Jornal da Praia

PUB

PENSAR O TURISMO

Sexta, 12 de Janeiro de 2018 em Opinião 191 visualizações Partilhar

PENSAR O TURISMO

Depois das eleições autárquicas, os novos inquilinos das juntas de freguesia da ilha Terceira falaram sobre quais serão as suas prioridades para o mandato. Na grande maioria dos casos, há um padrão estabelecido de qual é a grande prioridade dos presidentes de junta: o turismo. Esse padrão é facilmente reconhecido com afirmações do tipo: “aponta o turismo como uma das prioridades”, “ver crescer o turismo”, “aposta no turismo” ou “atenta ao crescimento do turismo”. É de salutar o reconhecimento do turismo como um dos motores de desenvolvimento das cidades e freguesias do nosso arquipélago, porém há que ser um pouco realista e atento.

O turismo não é o D. Sebastião da economia insular nem é a última esperança para os açorianos. Aliás, torna-se um pouco ridículo, ir ao sabor de tendências. Urge, isso sim, pensar a longo prazo no desenvolvimento das nossas ilhas, numa perspetiva integrada e equilibrada, sem priorizar apenas o que agora está na moda. Aos Açores não deve interessar um turismo de massas nem um turismo desligado da nossa realidade.

Às freguesias rurais da Terceira não interessa que o turismo seja a prioridade porque isso é totalmente errado. Interessa que seja um complemento às atividades tradicionais, como a pecuária ou agricultura. Quando se fixa as atenções numa tendência, sem noção dos seus limites de expansão, o resulto é quase sempre negativo. Devem atentar sobretudo, e alguns presidentes de junta também o dizem, na fixação de pessoas nas suas freguesias e na melhoria das suas condições de vida.

Para recebermos bem quem vem de fora, temos de preparar a nossa casa. Temos de fazer um trabalho que passe pela valorização dos nossos espaços e da nossa gente, de modo a que o turismo não venha prejudicar a harmonia da nossa terra. Valorização que passa: pela noção da capacidade de pessoas que podemos ter, por exemplo, numa igreja ou num museu, pela garantia de preservação da qualidade do ambiente ou pela formação de recursos humanos capazes de servirem os turistas. Esse é o trabalho prioritário. Começar a construir uma casa pelo teto dá mau resultado. Não se pode querer expandir o turismo, quando ele não tem bases para ser sustentável.

Há mais quatro coisas a serem feitas na Terceira, na minha modesta e sincera opinião, que deixo para reflexão futura: em primeiro lugar, criar um verdadeiro Plano Intermunicipal de longo alcance que estruture e organize o turismo; em segundo lugar, que esse plano seja o reflexo de uma união entre as duas cidades da Terceira, para a concretização de ideias e projetos turísticos em benefício do todo que é a ilha (somos apenas 56 mil pessoas!); em terceiro lugar, haver um empenho suplementar na preservação do património histórico da ilha; e em quarto lugar, aliar, inevitavelmente, o turismo à cultura, porque são áreas complementares.

Não se pode querer um Cais de Cruzeiros, seja na Praia, seja em Angra, sem antes fazer a valorização do meio e as quatro coisas que disse no parágrafo anterior. Não se pode querer erguer mais obra, sem antes pensar de forma empenhada no que queremos para o turismo da ilha e dos Açores em geral.

Emanuel Areias

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 511 de 22 de dezembro de 2017.