Jornal da Praia

PUB

VASCO DA GAMA – AS VIAGENS À ÍNDIA

Sábado, 04 de Novembro de 2017 em Opinião 1239 visualizações Partilhar

VASCO DA GAMA – AS VIAGENS À ÍNDIA

Há exatos 520 anos, a 4 de novembro de 1497, a armada de Vasco da Gama chegava ao litoral africano. Entre 1497 e 1524, Vasco da Gama foi o homem da “Índia”. Também foi lá que morreu, como vice-rei, procurando impor a ordem e a soberania portuguesa na região de Cochim.

A 8 de julho de 1497, a armada de Vasco da Gama partia de Belém, Lisboa, com destino à Índia. D. Manuel I queria abrir o comércio marítimo com o subcontinente indiano. Da armada faziam parte 4 caravelas, a São Gabriel (uma carraca de transporte com 27 metros de comprimento e 178 toneladas), comandada diretamente por Vasco da Gama, a São Rafael por Paulo da Gama, a Bérrio e a São Miguel e contava, ainda, com cerca de 170 homens. A caravela de Bartolomeu Dias, o primeiro a navegar longe da costa no Atlântico Sul, acompanhou a expedição até à Mina, no Golfo da Guiné. A expedição seguiu depois sozinha.

A 4 de novembro de 1497, a armada chegou ao litoral africano, tendo então atravessado mais de 6 000 km de mar aberto, a viagem mais longa até então realizada em alto mar. Quando a 16 de dezembro, Vasco da Gama ultrapassou o chamado "rio do Infante", a armada portuguesa estava em territórios “nunca dantes navegados”. Era um ponto de viragem para a náutica e para a História de Portugal. Na costa de Moçambique, encontraram os primeiros mercadores indianos, com quem comerciaram, mas tiveram pequenos problemas com o sultão, o que os obrigou a sair rapidamente de Moçambique.

Em fevereiro de 1498, a armada comandada por Vasco da Gama desembarcou em Melinde, sendo bem recebidos pelo sultão que lhes forneceu um piloto árabe, que lhes ajudou a chegar a Calecut, na Índia. Luís Vaz de Camões cantou, na sua obra Os Lusíadas a presença de Gama junto do “Rei de Melinde”. Só a 20 de maio de 1498, Vasco da Gama chegou à Índia, estabelecendo a Rota do Cabo e abrindo o caminho marítimo dos Europeus para o Oriente. Iniciava-se a globalização, o comércio internacional ganhava forma. O ano de 1498 marcou uma viragem de capítulo da História Mundial e os portugueses deram um “empurrãozinho”, forte e determinado.

Após um período de contactos e trocas comerciais, Vasco da Gama iniciou a sua viagem de regresso a Portugal. A 29 de agosto de 1498, a armada portuguesa partia da Índia. Com problemas devido aos ventos, a morte de vários tripulantes e o desaparecimento de duas caravelas, a expedição de Gama chegava a Portugal. A 10 de julho de 1499, 2 anos depois de terem partido, a caravela Bérrio chegava a Lisboa. Vasco da Gama, depois de passar pela Terceira, onde sepultou o irmão Paulo da Gama, chegou a Lisboa. Estávamos em setembro de 1499. Apenas 55 dos 170 homens chegaram vivos.

A 12 de fevereiro de 1502, Vasco da Gama zarpava de Lisboa, comandando uma segunda armada à Índia, desta vez com cerca de 20 navios de guerra. Era preciso fazer cumprir os interesses portugueses no Oriente, pois havia histórias de destruição da feitoria portuguesa construída em território indiano. Nesta viagem, Vasco da Gama tomou e exigiu um tributo à ilha de Quíloa (África Oriental), que tinha combatido contra os portugueses, tornando-a tributária de Portugal. Com o ouro proveniente de 500 moedas do régulo de Quíloa, D. Manuel I mandou construir para o Mosteiro dos Jerónimos, a Custódia de Belém (peça única da ourivesaria portuguesa, que se encontra actualmente no Museu Nacional de Arte Portuguesa, em Lisboa). Vasco da Gama, após várias batalhas, conseguiu fundar a primeira colónia portuguesa de Cochim, na Índia. As relações entre ambos os povos estavam cimentadas. Regressou a Portugal em setembro de 1503.

No reinado de D. João III, em 1524, Vasco da Gama foi enviado uma terceira e última vez à Índia, desta vez como vice-rei. O objectivo era controlar as escaramuças e impor a ordem. Vasco da Gama conhecia bem o lugar e o povo e era uma garantia para a Coroa portuguesa. Contudo, Gama morreu, pouco tempo depois, em Cochim, nas vésperas do Natal de 1524.

As viagens de Vasco da Gama à Índia abriram um novo ciclo na História Mundial. Uma “pequena” aventura de apenas 4 caravelas, deu origem a uma nova estrutura da economia-mundo e abriu portas a Portugal.

Hoje em dia precisamos de aventureiros corajosos e com objetivos, que queiram abrir novos caminhos e que saibam como fazê-lo. A Terceira precisa do empenho e entrega dos seus políticos e também da sua população. Precisamos unir forças para fazer crescer a economia e a vida da Ilha. A Terceira precisa de todos nós.

A 10 de junho de 2016, no Pátio da Alfândega, em Angra do Heroísmo, era inaugurada uma estátua de Vasco da Gama, relembrando a sua passagem pela Terceira.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 507 de 27 de outubro de 2017.