Jornal da Praia

PUB

Balanço pós eleitoral

Sexta, 27 de Outubro de 2017 em Editorial 411 visualizações Partilhar

Balanço pós eleitoral

Encerradas as eleições autárquicas, no concelho da Praia da Vitória, assistiu-se a algumas alterações relativamente ao espectro político estabelecido nas penúltimas eleições autárquicas.

Na verdade, a presidência da Câmara Municipal da Praia da Vitória, foi atribuída pelos eleitores novamente ao Partido Socialista, o que sucede pela quarta vez, sendo o actual Presidente eleito, Tibério Dinis, e o número de vereadores eleitos mantém-se idêntico ao anterior quadro eleitoral saído das eleições autárquicas de 2013, 5 mandatos para o PS e 2 mandatos para o PSD, e o CDS continua a não conseguir qualquer vereador.

Relativamente à Assembleia Municipal da Praia da Vitória, houve uma alteração a salientar, o Partido Socialista apesar de vencedor perdeu terreno para o maior partido da oposição, o PSD, pois antes tinha 24 deputados municipais e agora, ficou representado apenas em 19 deputados, enquanto o PSD, obteve 12 representantes, mais 5 do que reunia na anterior legislatura, por sua vez o CDS-PP, manteve o seu único deputado municipal.

Também se assistiu a mudanças significativas a nível das 11 freguesias do concelho da Praia da Vitória, o PS perdeu 3 freguesias para o PSD, ficando o PS com a presidência de 7 Juntas de Freguesia e o PSD com 4 – vencendo mais 3 freguesias.

A CDU e o BE continuam a ter resultados na nossa autarquia irrelevantes.

A abstenção nos Açores em geral e nomeadamente no concelho da Praia da Vitória é um mito a decifrar, pois é facto notório que apesar de formalmente muito elevada não corresponde à verdade, e tudo indica segundo especialistas na matéria que na realidade a abstenção é muito inferior à apurada, por isso torna-se imprescindível resolver de uma vez por todas a actualização dos cadernos eleitorais, devendo o Governo e os representantes políticos acertarem métodos objectivos para que seja ultrapassada definitivamente a farsa das percentagens relativas à abstenção que em nada dignifica os Açores e os Açorianos.

Num mundo sujeito a estonteantes mudanças, a velocidades jamais vistas cabe aos autarcas eleitos lutar para pôr fim a uma “vulnerabilidade e uma condescendências face à pobreza que temos de sacudir”, não com soluções baseadas na caridadezinha, mas com métodos eficazes para garantirem o desenvolvimento económico e social, gerando empregos dignos, com funções equilibradas, tendo por meta o bem-estar pessoal, familiar e social de todos.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com