Jornal da Praia

PUB

ESTIMA-SE, MAS NÃO SÓ

Quarta, 10 de Janeiro de 2018 em Opinião 301 visualizações Partilhar

ESTIMA-SE, MAS NÃO SÓ

Defendemos no último Cantinho que a melhoria da auto-estima corresponde à sexta medida que podíamos lançar mão para nos ajudar a afastar e a lidar com o stress. Naturalmente que a auto-estima depende de diversos factores, entre os quais se indicam, o ambiente que nos cerca, nomeadamente a sua beleza, as variáveis já referidas como básicas para enfrentar o stress, e outras. Entretanto o fundamental consiste em compreender o que necessitamos de fazer para melhorar e garantir as capacidades de lidar com o desconforto que o stress causa. Estes aspectos tornam-se mais salientes porque existem pessoas que pouco fazem para se encontrarem nos caminhos por onde circulam, e por isso não se sentem orgulhosas, realizadas, respeitadas, capacitadas, enfim com auto-estima, o que lhes complica a vida.

Daqui que Winch (2017) aponte cinco passos a seguir para se alimentar a nossa auto-estima. Esses passos são os seguintes: (1) evitar afirmações genéricas positivas que não possuam um grau de credibilidade aceitável, mesmo da própria pessoa; (2) identificar áreas de robustez ou competência em que se seja bom, se faça bem ou que as outras pessoas apreciem, e esforçar-se por caminhar na direcção dessa realização, mesmo de forma simples ou em pequenos avanços; (3) uma vez identificada uma área de competência encontrar formas de a demonstrar e de a pôr em prática; (4) aprender a tolerar comentários positivos de forma graciosa; e ainda (5) depois de exibir as suas capacidades, demonstrar que se sente bem com isso, orgulhoso, e satisfeito com os outros e consigo próprio.

E o autor esclarece: (a) se desejamos sentirmo-nos bem acerca de nós próprios, com auto-estima, convém realizar coisas que nos façam sentir orgulhosos, realizados, apreciados, respeitados, habilitados, ou dar passos que demonstrem que estamos a avançar para atingir os nossos objectivos; (b) que a auto-estima não é alimentada pela esperança, nem por falsas crenças, mas sim por experiências autênticas da prática, capacidades e merecida retro alimentação. Se algum destes pontos falha nas nossas vidas é necessário um exame de acção para traze-los às experiências diárias, demonstrando as capacidades, e as aberturas aos resultados positivos, tanto de nós como dos outros.

Entretanto existem investigadores que dizem que ter uma boa auto-estima não chega para fazer de nós líderes eficazes, amantes mais atraentes, ou pessoas capazes de levar uma vida mais saudável, ou até dar resposta a todos os problemas. E por isso apontam a auto-compaixão, a vontade olhar para seus próprios erros e deficiências, com bondade e compreensão, como um meio essencial para elevar os níveis de bem - estar pessoal, optimismo e felicidade, e diminuir os níveis de ansiedade ou de depressão.

As preocupações com as nossas ambições e realizações pessoais não nos podem levar a pensar, por um lado, que podemos ser transformados num arcanjo, capaz de resolver todos os problemas, e por outro que não nos devemos afastar da posição de Bierce (1911), que achava que o sucesso de cada um se constituía num «pecado imperdoável contra os próprios colegas». As pessoas que experimentam auto-compaixão são mais propensas a ver as suas fraquezas como mutáveis (Halvorson, Froggatt & Lakeman (2017) visto que, em vez de as afastar das suas obrigações e dificuldades fá-las aumentar a motivação para melhorar o desempenho, e evitar que repitam no futuro os mesmos erros. Só por si o aumento da motivação conduz a uma melhor realização.

O espírito de auto-compaixão pode ser capturado em expressões como dar uma pausa no trabalho, ou meter alguns dias de folga, mas não corresponde de forma nenhuma ao abandono, ou deixar de agir, visto que é fundamental não se desistir da acção, do esforço para os objectivos mais desafiadores, de chegar ao seu destino. Em síntese, a compaixão é algo que é a antíntese da crueldade, e deve começar na infância, com o apoio dos pais e da sociedade, pela ajuda na criação de uma mentalidade de realização segura, e de investimento no próprio e nos outros, de forma a alimentar o crescimento psicológico.

Enfim, veja no próximo Cantinho outras medidas a considerar.

Referências
Bierce, A. (1911). Success. The Devil´s Dictionary. London: The Folio Society.
Halvorson, H. G. (2012). Forget self-esteem: You need self compassion to succeed. Psychology Today.
Winch, G. (2017). 5 Ways to boost your self-esteem and make it stick: Psychology Today.

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 511 de 22 de dezembro de 2017