Jornal da Praia

PUB

DE FÉRIAS NA TERCEIRA: O PROGRAMA DAS FESTAS

Quarta, 10 de Janeiro de 2018 em Opinião 210 visualizações Partilhar

DE FÉRIAS NA TERCEIRA: O PROGRAMA DAS FESTAS

Em conversa com uma sobrinha, sobre a minha ida à Terceira neste ano de 2017, fiz-lhe notar que assistiria a parte das Festas da Praia da Vitória. Ela comentou que era coisa que não a atraia, porque os programas nos diversos anos eram muito iguais; em sua opinião, “precisavam de uma grande volta”. Concordei, porque efectivamente, olhando para os últimos anos, pouco tem mudado. Altearam-se alguns nomes, mas o modelo mantém-se.

Dias depois, reflectindo sobre a observação da minha sobrinha, dei comigo a pensar que, pelo menos nos tempos mais próximos, será difícil introduzir grandes modificações. Quem andar pela Praia na primeira quinzena de Agosto constata serem os visitantes, na sua larguíssima maioria, terceirenses, fundamentalmente praienses da diáspora, pessoas que vivem nos Estado Unidos e no Canadá, alguns no Continente, que vão matar saudades da terra onde nasceram e se criaram; é o chamado, pelo que tenho lido, “Turismo da Saudade”, que a autarquia tem em grande conta, o que a leva a promover o programa das Festas pelas nossas comunidades residentes na América do Norte, por exemplo. As pessoas vão à procura do que viveram, mesmo que agora lhes seja apresentado como folclore que os jovens praienses de hoje não vivem nem suportaria viver. Quando em 2014 passei pela Praia durante as Festas, vi um cortejo etnográfico a passar na Praça Francisco Ornelas da Câmara, coisa bonita de se ver. Ainda este ano vi uma junta de bois raça Ramo Grande a puxar um carro; chamei a atenção da minha mulher para a altura dos bichos. Ora, se os visitantes das Festas da Praia são pessoas que saíram há 20, 30, 40 e mais anos, o que as chama são eventos que lhe despertem recordações de experiências vividas. Sendo esta a realidade, duas perguntas se colocam imediatamente: “será possível, a breve trecho, mudar o programa das Festas?” e “este «Turismo da Saudade» terá futuro?” Às duas respondo: por certo que não! E para chegar a esta conclusão basta estar atento a quem anda na Cidade durante as festas. Se olharmos para os turistas jovens, vê-se que ou foram muito pequenos para fora, ou já nasceram no Canadá ou Estados Unidos. Se observarmos o seu comportamento, nota-se que na sua maioria ficam espantados com o que os rodeia, sendo evidente que muito do que vêem pouco ou nada lhes diz; têm outra experiência de vida, e por isso outra mundividência, pertencem a outro mundo, pelo que, vendo as festas uma vez, dificilmente voltarão para as rever. Provavelmente voltarão, mas com objectivos muito diferentes, que aconselharão outras datas. Compreende-se, portanto, que para já a lógica dos programas das Festas da Praia seja a actual, mas espero bem que os responsáveis estejam conscientes do que acabo de dizer e sejam capazes de ir descobrindo novos caminhos, porque, se não me engano, o “Turismo da Saudade” tem os dias contados. Há que pensar noutros turistas!

Sobre as possíveis novidades que o programa das Festas da Praia pode apresentar, este ano assisti a uma: no Domingo, dia 13, a “Procissão dos Marítimos seguida de Missa Campal”, como se dizia no programa. Para mim era novidade; nunca tinha assistido e a Procissão, tal como hoje se faz, nada tem a ver com a “Procissão dos Homens do Mar” da minha meninice. Naquele tempo, quase todos os barcos de pesca, varados na Avenida, eram devidamente engalanados e os andores percorriam-nos numa manifestação de fé e de pedido de protecção divina. A actual procissão, como o meu amigo Francisco Ferreira me tinha dito logo no ano em que esta inovação surgiu, parte em barcos do Porto de Pesca, e vai até à Marina; feito o desembarque, segue para a Praça Francisco Ornelas da Câmara, onde é celebrada missa campal.

Quando a procissão chegou à Marina, já eu lá estava com os meus netos mais crescidos; estavam duas Filarmónicas a aguardar que se organizasse o cortejo. Não fui capaz de perceber de onde era a da frente, porque o miúdo porta-estandarte tinha enrolado a bandeira de tal modo que não se conseguia ler o nome da freguesia a que pertencia. A segunda era, por certo, das Fontinhas, porque os contrabaixos eram do modelo que sempre conheci naquela Filarmónica: a campânula do instrumento fica por cima da cabeça do executante. Ao longo do trajecto as bandas tocaram umas marchas muito afinadinhas que foi um consolo ouvir. Quanto a isto, nada a dizer; quando ao resto, algumas observações.

Enquanto esperávamos, fui olhando para as pessoas que se iam incorporando na procissão levando a cruz processional, os andores, e as lanternas. Ao observar o modo como trajavam, fiquei um pouco perplexo. Bem sei que hoje as pessoas se vestem com grande informalidade, mas, como em tudo na vida, parece-me que há limites. Ninguém de bom senso vai de smoking ou vestido comprido para a praia, nem de fato de banho ou biquíni jantar a um restaurante digno desse nome. As pessoas iam vestidas de um modo informal, mas havia alguns casos que ultrapassavam o razoável. Para dar dois exemplos: o senhor que levada a cruz processional trajava uns calções de ganga e calçava umas sapatilhas, como se estivesse preparado para ir para uma esplanada à beira mar. Um dos que ia a um andor, vestia umas havaianas. Achei estranho que quem organizou a procissão não se tivesse lembrado de dizer aos que iriam levar os andores, lanternas e cruz processional para se vestirem a condizer com a solenidade em que iam participar. Dei comigo a pensar: que estranho! Nesta terra os cantadores das cantigas ao desafio, do Pezinho e das Velhas apresentam-se em palco de fato e gravata, e na Procissão dos Marítimos, levando a Cruz processional, as lanternas ou os andores há quem se apresente, bizarramente, de calções de ganga ou havaianas.

Fui-me apressando com os netos para podermos ver melhor a procissão a subir para a Praça. A meio da Avenida apercebi-me que a Vereação da Câmara seguia atrás do Pálio, o que me pareceu compreensível. É verdade que o Estado é laico, mas o povo não é. Os eleitos atingem o poder com os votos do povo, pelo que me parece natural que manifestem respeito e apreço por todos os eleitores e estejam presentes nas festas do povo. O que já não me parece aceitável é quando os políticos se incorporam numa procissão, manifestação da religiosidade popular, se comportam como se estivessem numa acção de campanha. Ora havia eleições autárquicas em Outubro, o que não ajudou a uma presença discreta de alguns membros da vereação. Chegados à Praça, havia umas cadeiras destinadas às autoridades camarárias, o que me pareceu natural. O que me causou algum espanto foi ver alguém distribuir garrafinhas de água aos membros da Vereação quando o celebrante começou a homilia.

Olhando de cima das escadas do edifício da Câmara, e vendo o número de pessoas que participava na missa, perguntei-me porque carga de água tinham optado por uma missa campal; seria pelo espectáculo? A participar efectivamente na missa estariam umas 200 pessoas, que caberiam à vontade na Mariz, espaço que permitiria uma vivência da fé mais intensa do que aquela praça. Por exemplo não se veria, como presenciei, alguém entrar nos serviços de apoio às Festas, e, portanto, à procissão e missa, e sair de lá de copo de cerveja na mão, sacar de um cigarro e ir fumando e bebendo enquanto decorria o acto litúrgico. Enfim, nunca fui muito adepto de procissões. Com vários dos meus colegas do Seminário do Padre Damião (participávamos em todas as procissões da Praia, e eram muitas), sempre fiz uma apreciação muito crítica, dizendo que elas pareciam mais destinadas a arejar as imagens do que à vivência da fé.

Em síntese: e voltando ao problema do Programa das Festas: a novidade que foi para mim a nova versão da Procissão dos Marítimos pareceu-me mais um equívoco do que uma novidade a saudar, o que leva a esta conclusão: não vai ser fácil “dar uma volta” ao programa das Festas da Praia da Vitória.

José Henrique Silveira de Brito

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 511 de 22 de dezembro de 2017