Jornal da Praia

PUB

LIDAR COM O STRESS

Segunda, 27 de Novembro de 2017 em Opinião 68 visualizações Partilhar

LIDAR COM O STRESS

A Terceira medida a que podemos recorrer para não nos deixarmos envolver pelas situações de stress consiste em melhorar auto-imagem, aquilo que se projecta para o mundo exterior, seja o que for. Alguém disse que «se é lavrador… sê lavrador, se é professor… sê professor». No entanto, apesar da importância de se ser o que se é, a auto-imagem, a visão que temos de nós próprios, o nosso retrato mental, merece toda a consideração no sentido de a construir e melhorar. Naturalmente que esta construção, embora se inicie na infância depende não só dos conceitos que temos de nós mesmo, mas também de como os outros nos definem. Importa portanto ter esta consciência porque ela configura os nossos relacionamentos connosco, com os outros e com o mundo.

Esclareça-se que algumas pessoas são capazes de investir na construção de uma auto-imagem muito independente, centralizada em si próprio, delimitada em termos pensamentos e sentimentos, e separada do contexto social, enquanto outros investem mais na flexibilidade, interdependência e na valorização das relações sociais e interpessoais. Embora não se ache oportuno apresentar juízos de valor sobre cada uma destas posições, que em cada pessoa e sobre os mais variados temas até se podem agrupar, lembre-se que não há no mundo felicidade sem os outros, e que a felicidade vem habitualmente do nosso encontro com eles.

Não admira pois que um autor, MacIntire (2017), sugira, como primeira medida para melhorar a nossa auto-imagem, e bem assim a autoconfiança e auto-estima, o levantar-se feliz, e com optimismo, a começar o mais cedo na vida, ou pelo menos de vez em quando, logo pela manhã, ouvindo a música preferida, cantando no chuveiro, tomando o pequeno-almoço com alguém que seja animado, lendo uma mensagem de inspiração e tomando medidas que gerem a alegria no trabalho. Mas isto de começar o mais cedo na vida nem sempre é fácil, nomeadamente devido a erros dos nossos pais e de outros agentes de socialização. Lembremo-nos por exemplo daqueles pais que não conseguem, antes agravam possíveis sentimentos de inferioridade manifestados pelos filhos desde a infância, resultado de insuficiências, fragilidades, ou incapacidades reais ou imaginárias.

Embora a visão que temos sobre nós se baseia nas experiências, vivências e estímulos passados, o facto de envolver também expectativas futuras implica a exibição de atitudes, palavras e comportamentos susceptíveis de expandir o sucesso desejado de realização pessoal, através da autoconfiança e auto-estima. Ser auto confiante é estar seguro de si próprio e das suas capacidades, mas sem excesso ou arrogância. Corresponde àquele que é capaz de fazer ou de realizar algo, que se sente com competência pessoal e respeito por si próprio. Já ter auto-estima aplica-se a quem é capaz de fazer uma avaliação subjectiva positiva sobre si mesmo.

Assim, em relação a esta última variável existem quatro pilares para a conseguir aumentar (Potreck-Rose & Jacob, 2006): os dois primeiros apoiam-se na auto-aceitação, e na autoconfiança, que dizem respeito a conseguir uma postura positiva respectivamente em relação a si mesmo, como pessoa, e em relação às próprias capacidades e desempenho. Os dois últimos dizem respeito à competência social, a experiência de ser capaz de lidar com as outras pessoas e com as situações difíceis, com flexibilidade, e de estabelecer uma rede social que inclua o parceiro, a família e os amigos. Representam, respectivamente, a dimensão intrapessoal da auto-estima, e a sua dimensão interpessoal.

Não se podemos fazer como aquele que, por se sentir stressado, foi ao médico transportando na mão uma garrafa de vinho. Entretanto no diálogo, quando o médico lhe disse que não conseguia perceber qual o seu problema de saúde, e que possivelmente devia ser da bebida, respondeu: não faz mal Sr. Dr.... Volto quando o Sr. ficar sóbrio. Enfim, em vez de se esforçar para ultrapassar o vício do álcool, culpou e atribuiu ao médico o seu problema, e fugiu à possível solução.

Aurélio Pamplona

Referências:
MacIntire, M. (2017)
36 Ways to improve your self-image, self-confidence and self-esteem. Salvado em 09 Mai. de Fonte: Liked in. Tema: Costume Service. Website: https://www.linkedin.com/in/macmcintire.
Potreck-Rose, F. & Jacob, G. (2006). Selbstzuwendung, selbstvertrauen, selbstakzeptanz: Psychoterapeutische interventionen zum aufbau von selbstwertgefühl. Stuttgart: Clett-Kota.

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 509 de 24 de novembro de 2017.