Jornal da Praia

PUB

VEREADORES DO PSD VOTARAM CONTRA O ORÇAMENTO DA CMPV PARA 2018

Quarta, 06 de Dezembro de 2017 em No Concelho 47 visualizações Partilhar

VEREADORES DO PSD VOTARAM CONTRA O ORÇAMENTO DA CMPV PARA 2018

Os vereadores eleitos pelo PSD na Praia da Vitória votaram, em reunião camarária na passada segunda-feira, contra o Orçamento e as Grandes Opções do Plano do Município para o ano de 2018, alegando ter “uma visão completamente diferente para o Concelho”.

Para a vereadora Cláudia Martins, a posição do PSD “não significa que não reconheçamos a importância de alguns projetos inscritos no documento, como o caso do parque empresarial das Lajes ou a incubadora de empresas. Significa, sim, que esperávamos mais para o inicio de um mandato que apela à confiança no futuro”.

“Este orçamento, não só vem pagar investimentos do passado como, no nosso entender, não traz a inovação que se esperava de um novo executivo camarário que, durante a campanha eleitoral, apregoou a entrada num novo ciclo”, acrescentou.

A social-democrata fez referência aos 3,6 milhões de euros que o orçamento atribui à Associação Salão Teatro Praiense, como um dos motivos da tomada de decisão do PSD: “Nós não podemos votar a favor de um documento que contempla verbas exorbitantes para uma associação cuja atividade foge completamente ao escrutínio público a que está submetida uma Câmara Municipal, ao mesmo tempo que rejeita as nossas propostas que tinham como objetivo aliviar as famílias e as empresas, promover a competitividade e atratividade do Concelho, conceder uma maior autonomia às freguesias e incentivar uma maior participação cívica” defendeu.

O PSD viu rejeitadas as suas propostas para a diminuição da participação variável para 2,5% no IRS relativamente aos rendimentos de 2017; a eliminação da taxa de derrama; o não aumento do tarifário da Praia Ambiente; o reforço do apoio financeiro às Juntas de freguesia do Concelho; a construção de infraestruturas e requalificação da zona balnear do Lugar “Fonte das Pombas” e “Lagadouros” (Biscoitos); bem como a criação do orçamento participativo municipal.

“As nossas propostas não significam nada (cerca de 600 mil euros) para um município que coloca 23% do seu orçamento no desconhecido, e que se dá ao luxo de não fazer nada para que sejam reforçadas as transferências do Fundo Social Municipal pela República”, conclui a vereadora Cláudia Martins.

GIPSDA/JP