Jornal da Praia

PUB

A VILA DA PRAIA DA VITÓRIA HÁ 300 ANOS – UMA PÁGINA DE LUTAS DA INDEPENDÊNCIA

Sexta, 03 de Novembro de 2017 em Cultura e Desporto 54 visualizações Partilhar

A VILA DA PRAIA DA VITÓRIA HÁ 300 ANOS – UMA PÁGINA DE LUTAS DA INDEPENDÊNCIA

A Câmara Municipal da Praia da Vitória e o Instituto Açoriano de Cultura (IAC) apresentam, no âmbito do Outono Vivo, no dia 5 de novembro (domingo), pelas 17h00, no bar da Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira a edição fac-similada da obra de Gervásio Lima, A Vila da Praia da Vitória há 300 anos – Uma página das Lutas da Independência, cuja apresentação estará a cargo de Carlos Enes.

A obra, agora disponível em fac-símile, é uma edição conjunta do IAC e da Câmara Municipal da Praia da Vitória. Para além do texto original, de 1931, conta com um prefácio da autoria de Carlos Enes.

Carlos Enes nasceu (1951) na Vila Nova, ilha Terceira. Professor de História no Ensino Secundário, desde 1978, exerceu também funções docentes na Universidade Eduardo Mondlane (1981-84), Maputo, e na Universidade Aberta (1996-2003), Lisboa. Mestre em História Contemporânea (1993), pela Universidade Nova de Lisboa, dedica-se há vários anos à investigação da história açoriana, com vários livros, opúsculo e artigos publicados e participação em colóquios e fóruns nas mais diversas instituições. É autor do romance Terra do Bravo (IAC-2005), edição esgotada e do livro de poesia Cicatriz da Chuva (IAC-2016). Foi deputado na Assembleia da República pelo Partido Socialista de 2011 a 2015.

Gervásio Lima nasceu na Praia da Vitória, a 26 de Março de 1876, e faleceu em Angra do Heroísmo, a 24 de Fevereiro de 1945. É autor de uma vasta obra, que inclui contos, teatro e ensaios nas áreas da etnografia e da história. Os seus textos, contribuíram, em grande medida, para a mitificação de uma memória histórica terceirense, fazendo jus ao pendor romântico com que as redigiu, indo muito para lá do rigor científico, pois era sua intenção dar alma e corpo a heróis terceirenses, transformando-os em verdadeiros mitos populares. A ele se deve a mitificação em torno das heroínas Brianda Pereira e Violante do Canto, bem como a conceção da batalha da Salga como evento de extraordinária heroicidade. Foi sócio efetivo fundador do Instituto Histórico da Ilha Terceira; sócio das Academias de Cádis e de Sevilha, das Sociedades de Geografia de Lisboa, Paris, Geneva e Itália. Foi Cavaleiro da Ordem de Santiago.

IAC/JP