramos numa fase em que as pessoas já começam a acreditar que existe uma solução eficaz ao seu alcance e com isto já se realizaram algumas centenas de tratamentos com este novo método.

JP – Existe 3 espécies de térmitas nos Açores, sendo a Cryptotermes brevis, vulgarmente designada por térmita da madeira seca, aquela que se apresenta, segundo dizem os especialistas, a mais destrutiva e difícil de combater. Para os nossos leitores, enumere estas três espécies, as suas características, a forma de destruição de cada uma e também como se propagam.

ABC – Segundo a Universidade dos Açores foram identificadas as seguintes quatro espécies nos Açores: Cryptotermes brevis, Kalotermes flavicollis, Reticulitermes flavipes e Reticulitermes grassei. Relativamente aos leitores o mais importante será a distinção entre as Térmitas da Madeira Seca, em que a Cryptotermes brevis ganha destaque e as Térmitas Subterrâneas como a Reticulitermes flavipes e Reticulitermes grassei.

Em geral são pequenos insectos que podem ter uma capacidade de destruição muito elevada do edificado em Madeira. Organizam-se em colónias e alimentam-se da Celulose da Madeira. Quando as Térmitas infestam uma habitação alimentam-se de todos os materiais que contenham celulose, tais como cartão, papel e tecidos. Destroem caixas, livros, fotografias e papel de parede. Comem o cartão do Pladur ® (gesso cartonado), deixando o Gesso sem sustentação. O facto de em determinadas alturas do Ano terem asas, prende-se com o facto de determinados elementos da colónia pertencerem a uma casta reprodutora que enxameia em determinada altura do ano (variável com a espécie) com vista a formar novas colónias.

As térmitas de madeira seca ao contrário das subterrâneas, necessitam de uma quantidade mínima de humidade da madeira (<15%) para sobreviver, sendo também a celulose a sua dieta. Vivem dentro da madeira, sem necessitar da humidade e do contato com o solo, estando presentes em número elevado em São Miguel, Ilha Terceira e Ilha da Madeira. As colónias são pequenas, mas muito numerosas. Algumas centenas de indivíduos por colónia, mas várias podem coexistir na mesma peça de Madeira e/ou casa. Não requerendo contato com o solo, não produzem tubos de lama. O processo de destruição do edificado é geralmente mais lento devido à menor dimensão das colónias.

Durante o período de enxameamento, os alados voam de forma a encontrar pontos para formar novas colónias. Geralmente entram nas estruturas através do sótão ou ventilação nas fundações, sob beirais e através de fissuras naturais e juntas de madeiras expostas, janelas e caixilharias. Vulgarmente estão mais presentes nos andares superiores (menos movimento e menos luz). Seu material fecal parece “areia”, sendo que fazem furos para o exterior nas paredes, tetos ou madeira para descartar pelotas fecais e sendo esta uma das principais formas de detetar a sua presença. Para prevenir o seu aparecimento é fundamental a utilização de Madeira com tratamento preventivo. Selar e pintar todas as fendas da madeira e limpar e arejar os locais são outros dos procedimentos aconselhados.

É possível monitorizar a sua existência através da localização de furos fecais. A utilização de armadilhas para apanhar os alados na época do enxameamento é também uma forma de monitorizar, sendo que nas zonas mais infestadas é muito difícil de se saber se os mesmos provêm de colónias existentes na habitação ou do exterior.

As térmitas subterrâneas foram identificadas na Terceira e Faial, têm uma presença generalizada no Continente. Para que exista uma infestação, precisam de uma grande quantidade de humidade (do solo e/ou da madeira húmida), sendo por vezes consideradas como uma Patologia secundária da Madeira. A celulose (da madeira) é também a sua dieta.

Normalmente as Térmitas vivem no solo (nos Ninhos), mas pode ser acima do solo se bastante humidade estiver presente. Uma colónia pode ser composta por centenas de milhares de indivíduos, que podem fazer uma quantidade substancial de danos num período relativamente curto de tempo. A partir dos Ninhos no solo viajam para as estruturas através de túneis neles escavados. Chegados às habitações, fazem tubos de lama (uma estrada coberta protegida contra a desidratação e predadores) quando saem do solo. Fazem uma prospecção aleatória à procura de Madeira / comida / materiais com celulose.

Ao contrário dos danos que provocam, estas térmitas nem sempre são fáceis de encontrar dado que passam a maior parte do seu tempo no solo, normalmente 2-4 metros abaixo da superfície. Os elementos de Madeira nos pisos inferiores com presença de humidade (>18%) são geralmente os primeiros a serem atingidos (rodapés, soalhos, estruturas…). Usam também os tubos eléctricos como forma de acesso às habitações, construindo depois Tubos de Lama de protecção ascendentes para a estrutura e Madeira junto a zonas mais húmidas. É possível monitorizar o seu aparecimento através da instalação de “iscos”.

JP – Quais são as consequências para os proprietários ignorarem a questão das térmitas?

ABC – As consequências são permitir uma forte deterioração do seu património. É como não tratar uma pessoa doente em que existe cura. Quando finalmente acordam para o problema, muitas vezes já é tarde.

JP – Diz-se que a prevenção é sempre o melhor de todos os métodos. Suponho que também aqui o seja. Assim sendo, como se processa essa prevenção?

ABC – Sem dúvida. Prevenir é muito mais fácil e económico. A legislação dos Açores deveria obrigar a aplicação de medidas / tratamentos preventivos em todas as Madeiras.

Relativamente às Térmitas Subterrâneas, para prevenir o seu aparecimento temos os detalhes de construção, barreiras físicas (obrigatórias em França) e químicas. A limpeza de madeiras em zonas adjacentes, tapar fissuração no cimento, Isolamento de tubagem eléctricas e eliminação de zonas de humidade são também procedimentos importantes. Nas de Madeira Seca é fundamental a utilização de Madeira com tratamento preventivo. Selar e pintar todas as fendas da Madeira e Limpar e arejar os locais são outros dos procedimentos aconselhados.

JP – Um dos problemas associados ao combate das térmitas, pelo menos no início, esteve sempre relacionado com a incerteza relativamente à eficácia dos métodos e produtos utilizados. Hoje este combate já é efetivamente eficaz?

ABC – Efetivamente um dos principais problemas que deparamos foi o total descrédito quanto aos tratamentos efetuados. Na verdade estivemos mais de 15 Anos a estudar o problema sem o conseguir resolver o que deixou marcas profundas na percepção da população em geral.

Os produtos que utilizamos e o método que desenvolvemos em conjunto com a Sarpap & Cecil e a Pluggo – Wood for Life® é 100% eficaz no combate às Térmitas da Madeira Seca para os trabalhos que aceitamos (uma pequena parte poderá ser excluída dada a inacessibilidade das Madeiras ou nível demasiado avançado da infestação). Os produtos têm uma garantia mínima de eficácia de 10 Anos e de tal forma é a confiança neste projecto que a Sarpap & Cecil criou um website propositadamente para Portugal onde declaramos os trabalhos efectuados. Posteriormente é emitido um “Certificado de Tratamento” para cada local atestando a durabilidade mínima do tratamento.

JP – Outros dos problemas também relacionados com o combate é o seu custo. Hoje estes custos já estão, digamos, mais acessíveis?

ABC – Uma das preocupações desde a origem foi que os tratamentos estivessem ao alcance da generalidade das pessoas porque efectivamente estamos preocupados e determinados em resolver o problema. A escala ajuda a conseguir diminuir ainda mais os preços e existe uma clara preocupação com a sociedade em geral.

No nosso método preocupamo-nos com o custo, com a conveniência e segurança das pessoas. As intervenções são muito rápidas, sendo os tratamentos aplicados por pulverização airless com uma elevada produtividade. Muitas vezes a maior parte do custo está na preparação das madeiras porque as pessoas têm as zonas das coberturas das habitações abandonadas há muitos Anos. Temos que arrumar e limpar tudo muito bem antes de tratar.

O custo de Tratar uma casa não é muito diferente de a Pintar, sendo que a pintura tem que ser renovada com frequência. Trabalhamos sempre com as gramagens máximas de produto aplicado e o histórico que nos passam de França é que este tipo de tratamento aplicado desta forma, apesar de os produtos terem uma garantia de eficácia mínima de 10 Anos, na prática não existe histórico de reinfestação. É como ter um autoclave portátil para impregnar as madeiras in situ em profundidade com um inseticida muito eficaz e seguro para as pessoas. Trata-se de um pequeno investimento para uma vida.

JP

NE: Entrevista publicada na edição impressa n.º 512 de 05 de janeiro de 2018