Jornal da Praia

PUB

RODRIGO PEREIRA - "O RAPAZ DAS ILHAS"

Segunda, 15 de Janeiro de 2018 em Entrevista 654 visualizações Partilhar

RODRIGO PEREIRA - "O RAPAZ DAS ILHAS"

Rodrigo Pereira, 19 anos, natural da Praia da Vitória, estudante no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa, do 1.º ano do curso de “Administração Pública e Políticas do Território”. Até aqui, nada de novo, Rodrigo rumou até Lisboa e tal como muitos jovens da sua idade estuda na mais cosmopolita de todas as nossas cidades, onde a história conta-se a cada colina e a cultura bebe-se nas longas margens do Tejo. Mas, Rodrigo gosta de comunicar, porque a comunicação permite “quebrar muros”, os muros que se alçam quando ela não existe. E agora, a estória ganha uma “alma próprio”, a de um “rapaz das ilhas” que têm um blog.

Jornal da Praia (JP) – O Rodrigo encontra-se a tirar uma licenciatura em “Administração Pública e Políticas Territoriais” no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Quais as motivações que o levaram a escolher este curso, destinado a formar especialista para integrarem a administração central, regional e local?

Rodrigo Pereira (RP) – Na altura em que coloquei APPT como primeira opção, de facto achei que era o melhor para mim, porque, através do Estagiar, estive um ano na Câmara da Praia, e fiquei com a ideia de que seria o trabalho certo. Trabalhava principalmente na área da cultura e gostava do que fazia, mas nada por aí além. Fui tirar o curso para evoluir e voltar assim que possível, caso surgisse oportunidade, claro. Para além disso, a meu ver, não há melhor empregador na região que a função pública.

O certo é que o curso não me preenche como previa, e depois de chegar a Lisboa e conhecer uma realidade completamente diferente da nossa, percebi que há mais caminhos, e que me fazem bem mais feliz e realizado. É o caso da comunicação. Não que tenha, com o estágio, perdido o interesse por essa área, mas por saber que nos Açores é difícil ter emprego nela, tinha-a deixado um pouco de parte nos meus objetivos, mas Lisboa fez-me ver que afinal é esse o meu caminho.

Agora, estou a apostar na formação em comunicação - em rádio e televisão - ao mesmo tempo que faço o curso, e já não tenho tanta pressa em voltar. Se a vida me permitir, quero trabalhar uns anos em Lisboa e ganhar lá uma estaleca, pessoal e profissional, que aqui é impossível. O regresso à Terceira faz parte dos meus planos, não sei é quando.

JP – Em concreto o que lhe mais fascina na comunicação?

RP – Gosto de observar o Homem e os seus comportamentos e atitudes, e escrevo imenso sobre isso, ainda que não publique muito. Com essa observação, cada vez mais concluo que a comunicação é o instrumento mais poderoso que temos. Com ela podemos quebrar muros, sem ela, construí-los. É o que acontece. Mas, infelizmente, há mais falta dela do que o contrário, muito pelo facto de nos julgarmos uns aos outros. É difícil a sociedade perceber que ninguém é exemplo para ninguém. Todos temos defeitos e já cometemos erros, portanto temos mas é que estar caladinhos e viver a nossa e não a vida dos outros. No dia em que nascer um ser humano perfeito, então que atire pedras.

Mas falando em termos práticos, se assim se pode dizer, fascina-me poder entreter os outros, animar o dia de alguém que possa estar em baixo, inspirar – não com o meu exemplo, mas talvez com palavras – quem precise. Também gosto de informação, mas fascina-me muito mais o entretenimento, pela informalidade e descontração que transmite. E a rádio – experiência que já leva 5 anos – tem me feito ver que isto não se trata de uma ilusão, gosto mesmo disto.

JP – Para um ilhéu que vai para Lisboa estudar – como é o caso do Rodrigo – o primeiro ano apresenta-se sempre um pouco difícil porque implica grandes mudanças. Como está a decorrer este primeiro ano que é sempre de adaptação?

RP – Nós vivemos num paraíso. Podemos não conseguir ter carreiras profissionais tão boas como lá, assim como não temos os jogos do Benfica ao vivo, os shoppings, os bons teatros, as salas de cinema a sério, entre muitas outras coisas, mas temos a calma e a natureza, e passei a dar muito valor a isso ao viver lá.

A adaptação à cidade foi dura – estudar, viver sozinho, gerir as contas, tratar de todas as tarefas domésticas, e ainda habituar-me a viver na cidade - mas vivi um ano a querer isso e todas as vezes que pensei em desistir e voltar - porque pensei - senti que nem um quarto da minha missão ali estava completado. E não gosto de deixar nada antes do fim. Foi com esse pensamento, com a força que a minha namorada e um grande amigo me deram, e com muita fé, que me adaptei.

Passei por um período em que odiei Lisboa e tudo me irritava, mas já fiz as pazes com ela. Até já digo que quero viver lá por uns bons anos, veja lá. Tudo depende da nossa força de vontade.

JP – Recentemente o Rodrigo lançou um blog intitulado “O rapaz das ilhas”. Porquê um blog na era das redes sociais digitais, e quais as razões que levaram à escolha do seu nome?

RP – Ter um blog pessoal e generalista é um objetivo já de há alguns anos, mas nunca me senti preparado para o lançar. Um blog para se destacar deve oferecer novo conteúdo com regularidade, e não achei que fosse um tipo com coisas para dizer ao mundo quase ou mesmo todos os dias. Para além de que achei que, com tanta gente na blogosfera, eu não iria fazer diferença nenhuma, e tinha, ainda, algum receio de que o blog não fosse bem recebido pelo público. Mas a dada altura ultrapassei isso tudo. Ou arregaçamos mangas e vamos à luta, ou os sonhos nunca passam disso mesmo. Falei com um amigo meu, ele prontificou-se para criar a imagem, comecei a escrever o dobro para me treinar, estudei o que diziam os melhores da área, e segui. Até agora nunca tive de “encher chouriços” – tudo o que publico é porque, de facto, gosto e entendo que o deva fazer – e já recebi dezenas de mensagens de apoio pelo projeto. As estatísticas também não estão nada mal para um blog muito recente.

Quanto ao nome tem que ver com o facto ser tratado em Lisboa por Açoriano. E um açoriano é um rapaz das ilhas. Pensei durante semanas num nome,  até  que  me  ocorreu  que nenhum podia ser melhor que este, e ficou “O rapaz das ilhas”. Tenho muito orgulho em sê-lo. Nós por cá sabemos como é bom ser das ilhas e o valor que isso tem.

JP – Certo! – Mas escrever com regularidade comunicando com o público, num registo que creio ser pessoal e emotivo, tanto quanto posso depreender das suas palavras, poderá ser concretizado por exemplo com uma página de Facebook, na qual os conteúdos vão caindo diretamente nos “feeds” dos fans, sendo a interação muito mais simplificada. Assim, porquê um blog e não uma página ou até um grupo?

RP – No blog os leitores podem comentar ou entrar em contato comigo através do mail ou redes sociais. Está lá tudo.

Um blog não é comparável ao Facebook, a meu ver. Tem um conceito diferente, próprio, e pode até ser um refúgio a essa rede social. Para além disso tem funcionalidades específicas e o seu conteúdo é mais organizado.

Utilizo as redes sociais para partilhar o conteúdo do blog e estar ainda mais próximo dos leitores, mas acho que não faria sentido ficar-me por uma página no Facebook ou uma conta no Instagram. Ambas só fazem sentido precisamente para isso.

Percebo o que quer dizer. E de facto, de uma forma ou de outra, dava para adaptarmos tudo apenas ao Facebook, mas não devemos fazê-lo. Os blogs e os sites têm a sua qualidade e têm que continuar a existir. Não nos podemos limitar às redes sociais.

JP – Em concreto quais são as principais temáticas abordadas?

RP – Como referi atrás, é um blog pessoal e generalista, pelo que não há um tema específico. Falo do que gosto, do que faço, exponho os meus estados de espírito, assim como dou a minha opinião sobre assuntos que acho que o deva fazer.

Acho que “O rapaz das ilhas” é um espaço para todos. O conteúdo é variado e consegue chegar de novos, a mais velhos; de quem não tem paciência para ler mais de 3 linhas, a quem gosta de artigos com opinião fundamentada; de quem se quer entreter, a quem quer um conteúdo mais sério.

Claro que, por ser um blog generalista e ainda para mais recente, não tenho um público estável. Há dias estatisticamente melhores – posso dizer que chego a ter 700 visitas – e outros piores – apenas 20 visitas. Mas isso é mesmo assim.

JP – Este blog faz parte desta descoberta de gosto pela comunicação e corresponde a uma forma de exercitá-la, Certo?

RP – Há, mais ou menos, 9 anos criei um site de informação desportiva motorizada – que o alimentei durante quase 5 anos - e foi aí que descobri o fascínio pela comunicação. Fruto desse site, saltei para a rádio, há 5 anos, e esta veio confirmá-lo. Nisto, comecei também a escrever para o JP, há 4 anos, se não estou em erro.

Este blog é um grande projeto, que exigirá grande dedicação, honestidade e persistência, mas não é o que me faz descobrir que gosto da comunicação, é resultado disso.

JP – Quais os objetivos que levaram à sua criação?

RP – Não escondo que seria gratificante que no futuro o blog tivesse um público estável e interativo em bom número, mas não é só isso que me faz dedicar todos os dias um bom bocado ao projeto. Tenho imenso gosto no que faço, e isso é o principal. O resto vem por acréscimo.

Quanto ao que levou à sua criação não se trata de objetivos, mas sim motivos que tinha para o fazer. E foram: a vontade de partilhar com os outros alguns dos textos que escrevo, assim como aquilo que gosto, aquilo que faço, a minha opinião sobre determinados temas e também uma ou outra graçola que possa animar o dia de quem por lá passa. Quero, e acho que estou a conseguir, que seja um espaço informal e descontraído.

JP – O Rodrigo colabora semanalmente no Rádio Clube de Angra como locutor aos domingos durante duas horas. Como é que gere o seu tempo por forma a responder adequadamente aos estudos, à rádio e ao blog?

RP – A rádio acaba por ser o mais fácil. Não tem tanta graça para quem ouve, assim como para quem faz, mas com a ida para Lisboa, a única hipótese que tive para continuar foi gravar. E é isso que o faço. Venho à Terceira, em média, de 6 em 6 semanas e tiro sempre umas horas para gravar. Lá fora, normalmente à sexta-feira à noite ou ao sábado de manhã, faço a edição e crio a playlist através de um programa que dá acesso do meu PC ao da rádio.

Aos estudos dedico-me diariamente – tento baldar-me aos domingos - e o blog surgiu há pouco tempo, mas também. Quando foi lançado o blog já as aulas tinham terminado, tive que dividir o tempo entre o estudo para os exames e o blog. E não foi difícil. Ninguém consegue estudar um dia inteiro, como também não consegue escrever. Portanto, é tirar tempo para ambos. Em Setembro terei que voltar a fazer o mesmo, arranjando ainda tempo para um curso de comunicação. Pelas minhas contas, até o tempo para ir à casa de banho estará contado, mas dá para tudo. Basta ter força de vontade, é ou não?!

JP – Sem dúvida. – Nesta gestão tão rigorosa do seu tempo, quando vai encontrar um “tempinho” para retomar a sua colaboração com o JP e fazê-lo de forma regular?

RP – Todas as perguntas que me faz são bastante interessantes, mas esta deixa-me especialmente feliz. E agradeço pela vontade que mostram.

De facto, durante algum tempo colaborei com o nosso jornal – creio que o posso considerar um bocadinho meu – mas a falta de tempo fez-me afastar, com muita pena. Sempre que encontro o nosso amigo Francisco, o diretor-adjunto, diz-me que tenho que voltar. E quero que isso aconteça. Aliás, agora, mais do que nunca, acho que faz todo o sentido.

O tempo é escasso, mas este jornal e a minha terra merecem um bocadinho do meu tempo, mesmo estando em Lisboa, e tenho uma ideia a pôr em prática. É questão de falarmos no assunto e de, uma vez por mês, passar a dormir menos uma hora ou duas.

JP / Foto: Rui Sousa

NE: Entrevista publicada na edição impressa n.º 503 de 18 de agosto de 2017