Jornal da Praia

PUB

ENTREVISTA A ANTÓNIO NEVES LEAL, FILÓLOGO E ESCRITOR

Sexta, 03 de Novembro de 2017 em Entrevista 226 visualizações Partilhar

ENTREVISTA A ANTÓNIO NEVES LEAL, FILÓLOGO E ESCRITOR

António Neves Leal, 74 anos, homem da literatura e da filologia românica, desde tenra idade se deslumbrou pela magia das palavras, destacando-se dos demais colegas de escola pelo brilhantismo das redações. A este gosto pela leitura e escrita não terá sido alheia a influência dos vários mestres que ao longo da sua formação foi encontrando, entre os quais, o expoente máximo da escrita insular, Vitorino Nemésio.

Imigrado em França durante 5 anos, ao longo dos últimos 40 anos, publicou várias obras, a última precisamente intitulada “Varanda de Paris”, coletânea de crónicas publicadas no jornal “A União”, onde para além de patente todo o seu amor aos Açores, é abordado entre outros temas a “emigração”, fruto das suas vivências na “cidade das luzes”.

Colaborou na revista “Atlântida” do Instituto Açoriano de Cultura e em vários jornais dos Açores, Madeira, continente português e das comunidades açorianas do Canadá, França e Alemanha. Durante cerca de 31 anos colaborou regularmente no jornal “A União” e desde 1990 vem colaborando no Jornal da Praia.

Para além da escrita, participou ativamente na vida política, social e cultural da ilha, tendo sido em 1981, mandatário terceirense da candidatura do general Ramalho Eanes à Presidência da República, e em 1988, candidato nacional ao Parlamento Europeu, pelo Partido Socialista. Foi também durante 18 anos, coralista do Orfeão da Praia da Vitória.

Jornal da Praia (JP) – O António é um homem da literatura e da filologia românica que, ao longo da sua vida, deu aulas, foi sindicalista, imigrante em França e escreveu muitas crónicas, quer para o saudoso jornal “A União”, quer mais recentemente para o “Jornal da Praia”. Indo um pouco às origens, diga-nos quando e como despertou para a escrita e qual a influência das suas diversas vivências neste percurso, hoje, de mais de 40 anos?

António Neves Leal (ANL) – O meu gosto pela escrita remonta ao tempo da infância. Quando eu frequentava, nos anos 50, a escola primária, hoje o primeiro ciclo do ensino básico, surgiu-me o gosto pela leitura, estimulado pelo meu professor da 4ª classe, um jovem docente natural das Flores. A partir daí comecei a gostar muito de fazer redações sobre as coisas que observava e os temas mais diversos e próprios daquela idade.

E assim passei a revelar um crescente interesse pela escrita e a ter um certo ascendente sobre os meus colegas na turma. Muito frequentemente era incumbido de algumas funções que me desagradavam, como distribuir reguadas aos companheiros, quando estes cometiam erros no ditado.

Naquele tempo havia uma pedagogia exigente e punitiva. O castigo era então bem aceite, fazendo parte das práticas de aprendizagem. Os próprios pais o recomendavam, quando fosse preciso. A régua, que sucedera à férula no ensino, não era para mim benquista, porque detestava distribuir palmatoadas na aula e depois, à saída das aulas, ter de encarar os amigos por esse motivo.

Mas havia uma certa cumplicidade e benevolência entre nós, e o castigo acabava por ser suave e considerado quase uma brincadeira. Criava-se, no fim de contas, um espírito de competição sadia – emulação – entre os alunos, o que nos dias de hoje não seria recomendável.

Era norma naquele tempo, os alunos que cometessem três erros, não irem prestar provas do primeiro ciclo do ensino básico – quarta classe – Daí o rigor exigido na aprendizagem da língua materna.

No Seminário e na Escola Industrial e Comercial e posteriormente no Liceu e Escola do Magistério, esse gosto pela leitura e escrita foi sendo incrementado. Na Faculdade de Letras, esse pendor foi ainda mais acrescido com a sorte de ter dos mais reputados mestres: Jacinto Prado Coelho, Pe. Manuel Antunes, Lindley Cintra, Maria de Lourdes Belchior, Vitorino Nemésio e tantos outros, sem esquecer os três docentes de Língua e Cultura Francesa que me acompanharam durante o curso.

Foi em parte graças a estes últimos e à professora de Literatura Francesa, Maria Alzira Seixo, que comecei a despertar e sentir esse gosto de ler e escrever numa nova língua, a qual para mim se tornou uma verdadeira paixão, e seria o detonador decisivo para a minha aventura pública da escrita.

Estava então em 1974, num curso de pos-graduação para professores estrangeiros, na Universidade de Poitiers, em La Rochelle, e um dia foi-nos proposto escrever um texto de tema livre. Eu, como insular que era, optei logo por fazer um texto de prosa poética, inspirado na ilha e a coisa saíu-me espontânea e bem escrita. Inesperadamente me vi catapultado para o patamar da pequena fama académica, com incumbência de ser porta-voz de duas centenas e meia de colegas vindos de vários países, e bolseiros, como eu, do governo francês.

Depois vieram as saudações, os comentários públicos, e tive de fazer a publicação de um pequeno discurso de agradecimento e exaltação da cultura francesa, no Jornal “Sud-Ouest”, de Bordéus.

No ano seguinte, fui logo concorrer, como leitor de Português, para vários países francófonos, sendo nomeado em 1975 para o Liceu Internacional de Saint-Germain-en-Laye, como professor e Diretor da Secção Portuguesa, mas assegurando a minha colocação no Liceu de Angra, como professor efetivo, não fosse o diabo tecê-las.

Em 1976, outro momento marcante, após férias nos Açores, iniciei em “A União” a publicação da “Varanda de Paris”. Entretanto o apego e o amor à ilha, bem patentes nestas crónicas, foram mais fortes, e trocando a minha permanência parisiense e uma hipótese de ir para Colónia – Alemanha – prosseguir idêntico trabalho, como em Paris, tomei a decisão de regressar aos Açores.

Devo confessar que isso não foi fácil e auscultei amigos, mas creio que até hoje, não tive muitos motivos para me arrepender. Sinto-me feliz por estar nos Açores e por ter dado alguns contributos para a divulgação do Arquipélago, durante estes 40 anos de atividade. E estar hoje aqui a dar esta entrevista ao Jornal da Praia, a que estou ligado desde 1990.

JP – Recentemente, mais concretamente em junho, lançou a obra “Varanda de Paris”, que sucedeu ao livro biográfico lançado o ano passado “Pegadas de Uma Caminhada”, sobre o Padre Manuel Garcia da Silveira. Qual é o processo de criação que leva um autor passar de um registo biográfico a uma obra de cunho mais pessoal como é o caso de “Varanda de Paris”?

ANL – Foi com alguma relutância que aceitei o convite de um antigo colega do Seminário de Angra para escrever a sua biografia e abordar a sua vasta obra em prol da arte sacra. Mas, com a sua insistência, acabei por anuir. Assim nasceu “Pegadas de uma caminhada”, lançado no ano passado.

Eu antes já havia escrito duas outras biografias, género que muito me encanta desde a juventude. Todavia, para um autor é um trabalho difícil, que exige isenção e pesquisas aturadas, e muita delicadeza na sua feitura, sobretudo quando os biografados estão vivos e, mais ainda, residindo em meios pequenos, como os Açores.

Aliás, aproveitei um dos momentos do lançamento da terceira biografia, na cidade da Horta, para frisar algumas dessas dificuldades e especificidades, na minha exposição sobre a evolução do conceito de biografia, numa perspetiva diacrónica, desde os tempos mais recuados até à atualidade.

Sobre esta última, repito o que disse então no Faial. Hoje há um uso e abuso de biografias, visando notoriedade fácil e efémera.

Além disso, um autor deseja sempre variar, superar barreiras e alargar horizontes, o que não se coaduna com a uniformidade, a utilização e o estilo das obras construídas segundo os cânones ou regras de um só género.

No caso presente, este livro visa retomar, agora, uma trajetória da escrita anterior, abandonada temporariamente por via de circunstâncias surgidas depois do meu retorno ao arquipélago, nomeadamente o período de preparação para a fundação do quinzenário “Directo”, que me obrigou, mais de quatro anos, a estar totalmente votado a essa causa. E também a posterior intervenção partidária no Partido Socialista, quer como Vogal da Assembleia Municipal de Angra, quer como candidato à Assembleia regional dos Açores, Assembleia da República e Parlamento Europeu, na lista de Maria de Lourdes Pintasilgo, em 1988.

Após a minha desvinculação do PS, voltei à atividade política como candidato da ADA (Aliança Democrática dos Açores) e participei também nos Estados Gerais do PS, na área da Educação e Ensino, como acontecera anteriormente no tempo em que fui dirigente socialista.

Este interregno na política partidária, embora ressentindo-se menos na forte colaboração jornalística, foi impeditivo da investigação e da criação ficcional.

Quarenta anos decorridos, com o tempo a fugir vertiginosamente, não sei se vou a tempo de corrigir o rumo pretendido e voltar aos livros, que ficaram encalhados por entre escolhos e papéis, durante vários anos.

JP – Centrando-nos em “Varanda de Paris”. Como surgiu a ideia do seu lançamento e que mensagens se pretende transmitir quando se publica uma coletânea de crónicas de jornais escritas há cerca de 40 anos, com temas e geografias tão diversas?

ANL – A “Varanda de Paris” surgiu com uma tripla intenção: comemorar os 40 anos de escrita em jornais, revistas e livros; mostrar como era a vida nos Açores e Portugal, indicando algumas realizações daquele tempo; e, com base na documentação contida no livro, comparar o que foi feito ou não, nesses tempos turbulentos, com a nossa vivência hodierna.

A obra retrata uma das épocas mais criativas e interessantes da nossa história, a partir de Paris e na ótica de um açoriano estando longe, mas vivendo atentamente as questões da terra mãe. É um hino de amor aos Açores e a Portugal, no qual desejo contribuir, com ideias e achegas, para a melhoria das condições de vida, não só dos portugueses radicados no estrangeiro, mas também daqueles que os esperam com saudade e ansiedade.

Esta obra, portanto, não se compadece com tricas mesquinhas nem aproveitamentos partidários ou interpretações retorcidas. Para o compreender bem, tal como foi afirmado por Herculano Godinho, na sua magistral e perspicaz apresentação é preciso ler a introdução do autor.

Coelho de Sousa, em carta que me endereçou, sintetiza quase tudo o que pretendi com esta reedição – “gratidão pelas tuas Varandas, donde não só se avista Paris e o mundo, como se aspira a brisa dos Açores, que não falta no teu empenho”.

Obviamente que o leitor é livre de interpretar a obra com a sua sensibilidade e espírito crítico. Este não é, nem pode ser apanágio de críticos encartados que leem as obras com demasiada pressa, não atingindo, por vezes, o âmago das mesmas, nem a sua beleza estilística.

Nestas crónicas abordei múltiplos temas, alguns deles inovadores nos Açores, como os da ecologia, da agricultura, do ensino, etc. Procurei trazer à colação a forma como muitos deles estavam a ser encarados na Europa da CEE. E tentei alertar os nossos concidadãos para a sua utilidade, com vista ao progresso das populações.

Devo afirmar que alguns desses temas foram baseados em leituras de publicações científicas. Foi o caso de quatro crónicas dedicadas aos problemas agrícolas, muito importantes na vida de tantos açorianos. Gostava também de salientar uma outra vertente do livro: das 52 fotos, vinte delas aproximadamente são sobre Paris, como farol de uma das mais belas culturas do mundo, pelo seu carácter científico, artístico e civilizacional.

Neste particular, o meu livro pretende ser uma saudação de agradecimento à França. Isto mesmo está patente na forma como o livro foi recebido e as opiniões manifestadas, entre elas, a do Embaixador da França em Portugal, a do Prof. Doutor François Boulet, autor da grande história do Liceu Internacional, e a do meu colega atual Diretor da Secção Portuguesa.

Infelizmente, é de estranhar não ter chegado nenhuma referência de entidades oficiais portuguesas, a quem foram enviados alguns exemplares do livro.

JP – “Varanda de Paris” aborda entre outros temas a “emigração”. O próprio António em declarações ao jornalista Sidónio Bettencourt no programa “Atlântida” transmitido durante as Festas da Praia 2017, considerou este tema “uma vertente fulcral” do livro. Neste mundo atual, com as questões do terrorismo a serem por alguns setores associadas às políticas de emigração e migração, inclusivamente em França, e perante a posição da administração americana nesta matéria, que mensagem transmite este livro em relação a este assunto?

ANL – Efetivamente, a emigração é uma vertente fulcral do livro. Nem podia deixar de o ser. Um dos meus compromissos, ao aceitar a minha nomeação para França, em 1975, pressupunha dar uma atenção especial à vasta comunidade portuguesa lá existente. Só na região parisiense ultrapassava 800 mil imigrantes.

Nas minhas vindas a Portugal, frequentemente, frisei o facto de Paris ser a 2ª cidade lusófona do mundo, como Montréal era para França a 2ª francófona. E com esta comparação, lá  fui conseguindo alguns apoios para as causas mais importantes a favor dos nossos concidadãos.

O mesmo aconteceu numa entrevista que dei à Radio France Inter, num dos momentos altos para a promoção de Portugal e da Língua Portuguesa em França, sublinhando o interesse dessa comparação para as línguas dos dois países.

Isto veio a propósito da classificação de uma aluna da Secção Portuguesa do Liceu Internacional, que obteve o honroso 2º lugar na prestigiosa prova, a nível nacional, conhecida por “Concours Général”, que distingue os melhores alunos concorrentes dos liceus franceses.

Procurei também trazer a público os problemas e facilidades do Acordo Luso-Francês de 1977, analisados em duas crónicas, onde afloro a necessidade de maior comunicação bilateral entre os portugueses de lá e de cá, um maior apoio ao ensino do Português aos imigrantes que quisessem regressar, e a situação das equivalências dos estudos. Estes e outros poblemas são traves-mestras do livro, que começa e acaba com referências à temática da emigração. A primeira crónica, “À Doce Terra Açoriana” e a última, “Emigrados, que regressso?”

Como se depreende, a emigração/ imigração abordada neste livro, está baseada em documentos assinados pelos dois Estados, em que tudo obedece a exigências legais e a condições de reciprocidade. Hoje, a situação é muito diferente. A questão da insegurança, com as ondas de refugiados e oportunistas à mistura, altera tudo por completo.

A França foi ao longo da sua história um país de grande acolhimento e destino para muitos povos, à semelhança de outros como os EUA, o Reino Unido, e a Alemanha.

No hexágono francês há, legalmente, cerca de 10 por cento da população, oriunda dos países árabes e das antigas colónias africanas e da Indochina, o que representa mais de 6 milhões e meio de pessoas.

A solução dramática dos refugiados não pode ser ignorada e é urgente que seja rapidamente regulada, não somente ao nível da Europa, mas à escala global. O mesmo se aplica à insegurança que se vive nos dias de hoje.

O problema diz respeito a todos os países, e não a dois ou três. As opiniões das sociedades civis, os órgãos de comunicação e os programas do ensino, entre outros organismos, devem sensibilizar as pessoas e alertá-las para esses novos desafios. Apenas com a diplomacia lá não chegaremos, dada a magnitude dos problemas.

A mensagem deste livro aponta para a necessidade de lutar em prol dos deserdados da sorte. É preciso, pois, criar condições de acolhimento justas e de reciprocidade. Para os que chegam e querem trabalhar e ter uma vida nova e para os que os vão receber. Os primeiros são merecedores desse apoio. E tanto os franceses como os portugueses têm vasta experiência neste domínio.

Não se pode tolerar a entrada de oportunistas e bandoleiros disfarçados de refugiados, que vêm apenas semear violência e desordem. O problema da insegurança e dos refugiados tem de ser resolvido a montante e a jusante, isto é, tanto nos países de origem dos problemas como nos de acolhimento. É preciso ser solidário e assertivo nas posições a tomar.

Não creio que do maior país de imigrantes do mundo, os EUA, com a política do seu actual presidente se possa exigir algo de benéfico. Os Açores, atendendo ao que tem sido feito aos repatriados, muito pouco ou nada têm a esperar, infelizmente.

JP – Virando a conversa para uma dimensão regional, para o António, poder-se-á falar de uma literatura regional ou pelo contrário, estamos perante uma escrita que é eminentemente ilhéu, no sentido de cada autor estar circunscrito ao espaço da sua ilha?

ANL – Para responder à sua pergunta, vou ser direto e claro sobre esta questão. Eu não gosto da designação de literatura regional. Acho que já se perdeu demasiado tempo a discutir sobre a existência ou não de uma literatura regional açoriana. Na minha longa intervenção, na BPARLSR de Angra, no dia 25 de maio, dedicado ao Autor Português, ficou patente, o que penso sobre este assunto.

Para mim, o que existe nos Açores é uma literatura portuguesa de expressão açoriana. Eu, que me perdoem a imodéstia, fui o primeiro estudante da Licenciatura de Filologia Românica a querer apresentar uma tese de licenciatura, então de cinco anos, sobre o açorianismo na obra de Vitorino Nemésio, orientada pelo eminente linguísta Lindley Cintra, professor da Faculdade de Letras de Lisboa.

Ele ficou muito entusiasmado com o meu tema. Estávamos em 1970. Veio o 25 de Abril de 1974. As teses foram abolidas. Parei a investigação sobre o “Mau tempo no Canal”, já tendo a pesquisa cerca de cem páginas. A minha ida para França fez-me perder o exclusivo do tema, que mais tarde seria recuperado por um filólogo brasileiro. Isto para dizer que sei do que estou a falar.

E por que razão aludi atrás, à obra nemesiana mais conhecida? Porque ela serve bem o meu ponto de vista. Eu penso que a melhor forma de valorizar a nossa insularidade e a literatura que aqui se faz, é levá-la ao maior número de leitores, isto é, dar-lhe um cunho universal, para que não fique acantonada apenas na ilha ou no arquipélago, e para isso é fundamental a importância do mercado e da distribuição das obras para os autores açorianos.

Para mim, o local e o universal não se opõem, interpenetram-se. O local está mais próximo, deixa as suas marcas e conhecemo-lo melhor. Por isso mesmo, é aquilo que dá mais trunfos – vantagens – ao criador da obra de arte – seja de literatura, pintura, escultura, música ou outra qualquer.

A beleza e grandeza de uma obra não é consentânea com uma visão redutora, fechada, bairrista, rotulada ou catalogada com uma simples designação ou etiqueta. O que interessa, acima de tudo, é o valor intrínseco e artístico da obra, a sua profundidade e universalidade. É isto o que eu penso e defendo.

No caso da “Varanda de Paris”, temos uma obra de um autor açoriano, com uma visão de abrangência regional. O livro alude a quase todas as ilhas, mostra fotos ilustrativas, sempre numa perspetiva de um arquipélago em busca de unidade e equilíbrio para o seu desenvolvimento.

Isto foi escrito há 40 anos e mantenho a mesma posição, ainda hoje.

Sobre isto podem ser lidas três crónicas com o título “Da universidade à harmonia açoriana”, nas pág. 69 a 85.

Gostaria ainda de referir que a preparação e os lançamentos recentes de “Pegadas de uma caminhada” nas ilhas do grupo central: S. Jorge, Pico, Faial e Terceira, vieram reconfirmar a forte convicção e atualidade do meu pensamento.

Amo profundamente a minha ilha, com provas dadas desde há muito. O meu coração palpita sempre que encontro alguém doutras ilhas, na Terceira ou noutra qualquer parte do mundo. Senti isso na França, Espanha, Canadá, Brasil, Cabo Verde. A maior riqueza desta dádiva da Natureza, os Açores, é a diversidade que deve ser mantida e respeitada, carinhosamente, neste maravilhoso caleidoscópio geográfico, humano, cultural e linguístico.

Só assim vale a pena viver e sentiremos que formamos uma verdadeira região.

JJP – Para terminar quais são os projetos para o futuro?

ANL – Os projetos são muitos, mas manda a sabedoria e a curteza dos anos que me restam, ser comedido e estabelecer prioridades.

Neste momento, estou a compilar elementos para um livro de memórias sobre as minhas vivências passadas nos Açores, Continente e França, incluindo algumas ocorrências dos muitos países que tenho visitado. Espero publicá-lo dentro de dois anos. Se tiver saúde, lucidez e as musas me inspirarem.

Gostaria muito de republicar algumas das “Varandas dos Açores”, insertas no Jornal da Praia, interessantes para o conhecimento da vida terceirense e açoriana dos anos 90 e seguintes, e alguns dos 112 artigos da série de “O meu Postal”, mais dirigida para o concelho angrense, mas não só. Ainda teria muito gosto em trazer a público os meus editoriais do “Directo” dos quatro anos em que dirigi o jornal “sem medo”, como era conhecido.

Na escrita de ficção, tenho intenção de publicar dois livros de contos: “Na rota da memória- quando os americanos chegaram à Terceira”; e “Cartas do meu torreão”. Um livro de poesia ”Poemas dispersos” e o “Diário de um professor”.

Resta saber se terei tempo e alguns apoios para isso.

JP/Foto: Rui Sousa

NE: Entrevista publicada na edição impressa n.º 504 de 15 de setembro de 2017.