Jornal da Praia

PUB

JUVENTUDE EM FORÇA PELA PRAIA DA VITÓRIA

Segunda, 09 de Outubro de 2017 em Opinião 159 visualizações Partilhar

JUVENTUDE EM FORÇA PELA PRAIA DA VITÓRIA

Se os candidatos que não vencerem as eleições não se afastarem da vida política na cidade, a Praia da Vitória só pode estar descansada por ter o seu futuro assegurado. Estamos a falar de Autárquicas com as mais jovens candidaturas de sempre no concelho, com os três maiores partidos a apresentarem os seus mais fortes e dinâmicos jovens à luta pela presidência da Câmara Municipal. Como é já sabido, pelo CDS-PP, Andreia Vasconcelos, pelo PSD, Cláudia Martins, e pelo PS, Tibério Dinis.

Possivelmente para nenhuma das três candidaturas isso é problema, mas aparecer em força com textos de opinião apenas na época média-alta das Autárquicas é feio. Que surjam as lavagens de roupa suja e batalha de balões de água, já é hábito, mas que as equipas esperem por esta altura para mostrarem preocupação e interesse pelo concelho, confirma o que pensa o povo: “só se lembram de aparecer quando há eleições”. Portanto, a ser lido este artigo pelos candidatos a presidentes e vereadores da câmara, fica a proposta para que mostrem a sua opinião e amor pela terra, também, fora desta época.

Das três candidaturas referidas, a do CDS-PP tem sido a mais fraca. Seja na mobilização, na apresentação de propostas e, até mesmo, nas ações de campanha. Pouco se tem falado desta candidatura pelas ruas, o que não pode ser justificado pelo facto de Andreia Vasconcelos, e bem, afirmar que não vive da política. Sendo isso meritório de respeito e confiança por parte dos praienses, enquanto candidata deveria estar mais ativa e próxima da população. Poderá, eventualmente, esta ser uma estratégia do partido, mas uma vez que os outros dois se encontram ativamente em campanha, torna-se uma desvantagem para este estar a “velocidade reduzida”.

Não posso dizer que o PSD em geral, mas Cláudia Martins, tem feito uma campanha inteligente, ativa e próxima. A candidata tem aparecido junto da população nas manifestações culturais do concelho, assim como relatado os principais problemas que a cidade enfrenta, ainda que nisto não esteja à frente do candidato socialista, mas tem a vantagem de ser oposição. A experiência política e profissional de Cláudia Martins têm sido notórias, ainda que tenha a desvantagem de ser pouco conhecida pelos praienses e de ter regresso à ilha com o propósito, visível, de se candidatar à Câmara Municipal. A ter sido preparada mais cedo a candidatura, que se sabe ter sido tardia, e a mudança para a ilha, não há dúvidas de que seria uma candidata mais forte, ainda que, com estes pontos mais fracos, não permita ao PS grandes distrações. Tem sido notória a confiança da candidata num dos homens fortes do PSD na Praia, Clélio Meneses, e o apoio do mesmo. No entanto, o facto de este discursar em todas as apresentações de listas às juntas de freguesia não me parece ser o mais vantajoso para a candidatura do PSD. Primeiro, porque a candidata é Cláudia Martins e é para ela que têm de estar viradas as atenções, ainda para mais tendo em conta as desvantagens já referidas; segundo, porque, mesmo sendo Clélio Meneses um político forte, que merece o meu respeito e de todos os praienses pelas suas lutas pelo concelho, não representa uma era vitoriosa do partido – recorde-se que, por poucos votos, mas foi vencido por Roberto Monteiro há 12 anos atrás. É claro que isto pode ser justificado pelo facto de ser candidato à Assembleia Municipal, o que não me faz mudar de opinião.

Em eleições, por vezes, surgem surpresas, mas Tibério Dinis é o favorito à vitória. É dos 3 jovens, o candidato mais conhecido, devido ao cargo que ocupa há 4 anos. Também fruto dessa experiência, mesmo que com algumas saídas menos positivas, é o que apresenta as propostas mais assertivas e urgentes para a Praia. Para além da vantagem de já estar no poder, ainda que não como presidente, conta a forte estrutura do Partido Socialista, o que lhe dá uma enorme vantagem. Tibério Dinis tem sido também o candidato mais ativo, com inúmeras visitas a empresas, associações e grupos, e o que melhor transmite o projeto que tem para gerir um concelho com obra feita, mas com dívida e que atravessa uma das piores alturas da sua história.

Para os desafios que a Praia da Vitória tem, o povo esperava para estas eleições políticos mais experientes e até o regresso de alguns tubarões, ainda assim o concelho está bem servido com os candidatos que tem – mais valem jovens que possam surpreender pela positiva, do que experientes que possam desiludir. O mais importante está nas mãos de todos os praienses e é fundamental que no próximo dia 1 se dirijam às urnas e votem no que entendem ser o melhor candidato para dirigir o concelho nos próximos 4 anos.

Rodrigo Pereira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 505 de 29 de setembro de 2017