Jornal da Praia

PUB

O INÍCIO DO POVOAMENTO DA ILHA TERCEIRA (DE JESUS CRISTO)

Domingo, 31 de Dezembro de 2017 em Opinião 4249 visualizações Partilhar

O INÍCIO DO POVOAMENTO DA ILHA TERCEIRA (DE JESUS CRISTO)

Há exatos 567 anos, a 1 de janeiro de 1451, segundo Gervásio Lima, começava o povoamento da Ilha Terceira.

A 2 de março de 1450, o Infante D. Henrique doava a capitania da Terceira (na época Ilha de Jesus Cristo) ao flamengo Jácome de Bruges, que se tornou assim no 1º Capitão-Donatário da Ilha. Cerca de 10 meses depois da doação, o Capitão Jácome de Bruges chegava à Terceira com dois navios, transportando vacas, porcos, ovelhas e cabras, que depois lançou nas terras recém-povoadas. Era o início do povoamento da Terceira.

Existem várias teorias sobre por onde Jácome terá desembarcado, para uns nas Quatro Ribeiras, para outros no Porto Judeu, mas o que se pode concluir das fontes foi que Jácome e os seus homens exploraram as Quatro Ribeiras, depois um punhado deles desembarcou aí, Jácome e os restantes seguiram viagem, vendo as possibilidades do porto e terreno da Praia e da Baía das Mós, e finalmente entrado na Ilha pelo Porto Judeu. Houve assim 2 sítios de desembarque.

Jácome de Bruges voltou ao Continente para aí procurar famílias para o povoamento da sua capitania. Vieram sobretudo gentes de Guimarães, de Aveiro, de Lagos, do concelho de Vieira e do Porto. Acompanharam ainda o Capitão Bruges alguns frades franciscanos, como Frei João da Ribeira, trabalhadores e artífices, que, acampando no Vale do Paul ou Planície dos 5 picos (São Sebastião), chamaram a este sítio Sant’Ana da Porta Alegre ou do Porto Alegre, onde edificaram os primeiros abrigos e erigiram o 1º templo (1454) com a imagem de Sant’Ana que os acompanhara ao longo da viagem.

O povoamento ter-se-á alargado para outro local mais junto da costa, com mais abundância de água e de terreno fértil onde se começou a cultivar o pastel. Chamaram-lhe Ribeira de Frei João ou Lugar de Frei João, em homenagem ao Frei que desembarcou na Ilha, e aqui surgiu a Igreja de São Sebastião a partir de 1455.

Os primeiros povoadores começaram os trabalhos agrícolas, preparando-se para a cultura dos cereais e do pastel, o qual desde foi logo semeado, o melhor que pudesse ser, para mandar a Flandres. Nesta altura a Duquesa de Borgonha, que tinha a Flandres como capital, era portuguesa, D. Isabel de Portugal, irmão do Infante D. Henrique. D. Isabel casou-se com Filipe, O Bom, Duque da Borgonha e Conde da Flandres, com quem foi feliz. Já em Flandres, quando soube que se preparava a colonização dos Açores, D. Isabel insistiu com os irmãos para que aceitassem colonos flamengos. Tratou diretamente da escolha de colonos. Tornou-se assim responsável pelo povoamento das ilhas. Jácome de Bruges foi escolhido por ela e o pastel era algo que eles compravam e precisavam e assim começou a produzir-se este tipo de planta tintureira para exportar. Era preciso fazer o dinheiro entrar na Ilha.

Bruges foi responsável pela criação, no atual lugar do Canto da Câmara, no Porto Martins, da 1ª Câmara da Ilha. Estes primeiros tempos foram marcados pela distribuição de terras e da exploração destas, que na região da Praia, eram mais produtivas. Em presença de tão prósperos resultados da cultura das terras, do clima, das providências governativas que permitiam a ocupação de terras e os crescentes lucros do comércio, começaram a concorrer povoadores de diferentes partes.

Entre 1456 e 1474, o lugar da Praia era a sede da capitania da Terceira. Bruges tomou para si a planície do paul, bem como dos terrenos junto à Serra, a que chamou de São Tiago e dividiu alguns com seu loco-tenente, Diogo de Teive (situação que depois levaria a uma “guerra” entre os herdeiros de Jácome e de Teive pela posse das terra). Foi o responsável, entre outras obras, pela construção da Igreja de Santa Cruz, a Matriz da Praia.

Álvaro Martins Homem, o 2º capitão donatário da Ilha, depois de ter fundado a Vila de Angra deu início a várias construções e obras, impulsionando o seu desenvolvimento. Devido a constantes desavenças internas, a Ilha foi dividida, em 1474, em duas capitanias, a de Angra, entregue a João Vaz Corte Real, e a da Praia, ao anterior Capitão-Donatário da Ilha, Álvaro Martins Homem. Este perdeu as benfeitorias de Angra (casa, moinhos e terras), mas recebeu, por esse dano, uma indemnização do novo Capitão de Angra e, com isso, apostou no desenvolvimento da Praia, que acabou elevada a Vila em 1480. Angra fora elevada a Vila, 2 anos antes, em 1478.

João Coelho, outro companheiro de Bruges, tomou a sua casa no Porto Judeu, desde o Vale até ao varadouro dos barcos, avançando acima das Ladeiras, e foi este o 1º terreno que nesta ilha tomou, e o único que passou aos seus descendentes. E neste sítio se aposentou com grosso tráfico de lavoura até que, sendo dividida a ilha em duas capitanias, por desgostos que teve com João Vaz Corte-Real, o 1º capitão de Angra, se viu obrigado a ausentar-se, deixando a terra aos filhos.

Foi na Terceira, em Angra, que se estabeleceu a primeira cidade dos Açores e a sede da Diocese açoriana, com a criação do Bispado de Angra e Ilha dos Açores, em 1534.

Ao olhar para os primeiros anos do povoamento terceirense, percebemos que o trabalho feito pelos nossos egrégios avós não foi fácil, mas a força e a garra com que se empenharam em povoar, arrotear e construir, foi algo trabalhoso e necessário. Hoje devemos inspirar-nos nesta convicção de fazer mais e melhor para que a nossa Praia da Vitória, a nossa Angra do Heroísmo, a nossa Terceira, consigam ultrapassar a crise e desenvolver-se em prol dos seus cidadãos, para o bem de todos nós.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Artigo publicado na edição impressa n.º 511 de 22 de dezembro de 2017.