Jornal da Praia

PUB

SIDÓNIO PAIS – PRESIDENTE-REI

Quinta, 14 de Dezembro de 2017 em Opinião 1162 visualizações Partilhar

SIDÓNIO PAIS – PRESIDENTE-REI

Há exatos 99 anos, a 14 de dezembro de 1918, Sidónio Pais, o nosso "Presidente-Rei" da I República, era assassinado a tiro na Estação do Rossio, em Lisboa, por José Júlio da Costa, um militante republicano. Foi um dos mais importantes Presidentes da República de Portugal da I República. Líder carismático, em apenas um ano de presidência, protagonizou o primeiro momento de ditadura no republicanismo português e marcou de forma indelével o século XX.

Sidónio Pais nasceu a 1 de maio de 1872, em Caminha. Frequentou o Liceu de Viana do Castelo e depois Coimbra, onde fez o preparatório de Matemática e Filosofia. Optando por uma vida militar, entrou em 1888 para a Escola do Exército, onde frequentou o curso da arma de Artilharia. Em 1892 foi promovido a alferes e em 1895 a tenente. Entretanto casou-se com Maria dos Prazeres Martins Bessa, em Amarante, com quem teve cinco filhos.

Em 1898, Sidónio Pais doutorou-se em Matemática pela Universidade de Coimbra. Foi neste período que entrou em contato com os ideais republicanos, aderindo à causa. Em 1906, foi elevado a Capitão e, em 1916, já em pleno regime republicano, a major. Considerado um distinto matemático, permaneceu em Coimbra, onde foi nomeado professor da cadeira de Cálculo Diferencial e Integral da Universidade, chegando a professor catedrático e vice-reitor a 23 de outubro de 1910, sendo reitor Manuel de Arriaga (açoriano, nascido na Horta), o primeiro Presidente da República de Portugal. Sidónio Pais entrou, então, na vida política ativa, ao eleger-se como deputado à Assembleia Nacional Constituinte.

Em 1911, Sidónio Pais foi nomeado Ministro do Fomento, representando o Governo nas manifestações que assinalaram o primeiro aniversário da implantação da República, na cidade do Porto. Passou depois para a pasta das Finanças e, em agosto de 1912, partiu para Berlim, onde assumiu o cargo de Embaixador. Permaneceu na cidade alemã durante o período crítico que levou à deflagração da Grande Guerra. Quando regressou a Portugal, após a declaração de guerra à Alemanha, foi um dos mais entusiastas defensores do não envolvimento português na Guerra. Rapidamente se afirmou como o principal líder da contestação ao Governo e à participação na Guerra.

Sidónio Pais tornou-se Presidente da Junta Militar Revolucionária, a qual desencadeou uma insurreição que, em dezembro de 1917, terminou com a chegada ao poder de Sidónio, primeiro como Presidente do Ministério, e depois acumulando as funções de Presidente da República. Nos meses seguintes, tornou-se um ditador com plenos poderes, promulgando um conjunto de decretos ditatoriais, sobre os quais nem consulta o Congresso da República, suspendendo partes importantes da Constituição de 1911, dando ao regime um cunho marcadamente presidencialista. Tornou-se, então, o Presidente-Rei da República Nova. Os novos decretos exerciam o papel de lei e de constituição, levando a que muitos falem da Constituição de 1918, mas que nunca existiu de facto.

Os primeiros tempos do Governo sidonista tiveram o apoio da população. Houve uma aproximação entre o novo governo e a Igreja, que permitiu uma certa acalmia social. Portugal manteve-se na Grande Guerra, contudo a grande derrota do Corpo Expedicionário Português (CEP), em 9 de abril de 1918, em La Lys, marcou o fim da estabilidade governativa. Com o fim da Guerra, a ineficácia de Portugal em trazer o que restava do CEP e em fazer-se ouvir no pós-guerra, pois embora derrotado em França, Portugal pertencia aos aliados vencedores da Guerra.

No final de 1918, a contestação era forte e dinâmica, apesar da ditadura, Portugal mantinha-se sublevado. As greves e as conspirações sucediam-se, Sidónio era contestado e posto em causa. Embora tenha exercido uma repressão profunda, não conseguiu desfazer o movimento de contestação nacional. A 5 de dezembro, Sidónio Pais foi alvo de uma tentativa de atentado, saindo ileso, mas a 14 de dezembro, na Estação do Rossio, em Lisboa, era assassinado a tiro por José Júlio da Costa, um militante republicano. Em apenas um ano de governação, Sidónio Pais marcou profundamente o país, criando uma República Nova e influenciando os seus contemporâneos, como Salazar, com uma política forte e ditatorial. Muitas vezes esquecido, foi, sem dúvida, um dos políticos mais importantes de Portugal.

É o momento de recolher forças e unir os terceirenses no objetivo de ajudar a nossa terra a crescer e a evoluir. Precisamos de mais pontes de ligação entre os governantes e a população para que se encontre soluções que beneficiam a Terceira. É necessário que se escute os problemas do povo, pois só assim se pode compreender os problemas da Ilha e mostrar que todos juntos podemos fazer a diferença. Por uma Terceira melhor, mais forte e unida.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 510 de 08 de dezembro de 2017