Jornal da Praia

PUB

TOLERE

Terça, 14 de Novembro de 2017 em Opinião 44 visualizações Partilhar

TOLERE

Tolerar a frustração, e aceitar as experiências e sentimentos desagradáveis que nos podem invadir corresponde à segunda medida que podemos lançar mão quando ficamos cansados, stressados, aborrecidos, etc. Seja exemplo a enxurrada que invadiu a baixa de Lisboa, devido a uma forte tempestade ocorrida perto do final de 1967, de que a fotografia apresenta uma imagem terrificante duma rua encharcada. O que se pode concluir, nestes e noutros casos que nos podem afectar seriamente, é que “perder a cabeça” não ajuda nada. E por isso se recomenda calma, embora no caso presente, dada a extensão da calamidade envolvida, isso não fôsse fácil, mesmo lançando mão daqueles truques habitualmente recomendados de concentrar a atenção no respirar pelo nariz e serenamente tentar descontrair.

Ao ser-se acometido por estes azares há sempre maneira de “dar a volta por cima”, de tentar, na impossibilidade de reprimir as emoções, e esquecer o momento, aprender a aceitar os desconfortos causados, e a desagradabilidade das frustrações sentidas, em vez de as interpretar como terríveis e insuportáveis. Fundamental também é, por um lado, aumentar a nossa tolerância às situações que estão na sua origem, e por outro, passar a deliberadamente a enfrentá-las, em vez de as evitar (Froggatt & Lakeman, 1998). Ninguém pode pensar que é capaz de se sentir bem toda a vida e em todos os momentos. Daqui a importância de, desde tenra idade, aprender a tolerar os sentimentos desagradáveis.

Como afirmam os mesmos autores, a capacidade de tolerar a frustração e o desconforto é fundamental para a saúde emocional. A elevada tolerância irá fazer com que se deixe de reagir fortemente às coisas de que se não gosta. E ajuda a enfrentar e resolver problemas, ao invés de evitá-los. Também permite ser capaz de tomar riscos e experimentar novas experiências, de que depende frequentemente o progresso. Aliás o crescimento duma tolerância adequada à frustração é uma característica normal do desenvolvimento cognitivo e afectivo.

E para superar o receio dos seus próprios sentimentos, e especificamente o medo de acontecimentos e de circunstâncias específicas como as acima relatadas, os mesmos autores estabelecem os seguintes objectivos: (1) aprender a aceitar o desconforto como algo que pode ser desagradável, agradável ou intolerável; (2) aprender a aceitar-se, independentemente de como os outros o vêem ou tratam; (3) ser capaz de trabalhar nas coisas que receia, e de se confrontar com elas, em vez de evitá-las; e (4) adoptar o princípio da preocupação racional na abordagem da vida e dos seus azares.

Medo e desconforto são uma parte normal da vida. Revelam-se apenas irracionais quando o seu desencadeamento conduz à incapacidade, o que ocorre com maior probabilidade se a pessoa se queixa, e diz para si próprio que é incapaz de suportá-los. Claro que ninguém gosta de incómodos. Mas quem julga que o pode evitar a todo o custo não chega a lado nenhum. Entretanto a capacidade de lidar com a frustração começa na infância, quando o pai e/ou a mãe dos “meninos” são capazes de lhes moldar o comportamento, com boa vontade e carinho. Com boa vontade e carinho, mas sem cair no exagero de se antecipar a todas as suas exigências, e de obedecer escrupulosamente às rebeldias ou comportamentos voluntariosos.

A criança que recebe tudo o quer, no momento que reclama, sem o mínimo de esforço da sua parte, dificilmente vai reagir bem à frustração no futuro. E a mãe que faz todas as vontades à criança, que até se antecipa para a atender imediatamente, antes que ela tente fazer algo por si, possivelmente fá-la desenvolver uma fraca resistência à frustração. Crianças desse tipo provavelmente se tornaram adolescentes voluntariosos, rebeldes e, posteriormente, adultos infantilizados, com problemas de adaptação em diversas áreas (Netto, 2017).

Esta educação diferencia-se pela negativa da daqueles pais que, durante anos, se esforçaram por criar uma filha capaz de motivar e inspirar os outros, e que Hulshoff (2017) retratou dizendo: «aquela garota, que acorda com propósito e intenção, que aparece e nunca desiste, que acredita que tudo é possível e está disposta a trabalhar para isso». Siga o exemplo.

Referências:
Froggatt, W. & Lakeman, R. (1998). Understanding and changing self - defeating beliefs. Salvado em 01 Mai. de Fonte: Self-defeating belief. Tema: Programme; Website: http://www.testandcalc.com/Self_Defeating_Beliefs/indexf2.asp.
Hulshoff M. H. (2017). Salvado em 03 Mai. de Fonte: Publicações. Tema: Be that girl! Website: www.facebook.com/gettingfitwithgrannyhicks/photos/a.65141296 1571580.1073741828.651366841576192/1046150685431137/?type=3&theater.
Netto, M. T. (2017). Salvado em 01 Mai. de Fonte: Artigos de Psicologia. Tema: Frustração. Website: https://artigosdepsicologia.wordpress.com/2008/09/28/frustracao/#more-89.

Aurélio Pamplona

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 508 de 10 de novembro de 2017.