Jornal da Praia

PUB

NOTAS SOBRE O CULTO DO ESPÍRITO SANTO

Quarta, 06 de Dezembro de 2017 em Opinião 142 visualizações Partilhar

NOTAS SOBRE O CULTO DO ESPÍRITO SANTO

Depois de ler algumas notas etnográficas sobre o Culto do Divino Espírito Santo nas nossas ilhas, consegui inferir algumas conclusões tidas como interessantes e que não são, a meu ver, do conhecimento público.

O culto do Espírito Santo é em grande parte uma necessidade humana para fazer face aos seus medos e como forma de evitar sua vil vingança. São muitos os exemplos de histórias que ouvimos acerca dos milagres do Espírito Santo ou histórias inquietantes de quem não cumpriu os desígnios a que estavam sujeitos, em honra do Espírito Santo. Para demonstrar essa situação, podemos colocar numa balança e verificar que por um lado, seja acaso ou não, existem situações “milagrosas” que são ligadas de imediato ao Espírito Santo, mas por outro, podem ser situações que aconteceram naturalmente, sem que tenha de existir uma apologia divina. Diz-se “nem crer nem deixar de crer” como expressão de temor face à realidade que não tem explicação aparente.

As histórias que são difundidas, sejam milagres extraordinariamente inexplicáveis, sejam episódios com resultados negativos para quem usou o Espírito Santo como objeto de escárnio ou desvalorização, são isso mesmo, histórias míticas. Poderão existir outras, e que não ficaram para lembrança futura, de quem fez escárnio do Espírito Santo e nada lhe aconteceu, ou então quem, por muito que apelasse ao divino, nunca teve a honra de um milagre.

Mas o que não se consegue explicar, deve merecer o nosso respeito. Nem que seja por medo. A verdade é que o culto à 3ª pessoa da Santíssima Trindade manteve-se até aos nossos dias, apesar de todos os confrontos históricos a que se viu sujeito. Mantém-se pelo sentimento de solidariedade entre as pessoas e pela caridade, mas também pelo respeito. No passado explica-se facilmente este culto nos Açores: eram ilhas isoladas, sem conhecimento científico avançado, cuja explicação para tudo estava no sobrenatural. Em momentos de dúvida, de incerteza e de calamidade natural, todos agarravam-se ao Espírito Santo, como forma de tratarem dos males da natureza. Luís da Silva Ribeiro diz até que “não temos notícia de erupção ou abalo sísmico em que se não fale de votos e preces ao Espírito Santo”. Por coincidência ou não, muitas vezes funcionava. Esse apelo tinha resultados práticos. Vejam-se alguns exemplos, tirados do livro “Notas Etnográficas” de Frederico Lopes (João Ilhéu):

“As famosas festas do «Império de S. Carlos» (…) tiveram sua origem na terrível erupção de 1761, quando, no sítio ainda conhecido por “Entre o Pico e a serra”, rebentou um vulcão cujos fumos densíssimos, descendo da cumiada da Serra de Santa Bárbara, vieram até ao local onde foi depois edificado o império. Diz a tradição que ali ergueram os Terceirenses um estrado de madeira sobre o qual foi colocada uma coroa do Espírito Santo. Reuniu-se à volta muito povo para implorar a proteção divina não tendo o denso fumo ultrapassado aquele sítio, apesar de ter durado 3 semanas, o que foi tomado por milagre (…).” (pág. 216 e 217)

ou

“Quando da epidemia que, em 1673, grassou com extraordinária intensidade na vizinha ilha de S. Miguel, os nobres da cidade resolveram instituir um Império na Misericórdia de Ponta Delgada, para que fosse invocada a proteção do Espírito Santo na debelação daquela peste que tão grande número de vítimas estava causando. Pois quando saiu a Folia, de bandeira e tambor, no primeiro sábado depois da Páscoa, entoando, os tradicionais cânticos ao Divino, a epidemia cessou por completo, não se tendo verificado mais vítimas.” (pág. 243 e 244)

Outra das conclusões interessantes é que o Culto do Divino Espírito Santo nunca foi muito bem visto, tanto pelo poder civil como pelo poder religioso. E chegou mesmo a sofrer forte repressão, em determinados momentos históricos, com o intuito de conter alguns excessos que eram levados a cabo pelos fiéis.

No livro Freguesias da Praia, 2º volume, diz-se:

“O povo, por si, exagerava, por excesso dispendiosos, resultando a ruína económica, para muitas famílias, sem que o governo fosse capaz de intervir. Viu-se El-Rei, por isso, forçado a pôr cobro a estes bodos nas ilhas em 1597. (…) As proibições não manaram apenas dos Bispos e outras entidades eclesiásticas. El-Rei D. Filipe, de Espanha, quando também de Portugal, ordenou que se acabasse com todos os festejos do Espírito Santo.”

No livro “Notas Etnográficas” já referido, são vários os exemplos dados desta repressão que o culto ao Espírito Santo é alvo direto. Por exemplo:

“As Constituições Diocesanas, promulgadas pelo Bispo D. Fr. Jorge de Santiago em 1559, proibiram o costume de os Imperadores, no dia da sua coroação, «pregarem» no púlpito ou em qualquer lugar saliente da igreja”. Ou “(…) D. Frei Estevão de Jesus Maria, na Pastoral de 10 de Fevereiro de 1843, dada na cidade de Ponta Delgada, diz que «muitos devotos do E.S. põe a par das virtudes cristãs a embriaguez, a lascivia, o ódio, a vingança, os desacatos feitos ao Divino na coroa e pombinha que o representam…», ordenando também que as coroações não passassem do Domingo da Trindade e que fossem proibidos os bailes nas casas em que estivessem a coroa do E.S.”

Neste mesmo livro, e sobre a temática da repressão do culto, diz-se até a “resistência oferecida tem sido tão forte que chegou, nalgumas freguesias, a incompatibilizar o pároco com muitos dos seus paroquianos, provocando cenas de verdadeiro desacato e chegando o povo a fazer a coroação nos Impérios, sem assistência do padre, o que tendia a criar «o divórcio completo entre o Império e a Igreja» ”.

Outra conclusão digna de relevância, mas esta é meramente pessoal e especulativa – o culto ao Espírito Santo pode ser visto como parte concorrencial da Igreja e do poder civil. Mas sobretudo da Igreja, que assim, também tendia a rejeitar ou confrontar o culto. A meu ver, no entanto, este culto é de salutar, no que concerne à fé, porque aqui há uma ligação direta entre o crente e a sua crença, e não um interminável conjunto de intermediários (hierarquia religiosa, escrituras, imagens), de que a Igreja é adepta.

Emanuel Areias

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 509 de 24 de novembro de 2017.