Jornal da Praia

PUB

RAFAEL COELHO MACHADO – O COMPOSITOR TERCEIRENSE

Quarta, 11 de Outubro de 2017 em Opinião 1088 visualizações Partilhar

RAFAEL COELHO MACHADO – O COMPOSITOR TERCEIRENSE

Há exatos 203 anos, a 13 de janeiro de 1814, nascia, na Terceira, o compositor, professor e músico Rafael Coelho Machado, um artista que fez sucesso no Brasil.

Rafael Coelho Machado terá nascido provavelmente na então Vila da Praia. Cedo foi destinado à carreira eclesiástica, em Angra, onde estudou latim e música. Percebeu rapidamente que não queria seguir a vida religiosa. Com um forte apelo pela música, compreendeu que esta era a área que queria aprofundar e na qual gostaria de trabalhar.

Este período, marcado pelas Guerras Liberais, teve na Terceira uma das suas protagonistas. Basta lembrar que foi na Ilha que os liberais se reuniram contra os miguelistas e que foi na Terceira que, a 11 de agosto de 1829, se deu a maior batalha contra os apoiantes do absolutismo. O exército miguelista tentou desembarcar na Praia, com os seus 4 000 homens, 340 peças de artilharia e 6 barcas canhoneiras. A defesa local era composta por pequenos fortes de marinha e algumas baterias. O futuro Duque da Terceira D. António José de Sousa Manuel de Meneses Severim de Noronha assumiu o comando das tropas liberais. Os absolutistas tentaram desembarcar junto ao areal da Praia, mas muitos jovens, que tinham acabado de incorporar o exército liberal, juntaram-se aos restantes militares e defenderam os fortes com muita garra.

A batalha da Praia iniciou-se com os bombardeamentos miguelistas sobre os Forte de Santa Catarina e o de Espírito Santo. Durante 4 horas, os miguelistas foram responsáveis por 5 000 tiros, mas este ataque não assustou nem desmoralizou os nossos antepassados. Com a linha de Fortes reforçada, os terceirenses passaram ao ataque. A partir do Forte de Santa Catarina, disparou-se contra a fragata Diana e conseguiu-se assim, evitar o desembarque e manter livre a nossa “Ilha-Fortaleza”. O exército absolutista saiu derrotado. Era a primeira vitória liberal contra os absolutistas. Iniciava-se uma nova fase na História do país.

Em recompensa ao apoio dado à causa liberal, D. Maria II atribuiu, a Angra, o cognome de “mui nobre leal e sempre constante cidade de Angra do Heroísmo” e o de “Mui Notável” à Praia da Vitória. Alexandre Herculano, Historiador liberal, no seu livro Scenas de um ano da minha vida e Apontamentos de viagem, chegou mesmo a apelidar a Terceira de “rochedo da salvação”, mostrando a importância que a Ilha teve no desenrolar da História de Portugal.

Após a Guerra Civil, Rafael Coelho Machado, embarcou para o continente português, querendo continuar os seus estudos musicais, aprofundando as suas capacidades no piano, no órgão e na flauta. Talvez desiludido com o país, acabou por emigrar para o Brasil, para o Rio de Janeiro, onde fundou, em 1842, o periódico musical e poético Ramalhete das Damas. Também neste ano publicou os Princípios de música prática para o uso de principiantes e o primeiro Dicionário Musical editado no Brasil- Fixou residência no Rio de Janeiro.

Em uma necessidade de aprender mais e conhecer mais da música que estava em moda na Europa, faz uma viagem pela busca de conhecimentos que passou por Inglaterra, por França, por Espanha e que terminou no seu país natal, Portugal. De regresso ao Brasil, continuou a compor peças musicais e a escrever numerosos artigos e até a explorar a sua veia poética, escrevendo várias canções com o poeta brasileiro Domingos José Gonçalves de Magalhães. Compôs ainda em latim e em português, tanto peças de música sacra, como ladainhas.

Coelho Machado ganhou prestígio como professor de instrumentos de sopro e de harmonia no Imperial Instituto dos Meninos Cegos (atual Instituto Benjamin Constant), escrevendo peças para tornar o ensino da música mais acessível. Foi ainda um conhecido proprietário de instituições ligadas à música e à venda de pianos. Queria aproximar a música das pessoas. Fundou uma editora que lançou vários métodos de música, como o Método de piano forte (1843), adotado no Conservatório do Rio de Janeiro, o Grande método de flauta (1843), o ABC Musical (1845), o Breve tratado de harmonia (1852), o Método completo de violão (1853) e a Escola de violino.

O terceirense Coelho Machado exerceu ainda, em 1845, o posto de organista na Igreja de Nossa Senhora da Candelária, no centro do Rio de Janeiro, uma das principais Igrejas da cidade brasileira, cargo que voltou a ocupar entre 1855 a 1866. Recebeu o título de cavaleiro da Ordem da Rosa (criada a 27 de fevereiro de 1829 pelo 1º imperador do Brasil D. Pedro I, D. Pedro IV de Portugal, em homenagem ao seu segundo casamento com Dona Amélia de Leuchtenberg e Eischstädt).

Entre 1858 e 1859, Anna de la Grange, uma conhecida soprano francesa, visitou o Rio de Janeiro e Rafael Coelho Machado dedicou-lhe uma coleção de melodias da La Traviata, convertidas em modinhas de salão. Continuou a lecionar até 1877, tal era o seu amor pela música. O grande compositor terceirense morreu a 15 de agosto de 1887, no Rio de Janeiro, sendo reconhecido por vários jornais pelo seu génio musical.

É importante que se dê a conhecer estes grandes homens, que lutaram por se afirmar e que evoluíram mesmo em território estrangeiro. Devemos salutar a força e a garra dos nossos artistas, que tanto contribuem para mostrar a capacidade dos açorianos no geral, e dos terceirenses em particular, em se evidenciar em várias áreas. É tempo de olharmos para os nossos e sabermos reconhecer o mérito de grandes portugueses que não se deixaram intimidar pela crise cultural e que continuem a mostrar o grande valor da açorianidade.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 505 de 29 de setembro de 2017