Jornal da Praia

PUB

ESCALDADOS

Quarta, 08 de Novembro de 2017 em Opinião 55 visualizações Partilhar

ESCALDADOS

Por causa do relatório de uma Comissão Técnica Independente sobre a crise do fogo ocorrido em Pedrogão Grande é muito provável que, de agora em diante, ao mínimo sinal de fumo, a autoridade mais próxima - junta de freguesia ou município - emane uma ordem de evacuação imediata, garantindo assim que não poderão ser responsabilizados pelos eventuais danos pessoais e materiais. Isto, por sinal, já ocorreu na sequência da queda da árvore no Funchal: em todos os municípios foi um tal verificar e derrubar árvores na eminência de tombar.

Vai ser tal e qual como se passa com os remédios, cujas bulas - aquele papel bem dobradinho que vem dentro da caixa e que, depois de desdobrado já ninguém consegue voltar a dobrar como estava - nos informam de todos as condições de uso e, sobretudo, dos muitos efeitos secundários a que nos sujeitamos, indicando umas assustadoras probabilidades de virmos a fazer parte do número de afetados. Se nos calhar a má sorte não poderemos reclamar indemnização alguma junto do laboratório fabricante da droga porque… estava lá no papelinho, não estava? Nem podemos ir pedir explicações ao médico que nos receitou as pastilhas sem nos perguntar se éramos alérgicos a isto e àquilo.

Os praienses estarão ainda bem lembrados de, enquanto sintonizando a emissora de rádio AFRTS - rádio e televisão das Forças Armadas Americanas emitindo a partir de Santa Rita - ouvirem os 'Wind Warning' - Alertas de Vento - com que se instava os ouvintes a tomarem precauções com o fito de evitar danos pessoais e materiais - cuidado com os materiais que pudessem ser levados pela ventania, viajar apenas o imprescindível, etc. Para os habitantes da Terceira, aqueles alertas não aqueciam nem arrefeciam, habituados que estavam a ser fustigados por ventos e chuvas, vulgarmente caracterizados por valores bem mais altos dos que se anunciava nos ditos alertas.

Isto foi num tempo anterior à invenção da Proteção Civil, numa época em que os homens do mar e de terra não tomavam conhecimento do boletim do Observatório Meteorológico, este, por sua vez, não dispondo da tecnologia que hoje serve o majestático Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

De resto, a gente andava mais à conta de Deus que dos governantes.

Hoje em dia não há bacias suficientes para aqueles que querem lavar as mãos, imitando aquele funcionário romano que não quis assumir a condenação de um judeu num problemático processo judicial.

Ainda se anda a tirar partido das conclusões do dito relatório e já voltou a dar-se outro inferno. Haverá novo relatório independente, é de crer. Mas o mais importante seria apurar se os incêndios foram provocados por ação humana criminosa e, nesse caso, se foram a mando de alguém.

João Rego

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 507 de 27 de outubro de 2017