Jornal da Praia

PUB

ÉVORA, COLOSSO PATRIMONIAL E HISTÓRICO

Domingo, 05 de Novembro de 2017 em Opinião 535 visualizações Partilhar

ÉVORA, COLOSSO PATRIMONIAL E HISTÓRICO

Quando no ano lectivo de 1972-73, conheci o professor e insigne escritor Vergílio Ferreira, no Liceu de Camões, em Lisboa, estava longe de pensar que, passados tantos anos, teria o ensejo de visitar, pela terceira vez, esta cidade alentejana, no intuito de pesquisar elementos sobre o autor de Aparição, obra que se desenrola na cidade de Évora, hoje geminada com Angra. E talvez tenha sido o convívio com esse amigo- confidente, que me levou a propor essa aproximação das duas cidades, o que não foi fácil de fazer aprovar, quando em 1987 era vogal eleito da Assembleia Municipal angrense.

Por capricho do calendário, tive este ano a gratificante oportunidade de assistir às «XX Jornadas Internacionais de Música da Sé de Évora», entre 4 e 8 do corrente mês. Foi uma semana maravilhosa de fruição e deslumbramento cultural e fiquei apaixonado, mais uma vez, pelo seu extraordinário património artístico eborense.

No próximo ano, espero lá voltar. Está já prometido, apesar do cansaço provocado pelas deambulações pedestres, a única forma de se descobrir uma cidade, duas vezes milenária, em que os monumentos nos espreitam dos cantos das ruas estreitas, de piso irregular, com casas baixas e brancas, misturadas com palácios, igrejas e conventos.

A malha urbana central parece, vista de longe, uma gigantesca rosácea, ou melhor, um portentoso novelo com as suas vielas, becos, recantos, pátios, travessas impossíveis de contar, pois são às dezenas, quiçá centenas. Tudo isto encanta o visitante e dá-lhe gosto e curiosidade para deslindar três tempos longos ou períodos marcantes para o conhecimento da história da humanidade: o dos romanos, o dos muçulmanos e o dos cristãos.

A própria cidade em cada um desses períodos teve nomes diferentes: Ebora Liberalitas Iulia, para os romanos; Yebora ou Yeborath, para os muçulmanos, e Évora, para os cristãos, a partir de 1165, ano da expulsão dos árabes por Geraldo Geraldes, o sem Pavor, libertando a urbe para D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal.

As suas ostensivas muralhas, para melhor serem defendidos os seus habitantes, ficaram, ao longo dos tempos, concretizadas em duas cercas: a cerca velha, do período romano do século III, com um perímetro de 1,2 km, reforçada por várias torres, com quatro portas, havendo vestígios desta época na Porta D. Isabel, na Torre do Salvador, e parte da muralha que se pode ver na rua da Alcárcova de Cima e as torres do Largo da Porta de Moura. A cerca nova ou fernandina foi ampliada e as grandes obras só terminaram no tempo de D. Fernando. Deste tempo são as portas de Avis, do Alconchel e do Moinho de Vento. Desde 1922, as partes romana, muçulmana e medieval, e a de 1926, a parte mais moderna, com cerca de 1,8 km de extensão, todas bem conservadas, foram consideradas monumentos nacionais, e desde 1986 pertencem ao património mundial da UNESCO, como aliás todo o centro histórico de Évora. Esta última é o melhor exemplo de cidade portuguesa, depois da destruição do terramoto de Lisboa de 1755, tendo influência dominante na arquitectura de cidades do Brasil, como a de S. Salvador da Baía.

A toponímia eborense é outro manancial histórico e cultural de muito interesse para o conhecimento desta singular cidade. Certamente, a rica  Universidade de Évora, a segunda mais antiga do País, fundada por D. Henrique (1559), anteriormente, arcebispo de Évora,  não estará desatenta a esse fenómeno. Ela teve, pelo prestígio dos seus lentes, projecção europeia até 1580, e novamente depois da Restauração.

Seguiu-se uma fase de declínio, após a anexação de Portugal pela Espanha, culminando esta decadência em 1759, com a expulsão dos jesuítas e o encerramento da mesma. Mais tarde, a partir de 1841, seria sede do Liceu Nacional de Évora, onde ensinou Vergílio Ferreira, nos primeiros anos. Em 1973, é instalado o Instituto Universitário de Évora. Hoje, a Universidade de Évora é uma instituição moderna, inovadora e com boas instalações, como se pode constatar numa visita atenta.

O título «mui nobre e sempre leal» concedido por D. João I a Évora é quase igual ao de Angra «mui nobre, leal e sempre constante». Ela foi a residência preferida dos reis da dinastia de Avis e de D. Manuel I, que em 1501 concede novo foral à cidade. Esta uma vez convertida em pólo de atracção cultural, com a sua aura vai trazer artistas de diversas proveniências, que vão continuar a animar os serões do Rei Venturoso famosos em toda a Europa, e os de D. João III, cujo casamento é festejado com a representação da Frágua de amor, peça de Gil Vicente inspirada nesse importante acontecimento.

Menção especial para o grandioso palácio de D. Manuel, que fora mandado construir por D. Afonso V, em 1468. Este rei desejava ter na cidade um paço fora do castelo para se instalar. Foi habitado por vários monarcas. Era, segundo rezam as crónicas, um dos mais notáveis do reino. O paço, para além de ter sido uma das maiores obras arquitectónicas do País, assume grande importância histórica. Foi nele que Vasco da Gama foi investido no comando da esquadra que abriria o caminho marítimo para a Índia, e foi lá que Gil Vicente representou sete dos seus autos dedicados às rainhas D. Maria de Castela e D. Catarina de Áustria.

Do referido palácio, que foi destruído por Filipe II, apenas resta a «Galeria das Damas», pavilhão construído, cerca de 1510. Actualmente, é lugar utilizado para fins culturais. A cultura é uma das vertentes fundamentais, que o recém-eleito Presidente da Câmara de Évora pretende incrementar, como sublinhou no discurso de abertura das «XX Jornadas Internacionais de música da Sé de Évora».

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 507 de 27 de outubro de 2017.