Jornal da Praia

PUB

Eleições

Sexta, 13 de Outubro de 2017 em Editorial 392 visualizações Partilhar

Eleições

Este mês de Outubro principiou com dois grandes acontecimentos: as eleições autárquicas e o referendo na Catalunha.

Neste contexto, importa registar relativamente às eleições autárquicas a impressionante e histórica vitória do Partido Socialista a nível nacional, e a supremacia socialista na Região Autónoma dos Açores, pois o grande derrotado foi o Partido Social Democrata, situação essa que era previsível, porque os cidadãos comuns sempre se recusaram a pagar o preço da austeridade imposta drasticamente pelas medidas governamentais de Passos Coelho e ao invés a geringonça optou por medidas alternativas mais positivas, embora ténues, mas benéficas para o povo, daí em nosso modesto entender a justificação da brilhante vitória.

As eleições autárquicas do dia 1 de Outubro no concelho da Praia da Vitória foram vencidas pelo Partido Socialista, cuja lista para a Câmara Municipal era encabeçada por Tibério Dinis.

A lista do Partido Socialista para a Câmara Municipal da Praia da Vitória obteve uma vitória folgada, aliás como já era esperado, pois Tibério Dinis era o único candidato que reunia maior experiência autárquica, adquirida aquando da governação camarária de Roberto Monteiro, principalmente no último mandato deste, pois foi o seu braço direito.

Assim, à partida era muito difícil aos outros candidatos conseguirem vencer, porque além de serem pouco conhecidos do povo, eram principiantes nestas andanças, o que à partida pouco lhes ajudava.

Por outro lado, o referendo da Catalunha apesar da violência desmedida, incontrolável e cruel das forças policiais enviadas pelo Governo Madrileno para que o povo Catalão não exercesse o seu direito inalienável de escolher o seu próprio destino, realizou-se tendo o “sim” vencido.

Se o referendo era ilegal segundo Madrid, não se vê qual é o interesse em tentar impedi-lo, e da forma como foi feito, contra todos os princípios essenciais à democracia, esta atitude cruel e irracional do Governo Espanhol é imperdoável e violando os ditames do Direito Internacional.

Não se entende a posição assumida pelo Governo Português em prol do Governo da Espanha, pois vai contra princípios consagrados na Constituição da Republica Portuguesa “Portugal reconhece o direito dos povos à autodeterminação e independência e ao desenvolvimento, bem como o direito à insurreição contra todas as formas de opção”.

Ora, estas atitudes com tiques colonialistas não estão de forma alguma de acordo com o direito, por isso “quem não evita males, podendo e devendo vem a ser causa de muitos males”.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com