Jornal da Praia

PUB

CENTRO HISTÓRICO

Segunda, 06 de Novembro de 2017 em Opinião 115 visualizações Partilhar

CENTRO HISTÓRICO

A abertura da Rua de Jesus ao trânsito é um tema falado há algum tempo, mas que ganhou relevância durante a campanha eleitoral para as Autárquicas. Por um lado, há quem não tenha dúvidas de que é uma excelente forma de atrair gente ao centro da cidade, mas por outro há quem ainda pondere a questão.

A meu ver, reduzir o número de lugares com parquímetro – mesmo havendo locais, como o parque da Rua dos Remédios, a preços acessíveis –, repensar a famosa questão de se ter que dar uma volta inteira à Praia para chegar onde pretende e repensar um conjunto de iniciativas que mobilizem um bom número de pessoas são questões a ter em conta, mas permitir que veículos circulem na principal rua não faz qualquer sentido. O espaço para os peões circularem tornar-se-á apertado e, portanto, será um perigo; para os turistas e locais que gostam de passear a pé será, certamente, aborrecido; parar no meio da rua para entrar numa loja e fazer uma compra não será fácil, nem permitido, pelo que o veículo terá sempre que ser estacionado num dos locais que já existem para o efeito; a Rua de Jesus não será a mesma, ficará ainda pior; o que se quer realmente é movimento financeiro no comércio e o que teremos, a abrir-se a rua, será movimento rodoviário e poluente, nada mais do que isso.

A abertura de poucos metros de rua será a solução? É assim tão benéfico para a cidade haver movimento rodoviário só para não parecer parada?

O projeto apresentado pelo recém-eleito presidente de câmara, ainda como candidato, tem boas medidas para solucionar o problema da “cidade-deserto” e atrair pessoas ao centro e clientes ao comércio, no entanto acrescentaria ainda a realização de um estudo especializado sobre esta questão. A Praia não é a primeira cidade a atravessar sérios problemas relativamente à atração de pessoas ao centro. Cidades bem maiores, como Almada, já sofreram o mesmo problema e com os investimentos e implementação de medidas resultantes de um conjunto de estudos eficazes é hoje uma cidade, ainda em recuperação, mas melhor, mais apelativa e com mais visitantes no seu centro. Almada é também um exemplo interessante para percebermos que, para a Praia, não são só os voos a preços acessíveis que fazem com que haja quem opte por fazer compras fora da cidade e da ilha, uma vez que a cidade em questão, para além de localizar-se a minutos de Lisboa, possui um dos maiores centros comerciais do país. A grande questão da Praia da Vitória, a este respeito, não passa pelos fatores externos, mas especialmente internos.

Rodrigo Pereira

NE: Artigo publicado na edição n.º 507 de 27 de janeiro de 2017.