Jornal da Praia

PUB

PR’Á RUA… A TODA A FORÇA!

Sexta, 19 de Janeiro de 2018 em Opinião 341 visualizações Partilhar

PR’Á RUA… A TODA A FORÇA!

Fique claro que, nada tenho em particular, contra qualquer membro dos activos militares portugueses enquanto pessoas. Contactei já e depois do serviço militar cumprido com muitos. Tive com os mesmos, o melhor relacionamento institucional   enquanto responsável político e, até tenho amigos nas forças armadas. Cumprem a sua função profissional em instituições nacionais, permanentes e regulares organizadas com base na hierarquia e na disciplina, agem sob a autoridade do ministro da Defesa e, sob autoridade suprema do Chefe de Estado ou do Governo. Só que à data, acho que o “sistema” em relação aos Açores desenvolve através da instituição militar, uma acção que noutros tempos e noutros lugares se chamava de “psico-social”.

A Acção Psicológica, destina-se a influenciar as atitudes e o comportamento dos indivíduos. Na guerra subversiva era utilizada para obter o apoio da população, desmoralizar e, ou captar o inimigo. Fortalecer o moral das próprias forças, assumindo três aspectos diferentes, embora intimamente relacionados: - a acção psicológica - a acção psicossocial e - a acção de presença. Foi pela missão como orientador da “psico-social” enquanto militar, que fui louvado pelo comandante da CART 1704 ao terminar a minha comissão em Timor e, ao serviço de Portugal.

Até algum período de tempo, após a aparência de tranquilidade na sociedade açoriana, em relação ao desejo e, ao grito de liberdade saído do histórico dia 6 de Junho de 1975 e, mais acentuado após os “arrufos” entre marinheiros e populares, nomeadamente em Agosto de do mesmo mês se bem me lembro, veio o “sistema”, implantando ardilosamente e, aos poucos minando com a presença das forças militares a sociedade açoriana. Primeiramente com uma presença subtil, e de fino tracto, mas com ostentação e poder constitucional. A nomeação de Ministro da República que nos primórdios (15 anos -1976/1991), foram para três generais e um almirante.

Mas, voltando à questão que atrás apelidei de “acção psico-social”, temos vindo a apreciar a proliferação da farda, principalmente das chamadas de cerimónia. Não há sessão solene, conferência, exposição ou evento mundano, em que a presença da mesma, não se faça representar. Mas, (aqui está mais um dos meus, “mas”) até aí tudo bem. Faz parte da etiqueta e da boa educação, o convite a entidades oficiais representativas de terceiros em algumas das mesmas. O que me surpreende e, talvez não, é a acção psico-social as funcionar o seu terceiro cariz, a “acção de presença” são concertos pela banda militar, são juramentos de bandeira que anteriormente eram feitos portas a dentro dos quarteis e agora, se transformaram em espectáculo público, não contando com a encenação de uma guerra fingida para as bandas do Monte Brasil, Ilha de Nosso Senhor Jesus Cristo das Terceiras, para satisfação material de S.Exa. o Presidente da República Portuguesa.  Como quem diz alto e a bom som e a jeito de retumbante e heróico brado: - P’rá rua … a toda a força.

Tendo o 25 de Abril trazido a democracia e, com ela, a subordinação do poder militar ao poder político eleito, os militares, saíram do palco regressando aos quartéis. Do serviço militar obrigatório passou-se a Forças Armadas profissionais, excepto a nível dos oficiais (onde ainda se faz sentir a herança do passado), o número de candidatos à profissão militar tem ficado sistematicamente abaixo dos objectivos e, dos cerca de 32.000 militares ao serviço dos três ramos das forças armadas portuguesas, são de origem açoriana 786 assim distribuídos: Exército: 106 QPa; 487 RC; 20 RV • Marinha: 54 QPa; 6 RC • Força Aérea 61 QPa; 52 RC. (*)

São 0,024% e, por agora… por aqui fico. Voltarei ao assunto com outro título!

Fontes:
(*) Anuário Estatístico da Defesa Nacional 2015
Siglas: QPa » Quadro Permanente; RC » Regime de Contracto; RV » Regime de Voluntariado
Edição: Ministério da Defesa Nacional
Direcção: Secretária-geral do Ministério da Defesa Nacional
Coordenação: Direcção de Serviços de Planeamento e Coordenação
Design: Direcção de Serviços de Planeamento e Coordenação

Ano: 2017

José Ventura

NE: Artigo publicado na edição impressa n.º 512 de 5 de janeiro de 2018