Jornal da Praia

PUB

O país continua a arder

Sexta, 10 de Novembro de 2017 em Editorial 32 visualizações Partilhar

O país continua a arder

Portugal Continental continua a arder, e a saída para combater esta tragédia dos fogos florestais tornou-se num nó górdio com todo o sofrimento atroz para as populações que perderam os seus bens e haveres e muitos a própria vida – mais de 100 mortos – em pouco tempo, ficando as populações desoladas pela falta de protecção do Estado Português que infelizmente há várias décadas tem falhado e não tirou consequências de forma a evitar tais catástrofes, nomeadamente a partir dos incêndios Pedrogão Grande que sucederam há quatro meses.

É verdade que o verão de 2017 foi dos mais secos desde que existem registos, tendo os fogos florestais por incúria das entidades governamentais em obter soluções práticas e eficazes, devastando de forma radical a floresta portuguesa e consumindo as chamas vidas e aldeias.

Há varias décadas que os sucessivos governos da republica, não conseguem proteger a “todos e o que é de todos” secundarizando a política sobre as florestas, mas se as políticas sobre o ordenamento florestal tivessem sido levadas a peito de acordo com os modelos utilizados para o combate ao deficit e a ajuda à banca, não tínhamos certamente o país a arder, evitando-se o sofrimento que as vitimas dos incêndios padecem.

Revalorizar a floresta e perceber quais as espécies a preservar, que dão garantias da sua sustentabilidade é um enorme desafio que será prioritário para o Estado combater estas tragédias, abandonando-se a péssima política florestal abraçada pelos sucessivos governos do pós 25 de Abril que culminou nesta ferida grave que ainda permanece aberta e que urge sarar.

Mais prevenção, melhores meios e melhores técnicos qualificados no combate aos incêndios florestais, escolhendo-se as pessoas com mais capacidade para esta luta, num século envolvido em tantas incertezas em que a prioridade não seja dada ao simples lucro, mas à construção de uma sociedade mais humana e mais protegida, terminando-se com a partidocracia tachista utilizada infelizmente pelos partidos do arco da governação, que culminou neste flagelo ígneo que agonizou todo o país, porque a “ignorância é uma fogueira que devora o homem” e porque as populações rurais são frágeis e tantas vezes abandonadas e esquecidas pelo Terreiro do Paço, terá que se inverter todo este negro cenário.

Não pode repetir-se a situação caótica que assolou ultimamente o país, dando-se prioridade à luta para preservar a floresta, as aldeias rurais e suas populações, promovendo-se o seu bem-estar, traduzindo-se em benefícios para o público e criando vantagens para um desenvolvimento sustentável e evolutivo do meio rural que a todos deve envolver.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com