Jornal da Praia

PUB

NÃO SEJAM INFANTIS

Terça, 07 de Novembro de 2017 em Opinião 125 visualizações Partilhar

NÃO SEJAM INFANTIS

Na minha ida às escolas, depois de falar no meu livro e na experiência de um estudante ilhéu, dei alguns conselhos aos mais novos. De entre esses conselhos, ressalvo um, que considero ser essencial – o de não serem infantis. É cedo, enquanto jovens na escola, que estes rapazes e raparigas se preparam para serem os homens e as mulheres do amanhã. Não convém que sejam, em idade adulta, seres fúteis, no qual a herança da infantilidade pesa imenso sobre os ombros.

Essa herança pode ser um resquício encontrado no corpo de adulto, tornando-o refém de uma mente pequenina e infantil. Não há quem negue, e até podemos considerar uma certeza, pois há adulto com cabeça de criança, e nem se apercebe de tal infortúnio.

Depois temos, infelizmente, pessoas que levam os seus problemas privados para as páginas das redes sociais, e acabam a discuti-los em assembleia pública. Depois temos jovens irresponsáveis, mimados e credores da atenção do mundo, no qual a rede social é apenas o meio para publicitar a sua insuportável maneira de ser. Depois temos pessoas rancorosas e irritadas, a discutir o sexo dos anjos, que é como quem diz, a discutir as coisas mais banais, as mais pouco importantes. Pessoas essas que, na falta de tempo ou maturidade, enveredam pelo caminho do ataque pessoal, do comentário mesquinho, do querer meter-se em tudo o que o outro diz e faz. Pessoas essas que, não conseguem confrontar pela frente, mas apenas por trás, onde é mais fácil, porque os olhos não são usados. Pessoas essas que, mexericam, inventam, criam e atiram “verdes para apanhar maduras”, numa ânsia doentia de se infiltrarem na vida do outro.

Ah… é verdade… as crianças ainda podem ser infantis no tempo certo. Sendo que devem começar desde cedo a tentar não sê-lo. Mas há remédio, há solução. São crianças. Em crescimento. Para as crianças adultas, infantis de espírito, é que não há solução alguma.

Emanuel Areias