Jornal da Praia

PUB

AUTO-EFICÁCIA

Quinta, 18 de Janeiro de 2018 em Opinião 189 visualizações Partilhar

AUTO-EFICÁCIA

Se os dois capinhas que vemos na fotografia não acreditassem nas suas capacidades para exercer o controlo sobre a situação arriscada de estarem mesmo à frente de um toiro a desafiá-lo, com dois resplandecentes guarda-chuvas, ou seja, se não se sentissem auto-eficazes nesta ou em situações semelhantes, não haveria espectáculo. Não é o mesmo que se passa com muitas outras pessoas que, ao enfrentarem circunstâncias desafiadores ou arriscadas causadoras de stress, sentem-se diminuídas, incompetentes e stressadas, por não acreditarem nas suas capacidades para exercerem o controlo sobre o que as afecta em cada momento das suas vidas.

Naturalmente que, se por um lado, nem todos nós nascemos para ser toureiros, e até podermos pensar de nós como sendo pessoas tranquilas e serenas, por outro verificamos que em determinados momentos somos arrastados pela excitação, e pelas emoções, que nos podem levar a passar da alegria ao desespero. Compreende-se assim facilmente que o ser auto-eficaz, i. e., acreditar nas suas capacidades para exercer o controlo sobre as tarefas que em cada caso estão a afectar as nossas vidas, constitui a sexta medida que devemos tomar para controlar o stress.

Entretanto interessa consciencializarmos de que, como defende Ornstein (1993): (1) ter sucesso na vida é uma questão de trabalho árduo, e de que a sorte tem pouco ou nada a ver com isso; (2) conseguir, por exemplo, um bom emprego depende principalmente de estar no lugar certo, no momento correcto; (3) independente das dificuldades por que ao longo do tempo se tenha passado, haverá sempre algumas pessoas que não gostam de si; e que, (4) quem não consegue que os outros gostem de si, não compreende como os poderá acompanhar na vida.

E há diferenças na direcção e grau de responsabilidade emocional que compete à pessoa. Por exemplo, ao ser  confrontado com uma aranha um indivíduo pode gritar e fugir do quarto, enquanto outro a agarra facilmente e a atira para a rua. Para uns, o mundo é sempre brilhante e ensolarado, e tudo existe para ser abraçado, enquanto para outros, é um lugar escuro e difícil, e por isso temos de ter cuidado em nos envolvermos. Se, de repente e inesperadamente, muitos de nós estivéssemos na frente daquele animal bravo, a emoção seria tão elevada que até as pernas se recusariam a fugir. E dificilmente teríamos a calma e a habilidade para, num simples passe, iludir o toiro e livrar-nos do perigo.

A auto-eficácia relaciona-se com a crença na própria capcidade para realizar uma acção (Bandura (1982). E se essa acção for de valor ou utilidade para a pessoa, ou seja, se houver expectativas de resultados positivos, então vale a pena esforçarmo-nos para garantir o ser auto-eficaz nas mais variadas acções da nossa vida. Ao actuarmos eficazmente somos capazes de alcançar os resultados que desejamos, ou pelo menos aproximarmos dele. Até no campo da saúde, a crença de que podemos fazer algo para funcionarmos melhor é susceptível de melhorar o nosso estado.

Assim, não é por acaso que hoje em dia se usa cada vez mais os placebos, nomeadamente substâncias farmacologicamente inertes, mas que podem ser utilizadas com vários objectivos, nomeadamente na indução do sono ou no controlo da dor, mas cujo resultado está dependente da esperança do indivíduo em melhorar, i. e., da auto-eficácia que lhe atribui. Entretanto não podemos esquecer o que disse Stanhope (1917): «o ramo do conhecimento é muito curto, mas o capítulo dos acidentes é muito longo». Ou seja, o stress aparece inesperadamente nas mais variadas situções, inclusive como reacção às situações extremamente difíceis e excitantes. E por isso. o esforçarmos para sermos auto-eficazes é um meio naturalmente seguro e próprio, para ultrapassar aquelas situações.

E o atingir este úitimo objectivo é naturalmente facilitado quando se trata de pessoas que se caracterizam por se mostrarem felizes, de espírito aberto, com intuição e optimismo, a par de um certo aventureirismo, e a ponto de serem capazes de responder às mudanças, aos tais acidentes, de que fala o nosso autor. Enfim, faça como elas.

Referências
Bandura, A. (1982). Self-efficacy mechanism in human agency, American Psychologist, 37; 122-47.
Ornstein, R. (1993).
The Roots of the self: Unravelling the mystery of who we are. New York: Harper Collins Publishers.
Stanhope, P. D. (1917). Epigram on “Long” Sir Thomas Robinson, Vol. 17, pp. 5. Oxford & New York: the Oxford Dictionary of Quotations.

Aurélio Pamplona

NE: Artigo publicado na edição impressa n.º 512 de 05 de janeiro de 2018