Jornal da Praia

PUB

POR FAVOR… DEIXEM-ME GRITAR: “SERÁ QUE ESTAMOS TODOS CEGOS?” – A PROPÓSITO DE UMA VISITA

Quarta, 03 de Janeiro de 2018 em Opinião 210 visualizações Partilhar

POR FAVOR… DEIXEM-ME GRITAR: “SERÁ QUE ESTAMOS TODOS CEGOS?” – A PROPÓSITO DE UMA VISITA

No rescaldo da visita oficial do presidente da República Portuguesa aos Açores, não poderia silenciar-me quanto ao que entendo ser significativo.

Será que a visita de sua excelência, teve a ver com algo de positivo para os Açores e o seu Povo? Ou foi apenas mais uma saudosa tournée de turismo (selfies foram q.b.) aproveitada para encapotar da melhor forma algumas advertências disfarçadas em aconselhamentos de maneira seráfica sobre aquilo que no futuro Portugal tem em pensamento na utilização do seu último activo “patrimonial” ou, porque não ser verdadeiro e qualificar este último adjectivo de “colonial”?

Que tivéssemos conhecimento aquando da viagem efectuada por S.Exa. entre os dias 1 e 6 de Junho, ficaram de fora São Miguel e Santa Maria, para viagem futura.

Daquela visita e do seu programa abstenho-me de comentar aludindo apenas a deslocação a um miradouro na Ilha das Flores para avistar, o Ilhéu do Monchique, referido por S.Exa. como ponto mais ocidental de Portugal.

Depois de uma viagem turística por sete ilhas, apraz registar como um dos órgãos de comunicação social, referiu o concluir da visita de S.Exa. titulando a noticia assim: “Marcelo termina visita aos Açores rodeado de queijo” no desenvolvimento da notícia, referia que Marcelo teria comentado durante a visita à unidade fabril Uniqueijo …"Neste momento sou muito feliz. Isto é acabar em grande, foi uma grande ideia" (…) "Adoro o queijo de São Jorge (...). A prova é que devia estar a descolar o avião e estou no meio dos queijos", assegurando ser, já antes do vinho do Pico, "embaixador plenipotenciário há muito tempo" do queijo de São Jorge.

Marcelo terminou este primeiro round da sua visita anunciado que, deveria deslocar-se às ilhas de São Miguel e de Santa Maria, no final de Outubro.

Entretanto, a 17 de Junho de 2017, o fogo atinge Portugal e Marcelo põe em causa a sua segunda etapa da visita aos Açores anunciada para finais Outubro, para acompanhar a evolução dos acontecimentos que abalavam os portugueses num período tão difícil e traumático.

Entretanto, algo na vizinha Espanha deve ter feito o presidente da república portuguesa mudar de ideias e, cumprir a segunda etapa da sua visita aos Açores, sendo os dias escolhidos de 25 a 27 Outubro.

À sua chegada a Santa Maria, declama que já estava com saudades da terra, afirmando “que é uma expressão que tem a ver com um primeiro historiador açoriano [Gaspar Frutuoso], uma figura muito importante e a primeira obra escrita sobre a geografia e a história dos Açores", Desconhecerá S.Exa. que o ensino da nossa “História” está banido das nossas escolas?

Estando de novo nos Açores, para visitar as ilhas de Santa Maria e de São Miguel, completando assim o périplo feito em Junho pelas outras sete ilhas do arquipélago. Tudo indicava até pelo programa da viagem que assim seria.

Imprevistamente, o chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas, que se deslocava entre ilhas num avião C-295 da Força Aérea Portuguesa, deslocou-se à Terceira, para assistir a um exercício militar na Base das Lajes, na manhã do segundo dia (primeiro dia previsto para a visita a S. Miguel). Necessário era   reforçar o anúncio de que o dia 10 de Junho em 2018, será comemorado nos Açores (afirmação de que aqui também é Portugal), mostrando a força e o poderio militar que, o mesmo dispõe no arquipélago, onde não permitem a nossa bandeira, igualar-se com a portuguesa nos seus quarteis e nos edifícios dos serviços da república.

Aliás, já noutros textos fiz referência, à exposição mediática que as forças militares e paramilitares têm dado para vincar a sua presença local.

Na Ilha do Arcanjo entre outras iniciativas, destacar a aula aberta na U.A. cujo tema não poderia ser outro que não fosse “O Atlântico" o Mar, o nosso Mar como activo a subtrair ao nosso Povo, para grandeza de um país de mão estendida à comiseração internacional, negociando o nosso Território a nossa posição geoestratégica e como tal, poderosa como geopolítica. Jantares no Palácio de Sant'Ana, com discursos de circunstância, uma reunião do Conselho Regional da Concertação Estratégica, na cidade de Lagoa. Na atenção à economia, o chefe de Estado deu a sua atenção à agricultura e agro-indústria e ao turismo, independentemente da visita à fábrica da Unileite e a uma empresa de queijadas. Encontrou-se com representantes do turismo e com a Associação Agrícola de São Miguel.

Diz o ditado popular que “com papas e bolos se enganam os tolos” Nas suas intervenções embora não excluindo a importância dos Açores, Realçou a importância da extensão da plataforma continental de Portugal esqueceu referir que a mesma em proporção engrandecerá também os Açores dando-nos mais força nas pretensões do Povo açoriano. Só agora diz ter descoberto a fronteira em espaço aéreo com o total de oito nações o que já sabíamos à muito e, cujo espaço aéreo só beneficia Portugal economicamente. Entre abraços e selfies Marcelo promete” puxar ao Açores” para onde? Para Lisboa? Na minha modéstia opinião, dispenso fazer parte do “Portugal apelidado de arquipelágico”.

Os açorianos já estão habituados às advertências e aos recadinhos de animosidade por parte dos mais altos dignatários de Portugal, os seus presidentes da república nas pessoas de Jorge Sampaio “os Açores já têm autonomia quanto basta” e Cavaco Silva com o alerta aos portugueses quanto à pouca vergonha que era os açorianos serem considerados como Povo. Agora, temos Marcelo a não perdeu a ocasião para dizer preto no branco "o que está na Constituição, está bem", que não estão reunidas condições para um acordo de revisão da constituição, que permita o aprofundamento da autonomia bem assim a criação de partidos regionais. A referência de “preto no branco” usado como modo de deixar tudo documentado por escrito, entenda-se, que dito à comunicação social fica escrito e gravado para memória futura. Porque palavras, leva-as o vento e S.Exa. sabe-o bem.

A Lagoa das Sete Cidades, foi o último púlpito para o discurso de Marcelo Rebelo de Sousa depois de um lanche partilhado com a população daquela freguesia, discurso do balanço desta segunda metade da sua deslocação aos Açores com sorrisos, e trejeitos de olhares ao presidente dos Açores Vasco Cordeiro.

Marcelo afirma que “actuará” para ajudar os açorianos.

Mas… há sempre um, mas. E é por este o, “mas” que pergunto: - “será que estamos todos cegos”

Sua excelência o presidente da república portuguesa visita os Açores na qualidade de (dizem todos os que pela condição passam) mas, ignora na mesma visita, tudo que diz respeito no arquipélago e que na Constituição que tanto defendem, está patente nos serviços do estado com excepção às estruturas militares cujo comando está entregue a “continentais”. Ignorou totalmente as estruturas da PSP, quer no que diz respeito às suas instalações, meios de locomoção ultimamente acudidas pelo governo da dita Região Autónoma, e, ao défice de efectivos. Ignorou os estabelecimentos prisionais nomeadamente a cadeia de Ponta Delgada que tem sido autentica bola de ping pong em cujo processo a ministra da justiça tem sido hábil jogadora. Os tribunais onde se hasteia a bandeira portuguesa que luta com falta de magistrados e funcionários, ficaram em agenda. O serviço de alfandega idem, idem. A saúde e a divida do governo central, à (reforço o termo) “Região” é para ignorar. A solução que se começa a eternizar para a descontaminação dos solos e aquíferos da Base das Lajes e arredores com o desnorte de dois ministros o dos Negócios Estrangeiros e o do Ambiente. A RTP – Açores, que em assalto administrativo ficou ao serviço da RTP3, esquecendo Lisboa que a Televisão Açoriana desde o principio de sua existência demonstrou ser um órgão social sentida pelos açorianos como, “a nossa janela para o mundo” suportada na competência profissional de uma equipa de trabalhadores açorianos a quem desejo a mais rápida independência e liberdade do poder centralista português.

Será que têm os açorianos, perante um quadro de eminente descontrolo da acção politica no país de, continuar à espera de melhores condições do seu progenitor, (Portugal) para afirmar a sua maioridade e consequentemente a sua emancipação?

Por favor, digam-me “será que estamos todos cegos, surdos e mudos?”

José Ventura

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 511 de 22 de dezembro de 2017