Jornal da Praia

PUB

OS CANTO – DE PERO ANES A VIOLANTE DO CANTO

Segunda, 08 de Janeiro de 2018 em Opinião 2438 visualizações Partilhar

OS CANTO – DE PERO ANES A VIOLANTE DO CANTO

Há exatos 462 anos, a 9 de janeiro de 1556, morria o 1º Provedor das Armadas dos Açores, Pero Anes do Canto, responsável pelo início da linha de fortes da Ilha Terceira e um dos homens mais poderosos dos Açores no século XVI.

Pero Anes do Canto nasceu em Guimarães, por volta de 1472/73. A tradição afirma que era descendente de Eduardo de Inglaterra, o Príncipe Negro. Em 1510 casou com Joana de Abarca, filha de Margarida Álvares Merens e Pero de Abarca, sobrinha de Maria de Abarca ou Corte Real, mulher de João Vaz Corte Real, 1º capitão-donatário de Angra. Este casamento, que durou apenas catorze meses, deixou descendência, António Pires do Canto, 2º Provedor das Armadas das ilhas. Em 1517, Pero Anes do Canto casou-se com Violante da Silva, filha de Duarte Galvão, cronista-mor do reino e de D. Catarina de Meneses e Vasconcelos, o qual durou apenas 23 meses. Deste casamento nasceu João da Silva do Canto, o pai de D. Violante do Canto. Teve ainda outros 3 filhos, Francisco da Silva do Canto que, com Tomé de Sousa, 1º Governador-Geral do Brasil, foi um dos fundadores da cidade da Baía, Pedro do Canto e Manuel do Canto.

Pero Anes do Canto deve ter vindo para a Terceira por volta de 1505, primeiro como escrivão do Mestrado de Cristo e do visitador Vasco Afonso. Passou pelo Norte de África, sendo então agraciado como cavaleiro fidalgo da Casa Régia. Iniciou então um processo de construção patrimonial nos Açores que o levou, em 1546, a ser considerado como o mais o poderoso fidalgo dos Açores. Nomeado Provedor das Fortificações, Pero Anes do Canto foi o responsável pelo início da construção da linha de Fortes da Terceira depois de uma tentativa de ataque a Angra.

A linha de fortes da Ilha foi reforçada quando o Cardeal D. Henrique, regente em nome do Rei D. Sebastião, enviou o arquiteto italiano Tommaso Benedetto para os Açores, na tentativa de dotar as Ilhas no geral, e a Terceira em particular, de uma linha de defesa eficaz para a proteção das mercadorias e dos mares açorianos. Esta linha de Fortes, concluída somente com a crise de 1580/1583, com a ajuda do Corregedor da região Ciprião de Figueiredo, outro dos homens poderosos do século XVI no arquipélago, foi essencial à defesa da ilha durante os séculos seguintes.

O 1º Provedor das Armadas combateu ainda piratas e corsários nos mares dos Açores e, por tudo isso, foi nomeado o primeiro Provedor das Armadas e Naus da Índia em todas as ilhas dos Açores. A partir de então, Pero Anes do Canto enfrentaria dificuldades devido à falta de recursos da Coroa nas ilhas, mas não desistindo dos seus objetivos. Pero Anes do Canto morreu em 1556.

O primogénito, filho do primeiro casamento de Pero Anes do Canto, tornou-se o segundo Provedor das Armadas. Já João da Silva Canto, que nascera a 10 de março de 1518, prestou serviços à Coroa em Ceuta, entre os anos de 1546 e 1548, pelos quais recebeu a comenda da Ordem de Cristo da igreja de Coja. João da Silva Canto, quando regressou à Terceira, exerceu as funções de capitão-mor das Armadas nas ilhas, de provedor da fazenda e também das fortificações, chegou a substituir temporariamente o irmão como Provedor das Armadas, cargo que ocupou novamente aquando da morte de António Pires do Canto e por menoridade do sobrinho, Pedro de Castro do Canto.

João da Silva do Canto casou-se com D. Isabel Correia, acumulando uma imensa fortuna, com bens móveis e imóveis, espalhados pela Terceira, S. Jorge, Faial e Pico. Da esposa herdou algumas terras em S. Miguel. Além disso, contribuiu para o bem da comunidade e das instituições da época, intervindo no processo de construção da nova Sé de Angra e foi também fundador, doador benemérito e provedor da Misericórdia. João da Silva do Canto cedeu as casas e a igreja onde se fundou o Colégio dos Jesuítas e foi devido à sua ação que se iniciou a construção do cais do Porto das Pipas. D. Violante do Canto herdou uma grande fortuna em 1577, com a morte do pai, João da Silva do Canto.

Em 1580, o Cardeal D. Henrique morreu, D. António foi aclamado Rei, vindo para a Terceira, D. Violante apoiou-o financeiramente, sendo uma das mais importantes incentivadoras à causa do Prior do Crato, sustentado as tropas anglo-francesas estacionadas na ilha. Durante três anos os terceirenses se bateram como defensores da independência de Portugal. Em 1583, a Terceira foi subjugada pelos espanhóis e D. Violante, por ordem de Filipe II partiu a 17 de agosto de 1583 com D. Álvaro de Bazan, rumo a Madrid. À hora do embarque, D. Violante dirigiu-se para o lugar da Prainha, acompanhada por duas damas, cinco aias e vinte e um criados entre outros escudeiros, sendo ali esperada pelas principais autoridades de Angra, num estrado alcatifado e construído de propósito para o embarque. Ao pôr D. Violante o pé na escada do navio ouviu-se uma salva dada pela nau, acompanhada por todos os navios da armada.

Em Espanha, D. Violante foi encerrada em dois mosteiros, em Cadiz e Jaem e posteriormente obrigada a casar a 1 de abril de 1585 com Simão de Sousa de Távora, voltando a Portugal. Morreu em Lisboa a 17 de novembro de 1599. Os seus bens vinculados foram herdados por Manuel do Canto de Castro, neto de António Pires do Canto, irmão de seu pai, assim nasceu, segundo as crónicas, a Caza maior das ilhas. Os restantes bens foram entregues à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e a várias outras instituições pias.

Ao olharmos para a Casa do Canto, percebemos como é importante que todos nós assumamos os nossos destinos, sem medos de lutar pelo que acreditamos. É bom que os terceirenses no geral e os praienses no particular endireitem a coluna vertebral e superem a crise.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 512 de 05 de janeiro de 2018