Jornal da Praia

PUB

EFEMÉRIDE: 40 ANOS SOBRE O FALECIMENTO DE JOSÉ BORGES NUNES

Sexta, 10 de Novembro de 2017 em Atualidade 60 visualizações Partilhar

EFEMÉRIDE: 40 ANOS SOBRE O FALECIMENTO DE JOSÉ BORGES NUNES

José Borges Ferreira Nunes, nasceu a 15 de Março de 1934. Filho de Francisco Ferreira Nunes e de D. Teresa de Jesus Borges

Depois de funcionário dos Serviços Municipalizados de Angra e do Montepio Terceirense, tornou-se primeiro gerente da agência do Banco Português do Atlântico nesta cidade, inaugurada a 2 de Maio de 1968. Promovido, mais tarde, a assistente da direção desta unidade de crédito em Lisboa, fixou residência em Cascais com mulher e filhos.

Eleito deputado, pelo Partido Socialista do círculo terceirense, à Assembleia da República, na Legislatura de 1976-80, viria a falecer subitamente em 10 de Novembro de 1977, vitimado pela enfermidade cardíaca que o afligia, quando participava em reunião do grupo parlamentar em que se integrava, numa das sedes daquela organização politica, no Largo do Rato. Logo conduzido ao Hospital de Santa Maria, já ali terá chegado sem vida. No funeral, da igreja de S. João de Brito para o cemitério de Oeiras, incorporaram-se altas figuras da política portuguesa e do Governo. As Bandeiras do seu Partido e da Recreio dos Artistas cobriram o féretro.

Figura popular no meio desportivo e associativo local, Borges Nunes evidenciou-se como relator de jogos de futebol através do Rádio Clube de Angra e praticante de hóquei sobre rodas.

Nutrindo especial dedicação pela Sociedade Filarmónica Recreísta de que foi dirigente, deve-se a proposta sua a condecoração com que o Chefe de Estado agraciou a prestante Coletividade, por ocasião do seu primeiro Centenário.

Como parlamentar, ainda desenvolveu louvável atividade, atendendo pretensões de particulares. Defendeu justos interesses e direitos terceirenses, pendentes nos departamentos centrais, sempre em prol do bem geral.

A sua última estada em Angra data de uma quinzena anterior à sua morte.

Além dos pais e da viúva, D. Maria Ivone Cardoso Pacheco, deixou três filhos: José Duarte, Paulo Jorge e Ana Cristina, o mais velho de catorze anos. Era irmão do capitão Francisco Borges Ferreira Nunes, da Força Aérea.

Cidadão honorário da «Recreio dos Artistas» a título póstumo.

Texto retirado do Livro de Pedro de Merelim - Freguesias da Praia - 1º volume datado de 1982.

Este é o retrato de Pedro de Merelim à data de 1982 com algumas imprecisões irrelevantes como local de residência, Hospital onde faleceu, idade do filho mais velho e mais relevante o nome que é bem e apenas José Borges Nunes, sem Ferreira.

Acrescento eu que além de tudo que no livro descreve poderia acrescentar que foi também dirigente do popular Clube da rua da Sé o Lusitânia no qual foi praticante de Hóquei em Patins e que como Deputado se bateu para que a TAP tivesse mais dias na semana a viajar para a Ilha Terceira e estava a preparar pouco tempo antes da sua morte o pedido de elevação a Cidade da atual Cidade da Praia da Vitória.

Como filho homenageio nesta data 10 Novembro de 2017 e quarenta anos após a sua morte, o Pai de que tivemos o maior orgulho pelo caráter seriedade e postura, vertical, tanto na sua curta vida profissional e na sua curtíssima vida como Deputado em altura que se era por convicção e estou á vontade para o afirmar porque foi sempre o que ouvi de todos os que com ele conviveram a ainda hoje existem muitas pessoas que podem comprovar a sua retidão e as pessoas que ajudou.

O Partido Socialista na Ilha Terceira homenageou-o após a sua morte na Sede local descerrando uma moldura com a sua foto e da qual tive a honra de estar presente e que penso ainda hoje existir.

A única mágoa que fica é nunca ter sido lembrado pelas Entidades Municipais do Concelho onde nasceu como figura pública e de reconhecido valor apesar do pouco tempo que teve de Vida e não considerem os atuais representantes do Município Praiense, isto como uma crítica pois Borges Nunes morreu há 40 anos.

JDBN/JP