Jornal da Praia

PUB

BASE DAS LAJES: DO PASSADO AO FUTURO

Domingo, 22 de Outubro de 2017 em Opinião 442 visualizações Partilhar

BASE DAS LAJES: DO PASSADO AO FUTURO

Durante a II Guerra Mundial, todos os beligerantes ponderaram ocupar os Açores. Talvez, em virtude das objeções do ponto de vista logístico, os generais alemães tenham tirado essa ideia da cabeça de Hitler. Nas Lajes, primeiro estiveram os ingleses, mas foram os EUA, no pós-guerra, que se mantiveram por cá.

Vejamos bem, a valorização que os norte-americanos fizeram da Base das Lajes, pela sua importância geoestratégica, no pós-guerra: em vários relatórios militares, as Lajes tinha preferência face a outras bases como na Islândia ou Gronelândia. Esta valorização e presença constante de forças norte-americanas em território terceirense, marcou de forma indelével o concelho da Praia, e toda a ilha em geral. A Base foi o motor de desenvolvimento que fez a ilha Terceira não estagnar no tempo. Num pequeno universo como o nosso, a presença de uma pequena América no coração da ilha, influenciou e motivou transformações importantes, que tiveram um impacto decisivo no equilíbrio social da sociedade terceirense. Seja no espaço físico, seja na dimensão social, a Base, desde a década de 40, impôs-se como fator primordial de uma mudança visível.

Quem diz que trabalha para os americanos, é visto de forma diferente pela sociedade. Numa sociedade rural, sem muitas posses, trabalhar na Base tornou-se uma fuga à miséria. Nas famílias, sucedem-se as pessoas que trabalham por conta dos americanos, tornando-se mesmo tradição. Há até algo muito paradigmático, pouco visto noutros empregos, que é a hereditariedade no trabalho. Em algumas situações, pais ou tios, deixavam os seus trabalhos, quando se reformavam, para filhos ou sobrinhos.

Quando se trabalha para os americanos ganha-se à quinzena, o que na teoria, leva-nos ao raciocínio imediato: em 15 dias de trabalho na Base, ganha-se mais do que um mês completo cá fora. Há até uma história engraçada que se conta, de um senhor que pergunta a outro: –Onde trabalhas? – Trabalho no carro do lixo – Shi, que treta! – Mas é na Base. – Espetáculo!

Dentro da base, os americanos e os trabalhadores beneficiavam com uma série de serviços feitos à medida das necessidades, logo quem vinha dos EUA não perdia os seus hábitos. Havia escola, restaurantes, hospital, cinema, igreja, piscina, campos de basquetebol ou basebol. Os produtos americanos eram constantes nas casas de famílias terceirenses. Quem não podia ir à Base, pedia a quem lá trabalhava, para comprar um par de calças jeans, a manteiga americana ou uns aperitivos. Vivíamos e, apesar de tudo, vivemos numa sociedade americanizada. Influenciada bastante por hábitos que ganhamos dos americanos e pelos produtos que de lá vinham. No plano antropológico, as relações entre locais e americanos são ainda bem visíveis. Indiretamente, os terceirenses beneficiavam imenso com a presença americana na ilha, seja em restaurantes, comércio local ou habitação, seja nas aprendizagens e convívio com outra cultura. Houve casais que depois de pagar a sua casa, construíam outra, arrendando a primeira em condições muito vantajosas a americanos, que pagavam e pagam rendas inimagináveis para qualquer família portuguesa de classe média. Algumas pessoas chegaram a pedir créditos bancários para erguer casas para arrendar aos americanos, pensando que os créditos seriam pagos a curto prazo com as receitas que fariam. Nas casas terceirenses era habitual vermos a bandeira americana erguida junto à porta de entrada. Quando a presença de militares era muito significativa, houve a necessidade de construir bairros de casas, do melhor que há, para as suas famílias. Hoje são bairros desaproveitados, abandonados e quase em ruínas.

As condições proveitosas que a Base providenciou às pessoas, foi uma atração não só para os terceirenses como também para pessoas de outras ilhas, que se fixaram na Terceira. Assistiu-se a um verdadeiro êxodo em direção à Terceira.

Se antes a Base chegou a ter milhares de militares e outros tantos de trabalhadores civis, hoje a presença é reduzidíssima. A Terceira ganhou, ao longo do tempo, um cordão umbilical muito forte com a Base, difícil de ser cortado. As outras ilhas adaptaram-se ao facto de não terem tido a mesma sorte que a Terceira. Hoje é a Terceira que vive esse desafio. Embora seja impossível perder a ligação natural aos EUA, seja pela emigração, comum ao arquipélago, seja pela presença americana, intrinsecamente ligada, à ilha lilás.

Emanuel Areias

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 506 de 13 de outubro de 2017.