Jornal da Praia

PUB

SESSÃO EVOCATIVA DA CLASSIFICAÇÃO DE ANGRA COMO PATRIMÓNIO MUNDIAL

Segunda, 04 de Dezembro de 2017 em Opinião 123 visualizações Partilhar

SESSÃO EVOCATIVA DA CLASSIFICAÇÃO DE ANGRA COMO PATRIMÓNIO MUNDIAL

No dia 7 de Dezembro, pelas 20h, haverá uma sessão evocativa do 34º aniversário da classificação do Centro Histórico de Angra do Heroísmo como Património Mundial, a decorrer no Salão Nobre dos Paços de Concelho da Câmara Municipal. Fui convidado a participar na comemoração, na qual irei fazer uma exposição acerca de Angra do Heroísmo, em duas perspetivas: a afetiva e a histórica.

É com imenso entusiasmo que participo em tão nobre sessão, elogiando grandemente a decisão da autarquia em dar voz aos mais jovens. O caminho faz-se através da valorização intergeracional, e este é um exemplo concreto do bom caminho trilhado pela Câmara Municipal de Angra do Heroísmo.

À minha exposição dei o nome de “Cidade do Mundo – Angra afetiva, Angra histórica”. Procurarei evidenciar, primeiramente, o valor da ilha como um todo, numa perspetiva integrada, uma vez que a história da ilha mistura-se com a história das suas cidades. Posteriormente, recorrendo às descrições e emoções de alguns autores, e aos meus próprios sentimentos, farei uma abordagem de Angra afetiva. Quanto à Angra histórica, embora haja muito a dizer, penso que a bravura e fidelidade da nossa terra, seja o retrato que melhor constata a sua grandeza.

Para mim, Angra é o rosto de um passado triunfante, de crer, de garra e força diante das mais hediondas circunstâncias que a afetaram. Angra perfila-se como uma das mais bonitas cidades que os homens conceberam, pelo seu traçado urbano único. Angra figura no mapa mental do império perdido e é em Angra que ganhamos a ilusão de ainda estar no centro do globo. Sentimo-nos dentro de um labirinto de saudade que relembra a grandeza histórica do passado, ao mesmo tempo que embarcamos num rasgo de esperança rumo ao futuro.

Angra é dominante, cativante – domina o mar, domina os caminhos da História, domina os homens, domina a natureza, porque mesmo destruída, regenera-se, melhora-se, recria-se. A Angra de hoje tem um rosto lavado, é limpa e serena, e é herdeira das vitórias que lhe fez cidade do mundo.

Emanuel Areias