Jornal da Praia

PUB

POSTAL DOS AÇORES

Terça, 10 de Outubro de 2017 em Opinião 231 visualizações Partilhar

POSTAL DOS AÇORES

Cada ilha é um mundo pequeno, que se conjuga num imaginário coletivo de 9, e juntas criam os Açores. O postal dos Açores está mais ou menos estabelecido por ser historicamente associado a determinadas imagens e práticas. Além do postal que os Açores formam como um todo, cada ilha é em si mesmo um mundo por descobrir, formando inevitavelmente o seu próprio postal.

Associa-se o nome de uma ave à imagem das ilhas, como se essa fosse a única teoria explicativa para o facto. Embora a explicação esteja envolvida num mistério, existem várias teorias, nenhuma das quais 100% consensual. A mais difundida é a que supostamente os navegadores avistaram aves de rapina em torno das primeiras ilhas, confundindo espécies. Teriam visto milhafres, mas pensaram que eram açores.

Em 1439, pela primeira vez as ilhas do grupo Oriental e Central foram chamadas de Açores. Há também quem associe o topónimo ao aportuguesamento da palavra italiana azzore, que significa azul. Outra teoria, essa bem mais lógica, é a de que o nome Açores surge da devoção que Gonçalo Velho Cabral, descobridor e capitão do donatário de Santa Maria e São Miguel, tinha a Santa Maria dos Açores, padroeira dos Açores, em Celorico da Beira, na Guarda. Quem diria, aliás, que houve no interior de Portugal, uma freguesia com cerca de 300 habitantes, de nome Açores. Unida a Velosa, desde 2013.

O nome, importante num postal, é logo um elemento que nos obriga a visitar o lugar. Para além disso, e a culpa é nossa, criou-se imagens firmemente estabelecidas do que é os Açores. As paisagens bonitas, muitas vacas nos pastos e resquícios das necessidades fisiológicas pelos caminhos. A imagem de que os Açores são apenas e só ruralidade é ainda hoje uma constante e não há termo à vista para tal pensamento. Embora os Açores tenham trazido a vaca para o seu postal, visto que há cerca de 250 mil bovinos no arquipélago, as ilhas não são apenas vacas e paisagem. Somos nós, que de uma maneira ou outra, vendemos essa imagem. As paisagens bonitas de fajãs, caldeiras, matos, lagoas e serras são monumentos naturais que honram as ilhas além-fronteiras, mas também não são apenas esses os monumentos que deviam caber no postal. Todo o património arquitetónico e histórico é relevante para um turismo cultural e religioso. Existiram cidades açorianas decisivas para a descoberta do mundo.

A imagem mais repetida em reportagens e cartazes turísticos é a das hortênsias, que embelezam os caminhos dos campos insulares. A hortênsia, porém, foi uma espécie introduzida, proveniente, certamente, do Japão. Na lógica da natureza, a hortênsia não a respeita de forma objetiva, uma vez que a sua expansão é resultado da ação humana. Espécie principal na ornamentação dos espaços verdes das ilhas, é no entanto trazida para o postal dos Açores não por desígnio natural, mas por influência do homem.

Depois cada ilha esboça o que é, em cartazes e folhetos, porque todas são iguais, mas tão diferentes no quem têm para mostrar a quem as visita.

Emanuel Areias

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 505 de 29 de setembro de 2017.