Jornal da Praia

PUB

OS PARADOXOS DA BASE DAS LAJES

Quinta, 07 de Dezembro de 2017 em Opinião 188 visualizações Partilhar

OS PARADOXOS DA BASE DAS LAJES

Não sabemos quantas vezes abordámos esta questão, mas foram várias e, nalguns momentos, com sérios riscos, ameaças e convites adocicados à mistura. Enquanto isto acontecia, muitos outros subservientemente acatavam, sem pestanejar, os atropelos cometidos na Base das Lajes em troca de um prato de lentilhas e compras no B.X. Os políticos e jornalistas regionais e nacionais deleitavam-se em ditirâmbicas declarações geoestratégicas, cujos benefícios para os Açores, e sobretudo para a Terceira, foram meros «fumos da Índia». Palavras, apenas palavras.

Durante cerca de sete décadas de presença norte-americana, incluindo as quatro do regime autonómico, perderam-se várias oportunidades de se tirar partido da grande importância daquela infraestrutura militar. Em vez de vendermos os nossos produtos aos americanos, foram eles que ganharam em muitas transacções comerciais, vendendo os seus. A nível de intercâmbios culturais, científicos e militares, o saldo é igualmente negativo para nós. Quanto ao apoio técnico, a situação chegou a ser vergonhosa e humilhante (para sucata já chegava a que cá tínhamos).

Três casos emblemáticos de incúria eram a existência do bairro da lata de Santa Rita, o estado de deterioração de alguns reservatórios de combustív el e a caricata construção de um porto dito, pomposamente, de oceânico, que continuou, durante anos, sem um simples rebocador, apesar das muitas críticas, sem uma grua ou guindaste para movimentar os contentores. Tudo isto, sem esquecer a vergonhosa situação dos proprietários-pedintes dos terrenos da Base, alimentou/ alimenta uma série de paradoxos difíceis de aceitar e compreender. Hoje mais ainda.

Mas para nós, o maior de todos eles foi a não dotação de compensações ao concelho da Praia da Vitória, pela erosão, poluição e utilização das estradas por parte das viaturas norte-americanas, sem pagamento de qualquer taxa ou imposto. Essa reivindicação do  concelho praiense com vista a receber uma dotação especial, cujo montante era insuficiente, mesmo assim, não foi acarinhada nem apoiada, como devia ser. E a prova disso vimo-la durante a Presidência Aberta, quando o Dr. Jorge Sampaio discordou, de forma infeliz, das pretensões do então Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória. Paradoxalmente, tal dotação fora defendida pelos socialistas, vários anos antes. Mais um paradoxo.

É óbvio que tal pretensão nos parece justa, pois são os Praiense quem mais sofre os efeitos do trânsito de pesadas e ruidosas aeronaves, que fazem estremecer as casas e os corações, de dia e de noite. Também foi/ é o concelho praiense o que mais tem sofrido/sofre com a ainda não totalmente debelada praga do escaravelho japonês, trazido pelos pássaros de aço, e que tantas devastações provocou em pomares e outras propriedades agrícolas da nossa ilha e de outras, mais tarde.

Considerar a Base das Lajes, apenas na pespectiva da criação de postos de trabalho (em declínio constante), foi a prova máxima da falta de visão política, económica e social dos nossos «iluminados» dirigentes. E agora o que fazer?

No sentido de dar resposta a esta preocupação, a Base das Lajes foi, já há dezassete anos, objecto de dois relevantes debates em 2000 que, em nossa opinião, só pecaram por serem tardios. O primeiro realizou-se, no dia  4 de dezembro  de 1999, no auditório do R.C.A., subordinado ao tema : «Base das Lajes, Soberania Nacional e a Nova Ordem Internacional», com a presença de Francisco Louçã, deputado da Assembleia da República e Zuraida Soares, porta-voz do Bloco de Esquerda. Tivemos um prazer especial por vermos que os dois textos entregues aos participantes haviam sido extraídos do jornal «Directo» (25.04.85), então dirigido pelo autor desta crónica, mostrando-se assim que aquilo, que se publicara antes do final do milénio, continuava/ continua actual e pertinente.

Voltado sobretudo para o futuro, alicerçado na paz e não na guerra, o debate enfatizou a necessidade de serem recuperadas as instalações existentes para fins habitacionais, turísticos e universitários, denunciando o enorme paradoxo entre a importância geoestratégica da Base, defendida pelo Estado Português e a aceitação de insignificantes contrapartidas pela sua utilização.

O segundo debate teve lugar no dia 5 de Janeiro do ano seguinte (2000), sob a epígrafe «A Base Indispensável? As Lajes e a Pax Americana», título da bela comunicação de Miguel Monjardino, na qual dissertou, com grande à-vontade e superior argumentação, sobre as teias e os princípios que enformam o geoestratégia mundial. Um trabalho revelador de muita lucidez e espírito crítico, que contribuirá para uma visão realista e sem preconceitos nem interesses politiqueiros. A Base das Lajes perdeu importância com o fim da guerra fria e a queda do muro de Berlim.

As novas tecnologias de ponta transformaram a arte militar e os interesses da primeira superpotência, que já não se centravam na Europa, mas no Médio e ExtremoOriente. Com este bem fundamentado trabalho, caem por terra muitos chavões e lugares comuns sobre a Base das Lajes. Por muito que nos fira, o seu valor estratégico não corresponde à ingénua e algo infantil retórica dos nossos políticos, que para obterem proventos eleitorais a sobrevalorizam em excesso, mas esquecendo-se dos seus réditos para o desenvolvimento dos Açores, mormente da ilha onde foi construída.

Dois alertas fundamentais que nos fazem despertar e reflectir sobre o futuro económico-social da segunda ilha mais populosa do arquipélago.

Nota:
Texto baseado na «Varanda dos Açores» nº 95 deste quinzenário, publicada a 28.01.2000

António Neves Leal

NE: Artigo publicado na edição impressa n.º 509 de 24 de novembro.