Jornal da Praia

PUB

A EIRA ONDE OS AVIÕES POISAM

Sexta, 03 de Novembro de 2017 em Opinião 86 visualizações Partilhar

A EIRA ONDE OS AVIÕES POISAM

…“É que sou vizinho das Lajes, uma das maiores plataformas aéreas da era atómica”, dizia Nemésio em 1955. Também sou vizinho de umas das maiores plataformas aéreas desertas e esquecidas do mundo.

Em finais dos anos 40 e anos 50, Vitorino Nemésio soube ver, inconformado, as transformações do mais diverso tipo que aquela zona das Lajes sofreu. É interessante ver que, seja em poesia ou prosa, que Nemésio trata aquela zona, onde hoje está o aeroporto e a Base, numa associação entre o “campo” e a “aviação.” Recorre à oposição entre o que existia e o que mudou, o que era rural e o que foi novo, daí afirmar a existência: “campos do aeródromo das Lajes”, “campo de aviação das Lajes” ou “pista de aviões numa eira.” Veja-se que ele não esquece o que existia antes naquela zona – terra plana, fértil, o “celeiro da ilha”, e assim usa constantemente termos como: “campos”, “campo” ou “eira.” E não é apenas por uma questão de vocábulos, mas também pelas análises. Embora diga: “apesar da aviação, das tropas de atalaia à guerra (…) – o corpo da ilha e a sua alma estão concordes comigo: nada aqui se alterou.” Talvez a alma não tenha mudado, mas todo o tipo de mudança social ocorreu, e mais ainda, um encontro de culturas que se prolongou até aos nossos dias.

Nemésio olhava com surpresa para a transformação repentina da zona do Ramo Grande, e às vezes, nutria alguma nostalgia pelos terrenos férteis que se tinham extinguido, afirmando que “a sua grande eira (da ilha), o Ramo Grande, tornou-se de repente uma pista colossal dos aviões.” E a força que o adjetivo “colossal” assume numa terra, e que é reconhecido pelo escritor praiense, em que “a guerra deu subitamente grande importância estratégica.”

A verdade é que o aeroporto e a Base, “o campo de aviação das Lajes” como diz o escritor e poeta, mudou a paisagem do Ramo Grande. Ao invés de nos circunscrevermos apenas às mudanças físicas, que ficam para análises sábias que não a minha, esta é a transformação mais interessante do ponto de vista antropológico, social e cultural que a ilha sofreu. E houve um prolongamento no tempo dessa transformação, que hoje já é algo efetivo e natural no nosso meio. Mas voltemos a Nemésio que já em 1955 dizia o seguinte: “Mas nem o estratagema nem possivelmente a boa pronúncia adquirida num contacto anglo-saxónico de alguns anos serviram desta vez o nosso Armando…”, num texto “Um corsário dos ares”, um relato que aconselho vivamente. Lá está – aqui vemos que o escritor já fala no “contacto anglo-saxónico” e na suposta influência que teve nos falares e dizeres da nossa gente. Coisa que, aliás, se prolongou até nós.

Este pequeno artigo serve para vermos como é que uma das mais ilustres figuras praienses via a transformação que ocorreu na zona conhecida pelo “celeiro da ilha”, do qual a quadra – “Oh avião da carreira/ Carregadinho de bombas/ Tu foste a nossa desgrácia/ E o espantalho das pombas!” – é sintomática dessa visão. Mas também para verificar que há um prolongamento da mudança até aos dias de hoje, que não se cingiu ao espaço físico ou à economia local, mas extravasou largamente a sua área de influência. E a meu ver o que é mais importante e está por estudar são as relações interculturais entre os dois povos (o terceirense e o norte-americano), apesar dos ingleses também terem estado cá. Seja do ponto de vista linguístico, cuja americanização do nosso falar é uma realidade corrente. Seja do ponto de vista do consumo, cuja presença de locais a trabalhar na Base permitiu que o povo em geral tivesse acesso a produtos que não circulavam no mercado local. Seja do ponto de vista do trabalho, cujos salários são mais significativos. Seja pelas relações de amizade entre americanos e terceirenses, casamentos que ocorreram, crianças que foram adotadas por casais norte-americanos. Entre muitas outras coisas.

A curto prazo surpreendeu aos terceirenses, e a Vitorino Nemésio, as mudanças físicas que o espaço sofreu. Depois a médio prazo, houve uma fase de adaptação. A longo prazo, chegamos aos nossos dias. 70 anos são muitos anos. Mais de meio século de influência.

Bem diz Vitorino Nemésio “que o ir e vir destas naves e das gentes necessárias ao seu apoio e refresco tenha influído amplamente nas condições de vida da ilha.” Esta frase é de ontem, de hoje e de amanhã. Quer queiramos quer não.

Nota: Para a concretização deste artigo servi-me de livros como a “Festa Redonda” (1950) e o “Corsário das Ilhas” (1956), da autoria de Vitorino Nemésio.

Emanuel Areias

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 507 de 27 de outubro de 2017.