Jornal da Praia

PUB

NOTAS SOBRE O RAMO GRANDE

Quinta, 28 de Dezembro de 2017 em Opinião 306 visualizações Partilhar

NOTAS SOBRE O RAMO GRANDE

A região do Ramo Grande é considerada, de acordo com Avelino de Freitas de Meneses, “porventura a faixa plana mais extensa e fértil de todo o arquipélago dos Açores”. Esta zona, de grande pujança no que à área agrícola diz respeito, era reconhecida pela tradicional expressão de “celeiro da ilha”, até ao momento em que houve a construção da base militar. Com a construção do aeroporto, toda essa zona sofreu uma mutação severa, no que concerne aos recursos disponíveis e à população local.

Importa, no entanto, dar duas notas de particular relevância. Depois de ter definido o que hoje é visto como o Ramo Grande, importa prosseguir para compreensão desta expressão e o facto de esta ter dado nome a uma espécie de arquitetura.

A primeira nota vai para o conceito. Tal como diz José Manuel Fernandes, no artigo “Da Praia às Lajes – Reflexão sobre as estruturas urbanas do concelho”, Ramo Grande é uma “palavra misteriosa mas que todos os habitantes locais se identificam, dando para a sua origem as mais diversas explicações”. A variedade de teorias para a existência do nome dado a esta sub-região é imensa. Mais à frente, este autor, recorre ao professor Pereira da Costa, que deu uma explicação para origem do nome, em 1999. Cito a explicação: “na tradição medieval, nas feiras agrícolas, quando se arrematavam os géneros “verdes”, punha-se um ramo na mesa aquando da licitação; talvez o “Ramo Grande” seja um indicador do poder da referida classe agrícola local, expressa nessa prática realizada nos mercados rurais.” Já me deram várias explicações, e reitero uma, sem base científica, mas com tradição na via oral: Ramo Grande seria o oposto do Raminho dos Folhadais, pela pequenez e exiguidade do território do Raminho face à área ampla e extensa do Ramo Grande.

A segunda nota, sobre a “Arquitetura do Ramo Grande”, prende-se, precisamente, com a dúvida acerca do momento em que se pode falar nas casas do Ramo Grande. De salientar que Vitorino Nemésio deu um contributo essencial para a divulgação deste tipo de arquitetura, que ele define como “um tipo de habitat rural tão nobremente urbano”, que correspondem não só as “casas mais afazendadas” mas também às dos lavradores de meias posses”. No artigo “A arquitetura do Ramo Grande”, João Vieira Caldas discute as correntes interpretativas acerca de quando é que podemos falar da arquitetura do Ramo Grande. Tradicionalmente, como aponta o autor, entende-se que esta arquitetura corresponde às “casas resultantes da reconstrução que se seguiu ao sismo de 1841”. A intenção de José Silvestre Ribeiro, administrador-geral do distrito de Angra do Heroísmo, seria, como indicou, após a catástrofe, “que tanto os edifícios que de todo fossem reedificados, como os que apenas demandassem concertos e reparos viessem a ficar muito mais solidos, elegantes, commodos e perfeitos do que erão antes de tal fatal desastre”. Conforme esta afirmação, será que é Silvestre Ribeiro o principal impulsionador da arquitetura do Ramo Grande?

Se é certo que no pós-1841, as casas sofreram melhoramentos e foram reconstruídas, não há nada que associe a reconstrução levada a cabo com a arquitetura característica do Ramo Grande. Reforço a ideia de que essa reconstrução pode não ter nada a ver com a construção de casas típicas do Ramo Grande por uma razão em particular: “segundo os relatórios finais das “Commissões de soccorros”, a reconstrução nas freguesias rurais estava praticamente terminada no final de 1842, enquanto a construção das casas representativas da arquitetura do Ramo Grande, em grande parte datadas, estende-se por um período que vai de 1866 ao início do século XX, com especial intensidade nos anos setenta e oitenta do século XIX.” (Caldas, pág. 44). Assim, e olhando para o período nos seus limites, da reconstrução pós-sismo (1842) à datação das primeiras casas do Ramo Grande (1866), vão 24 anos.

Faz mais sentido, a meu ver, a teoria explicativa de Reis Leite que considera que a arquitetura do Ramo Grande deve estar ligada “às transformações sociais e económicas que se seguiram ao fim dos morgadios, pela lei de 1864, e a consolidação de uma classe de lavradores proprietários que construíram nas suas terras residências familiares de apoio a uma exploração reorganizada das ricas planícies cerealíferas, agora transformadas em unidades familiares de produção de propriedade plena.” (Leite, pág. 30). Assim sendo, a habitação edificada seria uma demonstração de “afirmação social”.

Apesar de tudo, Avelino de Freitas de Meneses, no seu livro “As Lajes da ilha Terceira – aspetos da sua História”, diz nas páginas 130 e 131, que em virtude da Queda da Praia em 1841, o terramoto suscitou o “aparecimento de um parque habitacional renovado, de onde sobressai um conjunto de moradias com solidez e asseio, fruto das exigências técnicas do promotor da reconstrução, o administrador José Silvestre Ribeiro (…) Este núcleo patrimonial, que acresce e até se aperfeiçoa na sucessão do tempo, constitui atualmente a denominada arquitetura do Ramo Grande (…)”. Este historiador perceciona que há uma continuação ou ligação entre o que se passou em 1841 e as casas do Ramo Grande, como se fosse uma evolução, e não fenómenos separados.

Emanuel Areias

Bibliografia:
José Guilherme Reis Leite, “Breve esboço sobre a História da Praia”, in “Praia da Vitória Terceira – Inventário do Património Imóvel dos Açores”;
José Manuel Fernandes, “Da Praia às Lajes – reflexão sobre as estruturas urbanas do concelho”, in “Praia da Vitória Terceira – Inventário do Património Imóvel dos Açores”;
João Vieira Caldas, “A arquitetura do Ramo Grande”, in “Praia da Vitória Terceira – Inventário do Património Imóvel dos Açores”;
Avelino de Freitas de Meneses, “As Lajes da ilha Terceira – aspetos da sua História”, Angra do Heroísmo, 2001.

NE: Texto publicado na edição n.º 510 de 08 de dezembro de 2017