Jornal da Praia

PUB

UM DIA COM UM IDOSO

Quinta, 02 de Novembro de 2017 em Opinião 177 visualizações Partilhar

UM DIA COM UM IDOSO

Numa população envelhecida como a nossa, onde os lares e centros de dia são escassos, devia-se privilegiar a relação direta dos jovens com os idosos. Para se tentar anular indícios de insanidade pela solidão mortífera e para se assegurar a passagem de boca em boca de histórias antigas, o diálogo entre gerações devia ser prática corrente na nossa cidade.

Um dia com um idoso não seria custoso para o jovem, que assim podia desanuviar do aborrecimento que a vida virtual pode provocar. Nos programas de verão, de ocupação juvenil, ao invés de nada fazerem de útil, podiam apostar na terceira idade todo o seu tempo e empenho.

Escutar a voz de quem é velho, matar os devaneios e tristezas que a idade trouxe e requerer todo o engenho e sabedoria do idoso, para uma aprendizagem real. Na escola da vida, o estudo é uma inutilidade.

São imensas as histórias que o baú guarda. Uma vida antiga é um conjunto de preciosidades, tesouros escondidos na mente, que só não só explorados pela falta de tempo que devemos a quem já foi como nós.

Lembro-me da minha avó contar-me lendas e fantasias, histórias verídicas e sedutoras, que me enchiam os sonhos de um realismo puro. São essas histórias que a morte não pode levar. Uma história do tempo da guerra, uma história sobre a censura e a polícia política, uma história sobre as cantorias e os cantadores antigos, uma história sobre o misticismo de outrora e o temor a Deus, uma história sobre sismos, uma história sobre como se vivia antigamente, uma história sobre o pão de casa ou o carpinteiro da freguesia. Histórias sobre momentos, vivências e pessoas que já cá não estão. Tudo isso no corpo de quem hoje é velho e cansado. De quem morre e leva tudo o que soube.

Não podemos ficar parados, deixando a solidão vencer e as histórias voarem com a morte, que ceifa a alma dos anciãos da vida.

Emanuel Areias