Jornal da Praia

PUB

VITORINO NEMÉSIO NAS ESCOLAS

Segunda, 09 de Outubro de 2017 em Opinião 153 visualizações Partilhar

VITORINO NEMÉSIO NAS ESCOLAS

A problemática açoriana domina a obra nemesiana e é com estupefação que vejo que nas nossas escolas, Vitorino Nemésio não é obrigatório. Ao longo da minha vida, enquanto estudante na Escola Vitorino Nemésio, na Praia da Vitória, seu berço, nunca lidei com os escritos do então meu patrono. Dirão que talvez tenha sido por irresponsabilidade pessoal, mas o que é um jovem conhece a mais que não seja dito e difundido por professores e pelo meio em si?

O despertar da nossa consciência face à nossa realidade e à especificidade da nossa natureza devia ter como alicerce a compreensão do que Vitorino Nemésio difundiu, nem que fosse uma aula apenas para trabalhar o conceito da açorianidade, tão próximo de nós. Ao invés de se perder dezenas de aulas a estudar afincadamente a heteronomia de Pessoa. É que não faz sentido, ele estar oculto de nós, por arrogância e distanciamento do currículo escolar face às necessidades reais da nossa existência.

A escola interessa-se pelo conhecimento teórico, mas também em formar bons cidadãos, cientes dos seus limites e crentes na expansão dos seus horizontes. Ou pelo menos devia. Não estudar Nemésio na escola, enquanto jovem, é um retrocesso na nossa evolução enquanto ilhéus. Ou pelo menos um retardar do entendimento da nossa condição.

Diz-se que chegou a ser uma opção, junto de outros grandes da literatura portuguesa, no currículo escolar. Mas Nemésio não serve para ser uma opção, mas uma obrigação, tal como tantos outros tiveram direito. Os alunos acabam por conhecer o seu nome e quase nada da sua escrita.

Dir-me-ão que os típicos contratos de leitura podiam resolver o problema, por incentivo do docente. Nada mais errado, uma vez que a salvação existencial do ilhéu não se deve circunscrever a apenas um, que podia passar a entender-se, mas no meio da aula, tornar-se-ia tanto ou mais isolado do que a ilha.

“O ensino não é mera informação do saber mas norma de humanidade, testemunho do autêntico. Uma sociedade que só instituísse informações teóricas aplicáveis ao êxito rentável teria a civilização moribunda. É o grande risco da nossa.”

A frase é de Vitorino Nemésio. A qualquer praiense, terceirense, açoriano ou português exige-se o entendimento do autêntico, da especificidade da existência, da compreensão da insularidade. Para que não sejamos uma sociedade de conhecimento parcelar ou que se auto-desconhece intencionalmente.

Emanuel Areias